Mostrando produtos por etiqueta: palestra de Concha Rousia

Ângelo Cristóvão, Concha Rousia e Irene Veiga

Entrevista a Ângelo Cristóvão, presidente, e
Concha Rousia, vice-presidenta da Pró

A Esmorga / MDL / PGL - A Associação Pró-Academia Galega da Língua Portuguesa foi constituída em 1 de Dezembro de 2007, dia da Restauração da Independência e aniversário do primeiro acto público de Nunca Mais, com o objectivo de apoiar a criação duma Academia Galega da Língua Portuguesa (AGLP). Nesta segunda, 14 de Abril, Ângelo Cristóvão, presidente da associação, e Concha Rousia, vice-presidenta, participarão nas I Jornadas de Língua em Ourense apresentando este projecto na cidade das Burgas.

A ideia que os promotores têm da Academia como motor de integração da Galiza na lusofonia, difere doutros modelos académicos, pois neste caso pretendem «uma instituição nacional galega criada por iniciativa da sociedade civil, independente dos organismos do estado [...], que recupere e ponha em valor o nosso património linguístico e literário, ora maltratado, ora esquecido, ora deturpado», com bem indica Ângelo Cristóvão no web oficial da Associação Pró-AGLP.

Como bem sendo habitual durante o decorrer de todo este evento, lançámos uma série de perguntas às, desta vez, duas pessoas convidadas às Jornadas ourensanas, com o objectivo de conhecermos em primeira mão algumas das suas opiniões. Lembramos que a palestra em que estarão Ângelo e Concha decorrerá a partir das 20h00 no CS A Esmorga (rua Telheira, 9, rés-do-chão - Ourense).

Depois de terdes participado na histórica jornada em que uma delegação de galegos e galegas se fez ouvir no parlamento da República Portuguesa, a defender a unidade da língua, qual é a vossa valorização do que isto pode significar para o futuro?

Ângelo - É difícil enxergar agora, tão de perto, a repercussão desses eventos, mas estou certo que nos próximos meses e anos teremos mais notícias positivas para a Galiza.

Concha - Eu penso que nem me vai ser possível mesurar o significado desta jornada; até porque o efeito vai depender das múltiplas reacções que vá ir provocando nos diversos campos da Lusofonia. Para mim significa a integração e o reconhecimento definitivos da Galiza como parte essencial da Lusofonia.

Depois disto, alguém poderia dizer que o galego não é português, ou que o português não é galego, mas saberia que estava mentindo ou praticando a autonegação, algo ao que a gente daqui está muito afeita. Temos tantos preconceitos sobre nós mesmos e sobre a nossa cultura como sobre uma cultura alheia. Mas Galiza está a mudar.

Como surgiu em vós a necessidade de criar uma Associação Pró-Academia Galega da Língua Portuguesa e qual considerais que devem ser as suas funções?

Ângelo - Primeiro foi Martinho Montero que, numa revista propunha, entre as tarefas para o futuro, criar a Academia (acho que foi em 1994). Anos mais tarde, em comentários pessoais várias pessoas em diversos momentos fomos refletindo sobre a possibilidade, a conveniência e o momento adequado.

Finalmente, em Outubro de 2006, Martinho julgou que o lugar e a altura certas eram os Colóquios da Lusofonia, em que se produziu um interessante debate. As funções principais de qualquer academia da língua são três: institucional, editorial e como referente normativo. No caso da AGLP já começamos a exercer a primeira. Logo virão as publicações. A terceira função não me parece uma tarefa urgente.

Concha - Em mim, imagino que como em certo modo ocorre a todos os demais, a necessidade duma Academia surge quando me percebo que os que reconhecemos a nossa língua como todo o que ela é ficamos órfãos e sozinhos, sem ninguém a velar pola nossa língua nem por as pessoas que, com todo o direito do mundo, a usam com normalidade.

A academia terá múltiplas funções, a de ser a interlocutora com as outras Academias na Lusofonia, a de editar as produções agora ignoradas e menosprezadas polos organismos até agora existentes no nosso pais. Terá, em definitiva, a função de cuidar da nossa língua dentro do nosso território e a de interlocutora nossa no resto da Lusofonia.

