×

Alerta

JUser: :_load: Não foi possível carregar o utilizador com o ID: 62
quinta-feira, 20 agosto 2009 12:04

"Galiza: Língua e Sociedade", um pretexto com futuro

Apresentação na Crunha

Apresentação na Feira do Livro da Corunha

Isabel Rei Sanmartim - No crunhês bairro da Pescadaria, entre o Porto e a rua de Santo André, num extremo do parque de Mendes Nunes, lugar onde durante vários dias sediou a anual Feira do Livro da Crunha, decorreu o passado 10 de agosto a última das apresentações deste verão da Academia Galega da Língua Portuguesa.

O ato foi uma reivindicação do antigo galeguismo crunhês, hoje oculto pelas vidraças grisalhas dos edifícios das grandes fundações espanholas que tomaram o espaço antes destinado às relações comerciais entre os galegos do mar e da terra.

Aguardávamos no local das apresentações e não o víamos, mas o Atlântico batia no porto com a calma amortecida do oceano que chega mansinho à sua ribeira, sabedor de que um conjuro contra os defenestradores da Galiza estava argalhando-se não muito longe das suas ondas.

Começou o ato arredor das 20h45, uns quinze minutos depois da hora prevista, porque as apresentações anteriores rematavam com o recitado de sonetos, essas formas clássicas italianas da modernidade que aqui chegaram, à terra da lírica galego-portuguesa tão galega ela, tão incompreensível para aqueles que insistem em não nos entender.

E foi por esse motivo que o ato demorou até quase as dez da noite, depois das apresentações devidas realizadas pelo académico e minucioso investigador Fernando Vásquez Corredoira, que traçou a pouco conhecida para as massas, mas brilhante e fundamental linha de estudos dos académicos Ernesto Vázquez Souza e António Gil Hernández, co-autores da obra.

António Gil Hernández, Fernando Vásquez Corredoira e Ernesto Vázquez Souza

António Gil Hernández, Fernando Vásquez Corredoira
e Ernesto Vázquez Souza

O primeiro, que estava no bairro da sua infância, falou da Academia e lembrou os passeios com o seu avô, que foi quem lhe ensinou a arte de reclamar o que é nosso por direito de humanidade. O segundo, era o editor do livro que se apresentava, ainda não o disse? o Galiza: Língua e Sociedade, anexo I do Boletim da Academia, isto é, um produto mais da sua atividade em prol da terra que também é sua por direito, apesar de ele ser filho natural de Castela, facto que ainda nos honra mais aos naturais da Galiza e da Lusofonia toda.

E foi nisto em que estávamos, eu tirando fotos quase hiperativa, com as idas e vindas para diante, para trás, de dentro, de fora, o que me deu uma boa perspetiva do público: assistiu gente desconhecida, familiares e também antigos companheiros e companheiras de aventuras, da mesma cidade e de fora dela, reunidos dando vida aos espíritos galeguistas de outros tempos, emocionados (adverti) por ver os três amigos oradores, de gerações diferentes, defender com firmeza a revolucionária ideia da ação cidadã, de tomar nas nossas mãos o leme da história e fazer da nossa terra, nosso ser, ser nossa em reciprocidade necessária, inequívoca e apremiante.

Era o último evento do mês de agosto na agenda da Academia Galega da Língua Portuguesa e toque final a um percurso que nos levou a participar nas feiras do livro de Vigo e da Crunha, graças à colaboração da Federación de Libreiros de Galicia, nomeadamente de Antonio Fernández Maira, e a ajuda e interesse dos próprios livreiros, muitos dos quais nos ofereceram um apoio inestimável.

Não vamos esquecer a amabilidade de Xaime, da Andel de Vigo, por exemplo. Ou a calorosa acolhida na livraria O Pontillón de Moanha. A oportunidade da apresentação na livraria Orfeu, em Bruxelas. A grata visita que fizemos à Torga, em Ourense, ou as amostras deixadas na Couceiro de Compostela e da Crunha, e na Xiada, também da Crunha. E na outra Couceiro, a também crunhesa livraria M. Couceiro.

Estivemos no Festigal de Compostela, onde o livreiro Pedreira nos arranjou um local para mostrar a nossa produção, vender alguns livros e obsequiar outros. Mas, sobretudo, pudemos estar presentes e criar mundo, que ninguém dos que por lá passou deixou de levar informação suficiente para começar a sair do tobo alienante dividido em quatro províncias, esse galpão mental ou gaiola de quatro ferros que construíram para nós desde o longe.

E também alimentámos na medida do possível as bibliotecas da nossa base social. Por enquanto, nos centros sociais da Gentalha do Pichel, em Compostela, da Esmorga, em Ourense e da Fundaçom Artábria, em Ferrol podem consultar-se gratuitamente as publicações da Academia Galega e as atividades da Associação Cultural  Pró AGLP. Mas isto é só o começo, como dissemos um dia, logo haverá mais visitas a centros sociais e o espalhamento da consciência cívica terá ainda mais argumentos para se fortalecer e dar os frutos em terra própria.

A história faz-se cada dia, somos nós, sim, Nós, a fazê-la. O nosso tecido arterial está em expansão, como o universo, e as estrelas que levamos na frente ainda estão por dar os maiores e melhores cantares dos nossos bicos.

Ler 3156 vezes