Info Atualidade (374)


A Academia Galega da Língua Portuguesa aderiu ao Conselho das Academias de Língua Portuguesa que, presidido pelo professor Doutor Adriano Moreira, reúne as academias portuguesas de História, Medicina, Marinha, Engenharia e Belas Artes, bem como a Academia das Ciências de Lisboa, Sociedade de Geografia de Lisboa, Academia Internacional da Cultura Portuguesa e Sociedade da Língua Portuguesa.

Capa dos números 9-10 de "*asteriskos" 

A Quinta Reunião Plenária da Academia Galega da Língua Portuguesa, que teve lugar em Santiago de Compostela em 26 de junho de 2010, acordou criar a figura dos Institutos Associados bem como a da Comissão de Relações Internacionais (CRI). A primeira entidade associada foi o Instituto Galego de Estudos de Segurança Internacional e da Paz (IGESIP), com que a CRI passou a colaborar nos âmbitos de interesse comum.

Logo da Federação de Sociedades Galegas da República Argentina

A Academia Galega da Língua Portuguesa vem de assinar um protocolo de colaboração e apoio recíproco com a Federação de Sociedades Galegas da República Argentina, uma das entidades mais representativas da diáspora galega na América do Sul.

sábado, 21 maio 2011 13:35

Guerra da Cal homenageado em Compostela

Ato de homenagem a Ernesto Guerra da Cal

No passado 17 de maio, dia em que a Galiza festeja o Dia das Letras, realizou-se em Santiago de Compostela uma homenagem pública ao professor, investigador e poeta galego Ernesto Guerra da Cal (Ferrol, 1911 – Lisboa, 1994), que decorreu ao pé do monumento ao professor Ricardo Carvalho Calero.

quinta-feira, 19 maio 2011 23:00

O professor Higino Martins na Galiza

Higino Martins, no centro, num jantar em Compostela

Como já informámos anteriormente, o académico Higino Martins Esteves, galego na diáspora argentina, acudiu como relator ao III Congresso Internacional sobre a Cultura Celta, «Os Celtas da Europa Atlântica», celebrado em Narom nos dias 15-17 de abril e organizado pelo Instituto Galego de Estudos Célticos (IGEC), em cujo Comité Científico figuram os académicos da AGLP Joám Evans Pim e o próprio Higino Martins.

quarta-feira, 11 agosto 2010 02:00

O grande êxito da AGLP

Artur Alonso Novelhe assinando um exemplar do poemário "Filhos da Brêtema"

Artur Alonso Novelhe

Com o decorrer dos anos, na Galiza a escolha lingüística, a nosso ver, esta encadeada num futuro quase imediato, a duas tendências complementares ou contrapostas e em harmonia ou em confronto: o Castelhano e o Galego do Acordo Ortográfico.

A norma isolacionista não tem futuro num mundo globalizado e, a Galiza não tem nenhum interesse e oporem-se a mundialização, antes tudo o contrário, dada a sua condição de país atlântico e raiz cultural compartilhada com povos celtas e lusófonos.

Tendo em conta que são as elites dominantes e os grupos de pressão social, mas não os povos, os orientadores das políticas econômicas, educativas e culturais a serem implementadas, em um determinado período conforme os seus interesses, aguardar pela resistência medúlica ou desafio irreverente dum povo firmemente solapado trás os seus costumes, funciona no máximo, para um par de gerações.

Ao verificar-se e consolidar-se uma determinada onda dirigida, as mudanças tornam-se inevitáveis e os povos pouco mais tem a aguardar que a morte ou adaptação à nova realidade. Aliás, muitos desconfiamos dos povos como protagonistas determinantes do processo histórico.

O trabalho, o movimento feminista, o ecologista, o agrarista, a aristocracia, o Capital... sim têm protagonizado capítulos da história, com maior ou menor sucesso, mesmo confrontos muito violentos com forças que lhe eram antagônicas, como as lutas entre capital e trabalho, durante os séculos XIX e XX.
Mas os povos não deixaram de ser guiados e cativados por determinados ideais, por certas correntes em expansão, e empurrados ou dirigidos pelas elites que as representavam, a fim de impulsionar um processo determinado, mais renovador, mais conservador, mas social ou grupal.

