Info Atualidade (366)

segunda-feira, 21 setembro 2009 02:00

8º Colóquio Anual da Lusofonia

Colóquios da LusofoniaPGL – De 30 de setembro a 2 de outubro de 2009 terá lugar em Bragança o 8º Colóquio Anual da Lusofonia, 12º no total, em que se juntarám as três Academias de Língua Portuguesa. Mais um ano, será notável a presença galega, com seis oradores.

Presentes no Anfiteatro Dr. Paulo Quintela de Bragança (Portugal) estarám Adriano Moreira (Vice-Presidente da Academia de Ciências de Lisboa), que se junta aos Patronos dos Colóquios desde 2007 João Malaca Casteleiro (Classe de Letras, 2ª Secçom – Filologia e Linguística, da Academia de Ciências de Lisboa), e Evanildo Bechara (Academia Brasileira de Letras) e onde estarám também o convidado de 2009, escritor Dr. Cristóvão de Aguiar, e o Dr. Ângelo Cristóvão (da Academia Galega da Língua Portuguesa).

Entre outros actos, o 8º Colóquio acolherá umha sessom especial sobre literatura (de matriz açoriana) e traduçom na que participarám Cristóvão Aguiar, Rosário Girão, Zélia Borges, Ilyana Chalakova e Chrys Chrystello. A ediçom deste ano, conta ademais com 47 oradores e dezenas de presenciais representando os seguintes países, regiões e universidades: Portugal (19), Brasil (12), Galiza (6), Açores (4), Bélgica (1), Macau R. P. China (1), Espanha (1), Bulgária (1), Nigéria (1), Ucrânia (1) e Roménia (1).

Haverá tempo ainda para a apresentaçom e lançamento de livros, integrados numha mostra de obras açorianas, havendo música açoriana, música galega, duas representaçons teatrais de Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Catarina, Brasil e sessons de poesia (galega, portuguesa e brasileira).

Finalmente, debaterám-se propostas e projectos dos Colóquios: Planos de Acçom/Conclusons. Propostas/Projectos para 2010, Museu Virtual da Lusofonia/Língua, Acordo Ortográfico, Diciopédia, Crioulos de Origem Portuguesa, Estudos Açorianos, Estudos Transmontanos, o 13º Colóquio de 2010 em santa Catarina no Brasil  etc.

Oferecemos a seguir a listagem de temas em debate:

1. Homenagem contra o esquecimento (Autores sugeridos)

1.1. Carolina Michaёlis

1.2. Leite de Vasconcellos

1.3. Euclides da Cunha

1.4. Agostinho da Silva

1.5.Rosalía de Castro

1.6. Gulamo Khan (Moçambique 1952-1986)

1.7. Outros autores esquecidos


2. Lusofonias:

2.1. Debate sobre questons e raízes da Lusofonia.

2.2. A vigência do 2º Protocolo Modificativo do Acordo Ortográfico de 1990

2.3. Promoçom da Língua Portuguesa (2ª língua/língua estrangeira)

2.4. Ponto da Situaçom da Língua Portuguesa no Mundo.

2.5. Léxicos da Lusofonia.

2.6. Lusofonias e Insularidades

2.7. Criaçom de umha base de dados sobre Estudos de Crioulos da Língua Portuguesa


3. Traduçom:

3.1. Traduçom de autores portugueses

3.2. Tradutores de Português e Tradutores para Português

3.3 Traduçom e  novas tecnologias

 

4. Propostas de dinamizaçom dos projectos dos Colóquios da Lusofonia:

4.1. Diciopédia

4.2. Crioulos de origem portuguesa, criaçom de umha base de dados

4.3. Museu da língua/museu virtual da lusofonia

4.4. Estudos açorianos na Unisul (universidade do sul de santa catarina)

4.5 Estudos transmontanos

 

Colóquios da LusofoniaPGL - Desde o dia 2 de Outubro, até ao domingo, dia 5, irám decorrer em Bragança os Colóquios da Lusofonia, que atingem já a sua 7ª ediçom. O tema central deste ano está subordinado ao título ''A Língua Portuguesa e Crioulos: um enriquecimento biunívoco''. A organizaçom do evento conta com a colaboraçom da Associação de Amizade Galiza e Portugal.