Conta-nos como correram os trabalhos que tendes desempenhado como membros da diretiva da Associaçom Pró-AGLP, desde a fundação da mesma e quais podem ser os trabalhos prioritários da entidade para os próximos meses.

Ângelo - Quando foi constituída, em 1 de Dezembro de 2007, elaboramos uns estatutos. Logo começamos a organizar a associação. Em 14 de Fevereiro tivemos uma interessante entrevista com o Dr. Joan Martí i Castell, presidente da Seção Filológica do Institut d’Estudis Catalans.

Concha - Apesar do pouco tempo que levamos trabalhado levamos feito muito. Eu como vice-presidenta da Associaçom Pró-AGLP tenho participado em labores organizativas. Entre os trabalhos prioritários para o futuro estão a posta em marcha definitiva da Academia, ajudá-la a dar seus primeiros passos como tal Academia, tentar que estabeleça relações de colaboração com as Academias dos outros países, participar nos eventos culturais e linguísticos que tenham lugar no espaço da Lusofonia e procurar o reconhecimento social que tem que ter na Galiza, dando-se a conhecer, mesmo a través da publicação de um boletim.

Quais achais que podem ser os principais entraves para a criação da Academia Galega da Língua Portuguesa?

Ângelo - A Academia vai ser criada, sem dúvida, e aqui não haverá grandes dificuldades. Será uma entidade cívica com vocação de serviço público. A marca foi previamente registada no Reino da Espanha e na República de Portugal. Ora, para desenvolver todas as funções próprias desta entidade, serão precisos uns recursos.

Talvez o apoio económico seja a parte fraca, atendendo às circunstâncias sociopolíticas em que se desenvolve o País. Contudo, não precisamos milhões para produzir obras de valor. A internet fornece muitas possibilidades.

Concha - Penso que os custos económicos podem, em princípio, obrigar-nos a ter que ir mais devagar com os nossos projectos, acho que é só.

Ouvir áudio da palestra
[Atualização a 29 de abril de 2008]

Apresentação da AGLP nas Jornadas de Língua em Ourense

Descarregar áudio em MP3

Fonte original:

Publicado em Info Atualidade

Concha Rousia assinando o protocolo no RGPL, acompanhada de
Alcides Martins à esquerda (Vice-Presidente Administrativo) e
António Gomes da Costa à direita (Presidente)

 As académicas galegas participaram, em 29 de março, num ato na Academia Brasileira de Letras, no Rio de Janeiro, onde foram recebidas junto da comitiva dos Colóquios da Lusofonia pelo Presidente da ABL, Marcos Vilaça, e o gramático e lexicólogo Evanildo Bechara.

O encontro, com numeroso público assistente, começou às 14 horas com as intervenções de Chrys Chrystello, Presidente da Comissão Executiva dos Colóquios da Lusofonia, Concha Rousia, da Academia Galega da Língua Portuguesa, e Malaca Casteleiro, da Academia das Ciências de Lisboa. A intervenção galega levou por título "A participação galega nos Acordos Ortográficos: Poder e responsabilidade".

O evento serviu também para apresentar o terceiro número do Boletim da AGLP e uma nova edição de Cantares Galegos, primeiro número da Coleção de Clássicos da Galiza.

Concha Rousia e Isabel Rei ao pé da estátua de Machado de Assis, na entrada da ABL

Concha Rousia e Isabel Rei ao pé da estátua de Machado de Assis,
na entrada da ABL

Essa mesma tarde, dirigiram-se para o Real Gabinete Português de Leitura, a mais antiga instituição cultural do Brasil (1837), onde assinaram o Protocolo de Colaboração e Apoio Recíproco entre a AGLP e o RGPL. O evento incluiu um recitado de poemas de Rosalia de Castro, Guerra da Cal e da própria autora, Concha Rousia, acompanhada da guitarrra de Isabel Rei.