Segundo o desenvolvimento lógico galego, desde a derrota de 1936, que deu ao movimento galeguista a ultima oportunidade de reverter a consolidação dum modelo alheio as necessidades e peculiaridades do território galego, e mais tardiamente com a implantação do modelo autonômico e superação atrasada do franquismo, a consolidação do castelhano na Galiza é hoje uma realidade imutável. E mais a tendência a expandir-se até os últimos redutos rurais onde o galego vigorava com caráter de principal comunicador, e pela contra a tendência lógica a contração do nosso idioma ate nos últimos redutos virgens mais afastados da geografia pátria, é hoje um fato, acelerado a nosso entender graças às formidáveis ferramentas globais com que conta o castelhano, incluindo a mídia de referência hispana.

Nem o muito bem organizando, ainda que fraco e muitas vezes divido movimento reintegracionista, podia aguardar mais além que manter um facho aceso em meio da densa névoa, com a esperança de escampar num longínquo amanhecer esta longa noite de brêtema.  
A sorte dava no máximo aos galegos e galegas a oportunidade de se virar para o padrão português, como variante lingüística do mesmo tronco comum, para aproveitar as facilidades que este podia fornecer, a todos os níveis da evidência: cinema, música, literatura, viagens, estudos, trabalho...

Mas agora com o vigorar do Novo Acordo Ortográfico em toda a lusofonia ou galeguia, e com a atitude estrategicamente inovadora da AGLP, ao introduzirem nos dicionários lusófonos léxico autóctone da Galiza, aos cidadãos e cidadãs galegas abrem-se novos e largos horizontes: por um lado, o reconhecimento de pleno direito da pertença a uma comunidade muito mais ampla e ativa do que as quatro províncias e comarcas a que muitos quiseram ver a fala restrita; o agradecimento e empatia por parte dos nossos irmãos lingüísticos de todos os cantos do planeta, ao irem descobrindo aos poucos ser a velha Gallaecia o berço da sua língua (da nossa língua comum) e a necessidade de juntos cuidarmos este patrimônio, assim como o florescimento da mesma na terra que a viu nascer, pois bem sabido é que se esta flor galega murchasse todas as raízes idiomáticas ficariam enfraquecidas.

  • Por outra banda, a possibilidade de escolha preferencial para nossa comunicação individual e coletiva, dentro e fora das nossas fronteiras.
  • A capacidade de potenciação dos poderes culturais e econômicos, se souberem aproveitar a grande riqueza que este universo comum fornece de imediato.
  • A criação duma consciência social orgulhosa da sua identidade, não excludente, mas tampouco auto-excluída.
  • A nova perspectiva dos grupos de presencia cívica e luta social ou ambiental, para ampliar seu âmbito de relação e reivindicação na sua própria língua nativa.
  • Além das oportunidades que para a Galiza em conjunto teria, se as soubesse aproveitar, as redes de comunicação lusófona, como a futura implementação da TV global lusófona, com o patrocínio de Portugal, Angola e o Brasil, e onde, de um jeito ou outro, a Galiza terá de ter presença.

Se em algum momento da nossa historia coletiva futura esta tendência galega mundial que agora estamos a construir abrolhar, com segurança muito poucos hão de lembrar que tudo isto começou graças a um pequeno grupo de pessoas, ativistas, intelectuais, acadêmicos, artistas... que em torno da AGLP, e junto ao trabalho incansável e não remunerado da Comissão Lexicográfica da mesma, tiveram a coragem de colocar o galego a par das outras variantes faladas pelos nossos irmãos de aquém e alem os mares.

A maiores da alegria e amor com estes irmãos e irmãs sempre nos receberam, de mãos dadas e braços abertos, considerando sempre em qualquer tipo de evento onde a Galiza esteve representada, que nós os galegos e galegas, sempre tínhamos algo de interesse a dizer.