Relativamente à participaçom galega, marcarám presença Ângelo Cristóvão, com a comunicaçom «O processo de criação da Academia Galega da Língua Portuguesa» (sessom 5, dia 4, 11h45); António Gil Hernández, com o trabalho «Crioulo institucionalizado contra português galego (ou português da Galiza): reflexões desde o nome dado à Galiza pelas instituições do ‘Reino de Espanha» (sessom 5, dia 4, 12h05); José Manuel Barbosa, que apresentará «Alguns aspectos a salientar da (pré-)história da língua» (sessom 8, dia 5, 10h10); e Artur Alonso Novelhe, que falará sobre «Um novo olhar sobre a poesia galega» (sessom 9, dia 5, 11h15).

Ainda, e na sequência das actividades paralelas que oferecem os Colóquios da Lusofonia, no dia 2 está agendado um recital de música folclórica da Galiza, e no dia 4 actuarám o Clube dos Poetas Vivos. Ambas actividades marcadas para as 21h15.

Para se informar do programa completo a organizaçom tem disponibilizada uma página web com abundante material para descarregar e informaçom pormenorizada do evento.

Fonte original:

 

Colóquios da LusofoniaPGL – Entre os dias 5 e 9 de Abril, Açorianópolis (Florianópolis) recebe as 3 Academias de Língua Portuguesa para debater a Açorianidade e a Literatura Açoriana sob o signo do novo acordo ortográfico.

O evento, que está na sua 13ª edição, acontece desde 2001 nos Açores e em Bragança, Portugal. Desta vez, terá lugar em Florianópolis, no Brasil.

O Açorianópolis, que terá suas atividades concentradas no Teatro Pedro Ivo, na SC-401, contará com a presença dos professores Doutores  João Malaca Casteleiro (Classe de Letras, 2ª Secção – Filologia e Linguística, da Academia de Ciências de Lisboa), e Evanildo Cavalcante Bechara (Academia Brasileira de Letras) patronos dos Colóquios e representantes da Academia Galega da Língua Portuguesa.

A participação de 2010 conta com 53 oradores e dezenas de participantes presenciais representando os Açores, Austrália, Brasil, Bélgica, Canadá, França, Galiza, Rússia, Macau, Moçambique e Portugal. Igualmente de salientar a presença numa sessão sobre literatura de matriz açoriana do escritor convidado Vasco Pereira da Dosta.

Mais um ano, a Galiza estará presente nos colóquios

No evento, poderá ser presenciado o lançamento de seis livros, integrados numa mostra de autores e obras açorianas, havendo música açoriana, fado, sessão de poesia (Açores, Galiza e Brasil), três representações teatrais entre várias atividades integradas no corpo das sessões.

Nesta linha, os organizadores apontam: «Pretendemos levar os Açores ao mundo. Independentemente da sua Açorianidade, mas por via dela, pretendemos que mais lusofalantes e lusófilos fiquem a conhecer esta realidade com todas as suas peculiaridades, trazendo aos Açores outras vozes para que desse intercâmbio se possa difundir a verdadeira cultura açoriana».

Os Colóquios, desta feita no Brasil

A realização do Açorianópolis – em alusão ao colóquio acontecer em Florianópolis – foi possível através de acordo firmado com o governo de Santa Catarina, e pela primeira vez o evento sairá das terras portuguesas e açorianas, vindo para o Brasil. Dentro da programação, a comitiva oficial deverá visitar bairros de colonização açoriana como Pântano do Sul, Ribeirão da Ilha e Santo Antônio de Lisboa, além das fortalezas mantidas pela UFSC. O Núcleo de Estudos Açorianos (NEA) da Universidade também receberá os participantes.

Fonte original:

Signum: International Society for Mark Studies

A AGLP vem de apoiar o estabelecimento the "Signum: International Society for Mark Studies" (Sociedade Internacional para o Estudo das Marcas), uma associação cooperativa transdisciplinar centrada na pesquisa sobre marcas não linguísticas, com especial interesse para a compreensão das origens do fenómeno da escrita nas sociedades humanas.

sexta-feira, 27 agosto 2010 02:00

Português da Galiza no FLiP 8

Ângelo Cristóvão

Ângelo Cristóvão (*)

Desde 1 de agosto está à venda a oitava atualização do reconhecido programa FLiP, da empresa Priberam Informática, com sede em Lisboa. Como novidades destacadas, a nova versão permite o seu uso com o pacote de programas OpenOffice, introduz o Dicionário Priberam e outras variedades nacionais da língua.

Além das tradicionais de Portugal e do Brasil também aparecem as de Angola, Cabo Verde, Galiza, Guiné-Bissau, Macau, Moçambique, São Tomé e Timor.

Duas observações devem ser feitas num primeiro momento. Por um lado, há um efeito simbólico ao aparecerem, na opção de configuração, as bandeiras desses países entre as “variedades de português”. Por outro, representa uma mudança na forma de perceber a língua. Onde antes eram reconhecidos dous atores principais, agora abre-se a porta, definitivamente, à diversidade, o que não porá em risco a unidade da língua. Estas novas opções inscrevem-se dentro do português europeu, o que obedece à história.