A viagem das académicas galegas vai conduzi-las a Florianópolis, onde terá lugar em 31 de março, no Instituto Federal de Santa Catarina, a Sessão Inaugural do Instituto Cultural Brasil-Galiza, organismo binacional com a presença da presidente brasileira, Silmara Annunciato, e Concha Rousia (presidente galega). Será apresentado também o programa de atividades, que inclui uma "Exposição da Cultura Galega", com painéis explicativos sobre história, arte, música, literatura, política, economia e língua, que irá sendo levado por diversos estados do Brasil. 

Palestra de Concha Rousia na ABL

Palestra de Concha Rousia na ABL

O programa inclui outros encontros e palestras em várias instituições, como a Universidade Federal de Santa Catarina, e intervenções no Colóquio da Lusofonia, que vai ter lugar de 5 a 9 de abril.

Público assistente na ABL

Público assistente na ABL

A participação galega nos Acordos Ortográficos

Intervenção de Concha Rousia na Academia Brasileira de Letras

Rio de Janeiro, 29 de março de 2010

Exmo. Sr. Presidente da Academia Brasileira de Letras, Prof. Marcos Vilaça; Exmo. Sr. Prof. Evanildo Bechara e demais académicos brasileiros; caros professores Malaca Casteleiro e Chrys Chrystello, prezados colegas, Senhoras e Senhores:

Agradeço, em nome da Academia Galega da Língua Portuguesa, o convite para participar neste ato numa instituição de tanta importância não só para o Brasil, como também para a nossa língua comum. Começo a minha intervenção lembrando e honrando a memória de Ernesto Guerra da Cal que foi, no Brasil, o maior defensor da dignificação da língua e cultura da Galiza, através da sua reintegração no português comum.

Conforme às informações da tese de doutoramento de Joel Gomes, recentemente apresentada na Universidade de Santiago, o nosso saudoso professor intervinha na Academia Brasileira de Letras em agosto de 1959, provavelmente nesta mesma sala, lendo um poema intitulado “Colóquio”. Em 17 de agosto desse ano recebia a medalha de Doutor Honoris Causa pela Universidade da Bahia, na altura da sua participação no IV Colóquio Internacional de Estudos Luso-Brasileiros. Ernesto Guerra da Cal foi convidado para ser um dos partícipes ao Acordo Ortográfico de 1986, tanto por Portugal como por Brasil. Na altura, ele aceitou assistir aos encontros na sua condição de galego, mas delegou no professor Isaac Alonso Estraviz, integrado na Comissão Galega, que assistiu às reuniões na Academia Brasileira de Letras junto de Adela Figueroa e José Luís Fontenla. A Comissão para a Integração da Língua da Galiza no Acordo de Ortografia Unificada, constituída em 1985, e presidida por Guerra da Cal e Jenaro Marinhas del Valle, estava integrada também por outras personalidades da vida pública como Paz Andrade, e associações culturais lusófonas.

Em 1 de outubro de 1990 Manuel Jacinto Nunes, presidente da Academia das Ciências de Lisboa, enviava carta à Comissão Galega solicitando “a presença de dois representantes galegos, para tomarem parte, como observadores, na mencionada reunião em Lisboa, de 8 a 12 de outubro de 1990”. A Delegação da Galiza no Acordo de Lisboa esteve integrada por José Luís Fontenla, Vice-Presidente Primeiro, e António Gil, Vice-Presidente Segundo da Comissão. Fontenla e Gil representaram o nosso país na condição de observadores, colaborando na redação do texto.

Como sabemos, o artigo 2 do Preâmbulo do Acordo Ortográfico indica: Os Estados signatários tomarão, através das instituições e órgãos competentes, as providências necessárias com vista à elaboração, até 1 de Janeiro de 1993, de um vocabulário ortográfico comum da língua portuguesa, tão completo quanto desejável e tão normalizador quanto possível, no que se refere às terminologias científicas e técnicas.

Em 1 de dezembro de 2007 criava-se em Santiago de Compostela a Associação Cultural Pró AGLP participando o seu presidente, Ângelo Cristóvão, em 7 de abril de 2008, na Conferência Internacional de Lisboa sobre o Acordo Ortográfico, realizada na Assembleia da República, em que também estiveram presentes outras entidades galegas (AGAL, MDL e ASPG-P) que compartilham igual conceção da língua comum e da Lusofonia. Desta forma, dava continuidade à posição galega a favor da unidade da língua, manifestada nos Acordos do Rio de Janeiro e Lisboa.