Seja, pois este artigo uma humilde homenagem a todos estes homens e mulheres que formaram no seu coração a semente da salvação de toda uma cultura e uma universal identidade.

Fonte original:

quarta-feira, 11 agosto 2010 02:00

José Ramom Pichel parabeniza trabalho da AGLP

José Ramom Pichel Campos

O Portal Galego da Língua reproduz um interessante artigo assinado pelo empresário José Ramom Pichel Campos e publicado há uns dias no jornal Galicia Hoxe. O artigo, sob o título "Flipando" ("Alucinando"), parabeniza o trabalho da Academia Galega bem como a sua estratégia a respeito da língua.

É bem sabido que desde os anos 80 a estratégia maioritária dentro dos defensores da nossa língua é que o galego é uma língua independente do português de Portugal e também do português do Brasil. Embora inicialmente a força dos que defendiam que o galego é uma variante genuína e a matriz do resto de variantes portuguesa e brasileira, era bastante importante, essa força foi diminuindo embora esteja agora a viver um segundo renascimento. Mas eu venho falar de tecnologia.

É Agosto, fai calor e duas notícias estão a passar desapercebidas em muitos jornais em papel e também nos meios audiovisuais. A Academia Galega da Língua Portuguesa, uma associação da sociedade civil integramente formada por galegos e galegas que promovem essa estratégia luso-brasileira para o falado na Galiza conseguiu incluir 1.200 palavras galegas nos dicionários das Academias Portuguesa e Brasileira, e também no corretor ortográfico da maior empresa de tecnologia linguística de Portugal chamada Priberam.

Vou repetir doutro jeito para explicar-me melhor. Imaginemos que existe uma Academia da Língua na Galiza que fai que em Itália ou na França incluam 1.200 palavras galegas nos seus dicionários e que digam que a partir dai esses termos pertencem ao italiano ou ao francês. O que significaria em termos práticos? Em primeiro lugar, Itália e França estaria dizendo que o galego é uma forma válida do italiano ou do francês. Em segundo lugar, significaria que quando uma pessoa quer aprender italiano ou francês vai aprender que palavras como: angueira, arela, argalhar, balor, balorento, cachelo, croio, cóxegas, esmendrelhar, espido, fervença, langrao, malpocado, teito, xurdir, xenreira, zaragalhada, hô!, etc. também são italiano ou francês.

Pois bem, a AGLP acaba de conseguir que essas palavras se incluam nos dicionários de Portugal e do Brasil, o que significa de fato que Portugal e Brasil reconhecem que o galego é uma forma tão genuína e tão válida do idioma conhecido internacionalmente como português, como as variantes portuguesa e brasileira. A Priberam portuguesa acaba de incluir no melhor corretor ortográfico de Portugal e do Brasil chamado FLIP todos estes termos galegos como válidos para usar em qualquer texto que se gere na Lusofonia. A AGLP com menos de três anos de existência acaba de colocar o galego no grande mundo de possibilidades que nos espera, agora que a economia espanhola aponta claramente pola internacionalização e polo Brasil para sair desta crise. Flipante.

 Fonte original:

Carlos Amaral, administrador da Priberam

«O protocolo com a AGLP permite-nos alargar o nosso trabalho à variante galega do português»

E. Maragoto - A Priberam é umha empresa portuguesa especialista na concepçom e desenvolvimento de software, nomeadamente nas áreas lingüística, jurídica e da saúde. A mais conhecida delas é a primeira, que dispom de ferramentas para o uso correcto da língua.

O dicionário da Priberam, que vai incluir 1200 palavras galegas entre os seus verbetes na seqüência de um protocolo assinado com a Academia Galega da Língua Portuguesa (AGLP), é talvez o mais usado do mundo lusófono, registando um milhom de consultas diárias. Por enquanto, os termos galegos já fôrom integrados no Vocabulário da Priberam, e serám incorporados ao dicionário em breve. Segundo o administrador da empresa Carlos Amaral este seria só um primeiro passo na integraçom de mais conteúdos galegos, como fraseológicos ou sintácticos.