Os leitores atentos sabem que estas mudanças têm muito a ver com a aplicação do Acordo Ortográfico de 1990, em que participou uma Delegação de Observadores da Galiza. Com efeito, é o contexto em que se está a criar esta nova forma descentralizada de conceber o português. Poderia dizer-se também que a Priberam não quer ficar à margem da evolução da língua. O FLiP 8, ao integrar novas variedades, aproxima-se dos mercados destes países, entre os quais uma potência africana emergente como Angola. Por outro lado, a simbiose do FLiP com o pacote Office da Microsoft facilita também o reconhecimento e divulgação dessas variedades da língua comum.

Captura de ecrã do FLiP 8

Captura de ecrã do FLiP 8, com a variedade galega no menu de opções

A inclusão de léxico da Galiza no FLiP 8 responde ao trabalho da Comissão de Lexicologia e Lexicografia da Academia Galega da Língua Portuguesa, entidade criada em 20 de setembro de 2008, e cujo Léxico da Galiza, com mais de 1200 entradas, está a ser integrado em vocabulários e dicionários de uso geral. O Protocolo de Cooperação assinado com a Priberam implica que mais conteúdos diferenciais do português galego serão acrescentados à língua comum através dos produtos desta empresa.

O reconhecimento da Academia das Ciências de Lisboa e a Academia Brasileira de Letras, a participação em eventos internacionais, assim como as relações estabelecidas nos últimos 12 meses com mais de 20 instituições de todo o espaço lusófono, são o principal aval à atuação da AGLP, que vai ocupar o lugar de destaque que lhe corresponde na elaboração da norma galega do português, e na representação do nosso pais no âmbito académico internacional.

As importantes novidades produzidas pelo reintegracionismo linguístico nos últimos anos, e a multiplicação das suas atividades em todos os âmbitos da sociedade galega, são um sintoma claro da sua capacidade e maturidade, demonstrando a cada passo estar em condições de adquirir um maior protagonismo, nomeadamente no desenho das políticas linguísticas. Neste sentido, a colaboração entre a Academia e as associações culturais, desde o respetivo âmbito de atuação institucional e de responsabilidade social, deve continuar a ser um facto quotidiano, vistos os resultados positivos de que já todos temos conhecimento.

(*) Ângelo Cristóvão é secretário da Academia Galega da Língua Portuguesa.

Fonte original:

Logótipo da Organização Mundial de Meteorologia

Conforme noticia a Rádio ONU, o português passou a ser uma língua de trabalho da Organização Mundial de Meteorologia, OMM. O anúncio foi feito durante o 16º Congresso da OMM, nesta quarta-feira, em Genebra.


A Academia Galega da Língua Portuguesa aderiu ao Conselho das Academias de Língua Portuguesa que, presidido pelo professor Doutor Adriano Moreira, reúne as academias portuguesas de História, Medicina, Marinha, Engenharia e Belas Artes, bem como a Academia das Ciências de Lisboa, Sociedade de Geografia de Lisboa, Academia Internacional da Cultura Portuguesa e Sociedade da Língua Portuguesa.

Capa dos números 9-10 de "*asteriskos" 

A Quinta Reunião Plenária da Academia Galega da Língua Portuguesa, que teve lugar em Santiago de Compostela em 26 de junho de 2010, acordou criar a figura dos Institutos Associados bem como a da Comissão de Relações Internacionais (CRI). A primeira entidade associada foi o Instituto Galego de Estudos de Segurança Internacional e da Paz (IGESIP), com que a CRI passou a colaborar nos âmbitos de interesse comum.

Logo da Federação de Sociedades Galegas da República Argentina

A Academia Galega da Língua Portuguesa vem de assinar um protocolo de colaboração e apoio recíproco com a Federação de Sociedades Galegas da República Argentina, uma das entidades mais representativas da diáspora galega na América do Sul.

sábado, 21 maio 2011 13:35

Guerra da Cal homenageado em Compostela

Ato de homenagem a Ernesto Guerra da Cal

No passado 17 de maio, dia em que a Galiza festeja o Dia das Letras, realizou-se em Santiago de Compostela uma homenagem pública ao professor, investigador e poeta galego Ernesto Guerra da Cal (Ferrol, 1911 – Lisboa, 1994), que decorreu ao pé do monumento ao professor Ricardo Carvalho Calero.

Pág. 15 de 27