A sessão inaugural da Academia Galega da Língua Portuguesa teve lugar em 6 de outubro de 2008, em Santiago de Compostela. Desde então, mantém contacto frequente com instituições galegas e de fora da Galiza.

Na sede da Academia das Ciências de Lisboa, em 14 de abril de 2009, na altura do lançamento do Vocabulário Ortográfico da Academia Brasileira de Letras, o presidente da academia galega, José-Martinho Montero Santalha apresentou o Léxico da Galiza para ser integrado no Vocabulário Ortográfico Comum da Língua Portuguesa. Trata-se de uma escolha de vocábulos de uso corrente na língua oral ou na escrita literária, que ainda não estavam recolhidas nos dicionários da língua portuguesa. A responsabilidade deste trabalho correspondeu à Comissão de Lexicologia e Lexicografia, integrada por alguns dos mais conhecidos especialistas galegos. Montero Santalha, catedrático da Universidade de Vigo, reafirmava nessa altura a importância do Acordo Ortográfico como garante da unidade da língua escrita, que nos permite aos galegos a comunicação com mais de 220 milhões de pessoas. Como dizia o político e escritor Castelão, pai da Pátria Galega, em meados do século XX, a nossa língua é extensa e útil.

Em 5 de outubro de 2009 a Academia realizou em Santiago de Compostela o I Seminário de Lexicologia, com a participação dos académicos portugueses Adriano Moreira, Artur Anselmo e Malaca Casteleiro (da ACL), Maria de Lourdes Crispim e Maria Francisca Xavier (Universidade Nova de Lisboa), galegos (Álvaro Iriarte Sanromán, Isaac Estraviz e Martinho Montero Santalha) e o brasileiro Evanildo Cavalcante Bechara.

O Seminário de Lexicologia é um lugar de encontro que marca desenvolvimentos futuros num ambiente de cooperação e unidade. Foi neste evento que o professor Malaca Casteleiro apresentou o Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa da Porto Editora, que integra o contributo lexical galego, mais de 800 palavras comuns na Galiza. Nessa altura, o professor Evanildo Bechara anunciou a inclusão, na próxima edição do Vocabulário da ABL, do contributo lexical da Galiza. Por sua vez, o académico Artur Anselmo, Presidente do Instituto de Lexicologia e Lexicografia da Academia das Ciências de Lisboa, comunicou que a terceira edição do Vocabulário da ACL incluirá também o léxico galego.

No breve espaço de vida da nossa instituição, assinamos em abril de 2009 um protocolo de Colaboração com os Colóquios Açorianos da Lusofonia, que acolheu e promoveu no seu seio o nascimento da nossa Academia, com a Sociedade de Geografia de Lisboa, e com a Universidade Aberta de Lisboa. Em aplicação do Acordo com esta última entidade, assinado em 5 de outubro de 2009, a UAb abrirá, durante este ano, o seu primeiro Centro Local de Aprendizagem fora de Portugal, na Galiza. A AGLP vai assinar também, em breve, um protocolo com o Real Gabinete Português de Leitura, com a Comissão Interpaíses Brasil-Portugal e Países de Língua Oficial Portuguesa, com a Associação Brasileira de Linguística, e com o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro.

Cabe indicar também que a Academia criou, em janeiro de 2009, uma Delegação no Brasil, sob a responsabilidade do professor Joám Evans Pim. O seu trabalho se verá continuado pelo Instituto Cultural Brasil-Galiza, criado sob os auspícios da AGLP, e que será lançado publicamente no dia 31 de março, em Florianópolis.

Exmas. Senhoras, Exmos. senhores: Vimos à Academia Brasileira de Letras com a maior vontade de colaboração. Na ocasião, apresento o terceiro número do Boletim da nossa academia, e a edição dos Cantares Galegos de Rosalia de Castro, adaptado ao Acordo Ortográfico, que constitui o primeiro volume da nossa Coleção de Clássicos da Galiza.