EM: A Galiza, com esta iniciativa, obtém um reconhecimento internacional inédito. O que vos motivou a dar o passo: estratégia comercial, sensibilidade para as diferentes variantes do português na seqüência do Acordo Ortográfico (AO) de 90 ou simplesmente a negociaçom de um protocolo com a AGLP?

Carlos Amaral: Em primeiro lugar a sensibilidade para as diferentes variantes do português e que é anterior ao AO. Como fornecedor das ferramentas de revisom para português da Microsoft, sabemos a responsabilidade que pesa sobre nós na promoçom e defesa da língua e temos procurado sensibilizar empresas como a Microsoft e a Apple, entre outras, para o facto de tal como os seus produtos prevêm 15 variantes de francês, 18 de inglês e 21 de espanhol, também o português nom se resume às variantes de Portugal e do Brasil. Para além destas duas variantes para as quais já temos produtos de referência como o FLiP e o Novo Corretor Aurélio, temos vindo a desenvolver algum trabalho noutras variantes e o protocolo com a AGLP permite-nos alargar o nosso trabalho a mais essa variante do português.

EM: Este passo é importante para a comunidade de fala galega em geral, mas sobretodo para quem defende que as falas galegas se devem grafar à portuguesa. Em que medida é consciente a Priberam disto?

CA: Quando fomos os primeiros a disponibilizar ferramentas de revisom com suporte para o Acordo Ortográfico, antecipando-nos ao lançamento dos primeiros vocabulários, sabíamos que iríamos ter apoiantes e críticos. Apesar disso figemolo mantendo umha posiçom neutra face ao AO e deixando a escolha da grafia a utilizar a todos os que utilizam os nossos produtos e serviços.

Os jornais que já adoptaram ou pensam vir a adoptar o AO utilizam o FLiP, o mesmo acontecendo em muitos outros que ainda nom o figérom. O nosso papel é facultar os meios necessários para escreverem bem em português independentemente da variante ou grafia. O protocolo com a AGLP também terá pessoas pró e outras contra mas se podemos ajudar mais um conjunto de pessoas, independentemente do seu número, a escrever bem português tendo em conta a sua especificidade, é isso que continuaremos a fazer, seja para quem quer escrever português na Galiza, em Timor-Leste ou em Macau.

EM: Na Galiza também há pessoas contrárias a essa convergência linguística com o outro lado do Minho. Já receberam críticas por esta iniciativa?

CA: Nom, até agora apenas felicitaçons.

EM: O Protocolo assinado com a AGLP nom pára por aqui. Em que se vai reflectir no futuro?

CA: O próximo passo é definir as palavras agora incluídas no Vocabulário Priberam no nosso Dicionário, o dicionário de língua portuguesa mais consultado hoje em dia. É um trabalho que já está a ser coordenado pela AGLP.

EM: Com um milhom de consultas diárias, que importáncia podem ter as visitas provenientes de um povo pequeno como é o da Galiza?

CA: A Priberam quer continuar a promover a língua portuguesa na sua diversidade através da disponibilizaçom de produtos e serviços à escala global. Somos a única empresa a disponibilizar esses mesmos produtos e serviços para as variantes de Portugal e do Brasil, pré e pós-AO. Mas queremos ir mais longe criando recursos específicos para todas as variantes do português.

Fonte original:

 Capa do "Sempre em Galiza"Capa da separata "Sempre Castelao"

Os académicos Fernando Vásquez Corredoira, Ernesto Vásquez Souza
e Luís Gonçales Blasco, "Foz" trabalharam nesta nova edição

PGL - O Sempre em Galiza inaugura a colecçom ATRAVÉS | DE NÓS da ATRAVÉS | EDITORA. A obra magna de Castelao apresenta-se agora na sua primeira versom na norma internacional portuguesa. Umha ediçom fruto do de professor Fernando Vásquez Corredoira, autor da adaptaçom, que contou com a colaboraçom de Ernesto Vásquez Souza para as notas a rodapé.

Miguel R. Penas, vice-presidente da AGAL e diretor da ATRAVÉS | EDITORA, afirma que estas anotaçons tornam a ediçom na mais completa e na mais útil para entender a obra no seu contexto sócio-político e histórico. Penas explica, ainda, que o Sempre é «um dos alicerces ideológicos em que se apoiou o nacionalismo galego para se reconstruir após a barbárie fascista que começou no ano 1936, e da qual ainda hoje padecemos conseqüências bem diretas na Galiza».

É este um livro fundamental para conhecermos a Galiza, para nos aproximar do nosso país e da sua História e para sermos capazes de interpretar o porquê de um movimento como o nacionalismo galego, o galeguismo político, que tem umhas caraterísticas próprias e que promove desde há quase cem anos a conceçom da Galiza como umha naçom.

O diretor da ATRAVÉS indica às e aos leitores da Galiza e de Portugal que devem reparar «em que estamos diante da obra que compila e mostra a amplitude do pensamento político de Alfonso Daniel Rodríguez Castelao. Umha figura totalmente desbordante da Galiza do século XX», porque Castelao, junto a Rosalia de Castro, «som duas personagens que escapam do plano meramente cultural, literário ou político para se tornarem em dous mitos populares galegos, isto é, duas figuras assimiladas totalmente polo imaginário coletivo do povo galego».

No caso concreto do autor rianjeiro, estamos perante um criador multifacetado, que construiu um espólio onde encontramos teatro, pintura, quadrinhos de jornais, relatos, romances... e um intenso trabalho político, chegando a ser deputado do Partido Galeguista (PG) nas cortes da IIª República espanhola. «É por tudo isto que a Associaçom Galega da Língua entendeu que a obra deste galego universal devia ser difundida ao máximo, e sobretudo no resto da Lusofonia, onde tantas vezes a Galiza passa por ser uma grande desconhecida», explica Penas.

O livro acompanha-se, ainda, de umha separata, Sempre Castelao, no qual tomam a palavra umha série de pessoas que som boa mostra da herança política que Castelao deixou ao povo galego. Camilo Nogueira, um dos redatores do anteprojeto de Estatuto de Autonomia de Galiza de 1981 e primeiro eurodeputado do Bloco Nacionalista Galego (BNG) de 1999 a 2004; Francisco Rodríguez, especialista em autores galegos como Curros Enríquez ou Rosalia de Castro, membro da Executiva do BNG e deputado no Congresso espanhol de 1996 a 2008; Xosé Manuel Beiras, economista, porta-voz nacional do BNG desde a sua fundaçom em 1982 até 2003 e porta-voz no Parlamento do BNG de 1985 até 2003; Margarita Ledo, catedrática de comunicaçom audiovisual da Universidade de Santiago e diretora do semanário A Nosa Terra de 1977 a 1980; Encarna Otero, professora de História e vice-presidenta do Concelho de Santiago de Compostela de 1999 até 2003; e Luís Gonçales Blasco 'Foz', membro da comissom linguística da AGAL e da Academia Galega da Língua Portuguesa; som vozes o suficientemente autorizadas para nos achegarem a figura de Castelao e a sua obra.

Fonte original:

sexta-feira, 30 julho 2010 02:00

Unindo passado e futuro: presentes no Festigal

 Concha Rousia

Concha Rousia

Se existisse o tempo, nossa seria a agulha de coser os dias, ou, como preferimos os de coração celta, de coser as noites, à luz da Lua, com a Coruja como testemunha e o Lobo guardando a distância.

Mas, mesmo o tempo sendo provavelmente um invento das nossas mentes, é nele que nos movemos, um tempo que medimos por minutos, por décadas, e mesmo por séculos, e ainda por vezes, por segundos... ora que alguns de nós temos que o medir por séculos de injustiças num relógio alheio, que espeta em nós as agulhas do tempo que eles sonham apenas seu, enquanto sentimos que nos matam, eles matam-nos mas nós morrer não morremos, pola contra, nós fazemo-nos mais fortes como ancestrais chineses que somos, mesmo não sendo chineses, mas sendo, sem nenhuma dúvida, o mesmo Ser.