O professor Bechara participou nas palestras que organizou o grupo promotor da academia galega na Faculdade de Filologia da Universidade de Santiago, junto do professor Malaca Casteleiro, em outubro de 2007. Representou à Academia Brasileira de Letras na Sessão Inaugural da AGLP em 6 de outubro de 2008, como também no Seminário de Lexicologia realizado em 5 de outubro de 2009. Destarte anima, desde a primeira hora, o nascimento da nossa instituição, trazendo o apoio da centenária academia brasileira à mais jovem entre as academias da língua portuguesa. A AGLP quer render, desta forma, a sua homenagem ao intelectual e à figura humana deste brasileiro universal.

Não posso finalizar esta intervenção sem agradecer vivamente a oportunidade de me apresentar e representar a Galiza no Brasil. Uma Galiza moderna, renascida na melhor tradição cultural e cívica, na mais genuína tradição galega, a que nos leva à integração no espaço lusófono mantendo a nossa identidade linguística, o nosso léxico, as nossas pronúncias e a nossa literatura. Da nossa esquina atlântica vimos oferecer ao Brasil a nossa cooperação e o nosso compromisso de defesa da língua comum, na velha Gallaecia nascida.

Muito obrigada.

Mais informação:

Publicado em Info Atualidade

Escola Popular Galega

O passado sábado 12 de fevereiro, às 17h30 da tarde, inaugurou-se a Biblioteca Popular da Escola Popular Galega,  situada na Rua Real nº 12 (Vigo),  no mesmo edifício onde a 17 de maio de 1863 se imprimia pela primeira vez o livro Cantares Galegos de Rosália de Castro .

Publicado em Info Atualidade
sexta-feira, 03 junho 2011 01:19

Rousia, Concha (1962)

Concha Rousia

Concha Rousia

É vice-secretária da Comissão Executiva da Academia Galega da Língua Portuguesa, do Conselho de Redação e Administração do Boletim da AGLP.

Nasceu em Covas (Os Brancos, Galiza). Psicoterapeuta, é licenciada, desde 1995, em psicologia pela Universidade de Santiago de Compostela, na especialidade em psicologia clínica. Master in Science, Marriage and Family Therapy, Universidade de Maryland, Estados Unidos, 1999. Tese de graduação intitulada Multilingualism and psychotherapy.

Entre as suas publicações destacam-se: As Sete Fontes (2005), romance publicado em formato e-book pela editora digital portuguesa ArcosOnline (www.arcosonline.com), Arcos de Valdevez, Portugal; «Dez x Dez» (2006), Antologia poética, Abrente Editora (Galiza); «Cem Vaga-lumes» (2006), obra composta por 16 haikais premiados e publicados pelo Concelho de Ames; «Herança» (2007), conto publicado em Rascunho (Jornal de literatura do Brasil), Curitiba, Brasil; Primeira Antologia do Momento Lítero Cultural (2007), em formato digital, Porto Velho, Brasil; Nas Águas do Verso. Antologia (2008), Porto, Portugal; Antologia do XXII Festival de Poesia do Condado (2008), Gráficas Juvia; Poeta, Mostra a tua Cara. Antologia (2008), Rio Grande do Sul, Brasil; Volume 7 da Coleção Poesia do Brasil, correspondente ao XV Congresso Brasileiro de Poesia, que se celebra em Bento Gonçalves, Rio Grande do Sul, Brasil; «Um dia» (2006), publicado em A Nosa Terra. Análise da violência de género; «Agora Já Não é Nada: Narrativa da desfeita» (2007), Lethes. É uma análise do significado da perda das funções que mantinham os espaços comunitários que desapareceram com a desarticulação da cultura tradicional.

Publicou poemas e outros textos nas revistas e jornais: Agália, A Folha da Fouce, Novas da Galiza, Galicia Hoxe, A Nosa Terra, Portal Galego da Língua, Vieiros, Momento Lítero Cultural.

Prémio de Narrativa (2004), do Concelho de Marim, Galiza; Prémio de poesia (2005), do Concelho Ames, Galiza; Certame Literário Feminista do Condado (2006), Galiza, com o romance A Língua de Joana C.

Publicado em Membros Numerários