E chegou o dia de celebrar Galiza, ou a noite, que para nós é a que une o 24 com o 25, e bem podia ser outra qualquer... Este ano, num contexto de desesperança polo cenário político no que sentimos desfazer-se o nosso mundo, com o feche dos jornais digitais Vieiros e Chuza, participamos nós como Instituto Cultural Brasil Galiza, por primeira vez no dia nacional da Galiza.

Fizemo-lo irmanados com a associação Pró-Academia Galega da Língua Portuguesa, que em certo modo é a mãe da AGLP, da mesma forma que o Instituto, é em parte, filho da AGLP; e fizemo-lo com uma mestiçagem dos dous mundos, harmonizando as duas beiras do mar, do mar que fala a nossa língua, como fala outras, porque o mar fala todas as línguas, todas cabem na boca salgada e infinda do mar... Esse mar que estava presente em nosso imaginário; ajudavam duas bandeiras, a do Brasil e a da Galiza, fazendo de velas movidas por um vento providencial, que batia em nossa nave, uma imensa e majestosa árvore que foi ademais refúgio face ao implacável sol de julho.

Na cantina da nossa nave servia-se uma bebida criada por nós: a ‘caipirega’ (caipirinha feita com aguardente galega). Foi um mar de gente a que se passou a experimentar essa nossa poção mágica e à vez iam aprendendo quem éramos nós, quem era a tripulação do ICBG que tal como os membros da Pró, na mesma nave, vestia camisolas pretas que também foram criadas para a ocasião, e nelas dous pássaros, um papagaio e uma pega, falavam... Lindas, desenhadas polo Xico Paradelo, que também foi remador na nossa caravela na que vamos resgatar o velho mundo, levando em nosso porão o que mais amamos deste novo... remamos tantas e tantos companheiros que seria interminável a listagem, e eu iria esquecer alguém, mas há uma pessoa que merece menção de honra, essa é a Nerea, minha filha de 10 anos, que talvez por ter nascido do outro lado do Atlântico, lá nas Américas, ou por ser ninfa, entende muito de atravessar oceanos...

...trabalhou como nunca na sua vida toda trabalhara, hora após hora, até mais de cinco seguidas, ajudando a preparar as ‘caipiregas’ e os cafés, e dependurando as nossas mercadorias para atrair o público, variado e amigo... e junto de Nerea não quero esquecer a pequena Aldara, filha do secretário do ICBG na Galiza, que com seus 6 meses de idade se inaugurava às festas da Galiza como o próprio ICBG, e ela deu o que tinha, sua atenção, tão entregada estava à festa que sua mãe não conseguia que atendesse a mamar, pressenti nela já a futura guerreira...

www.brasilgaliza.org

E do outro lado da ponte do nosso navio estavam os amigos do PT do Brasil, onde a Jeanne e o José informavam sobre o partido dos trabalhadores do Brasil; nem seria preciso mencionar a irmandade de nossos barcos, que para além de amigos se sabem irmãos... e a máquina de picar o gelo da bancada do PT Brasil, onde a Jeanne, no mais puro estilo brasileiro, servia caipirinhas, ia e vinha para trabalhar duplo até que os das caipiregas conseguimos o nosso próprio pica-gelos...

Por nossa beira foi passando e parando a gente, e nós, ora um, ora outro, fomos também de visita a outras bancadas e atos... Saliento dous, aos que eu consegui assistir, e num até participei; esse foi a apresentação dos Cantares Galegos de Rosalia de Castro que o académico Higinio Martins adaptou com um mimo extraordinário. Na apresentação participou o editor Heitor Rodal, que veio desde a Barcelona para apresentar vários livros da sua editora no Festigal 2010; participou também Ernesto Vázquez Souza, académico responsável da edição deste clássico da AGLP, primeiro livro da coleção; a mim coube-me a honra de abrir e fechar o ato sendo a voz dos poemas de Rosalia...

(...)

Cantar-te-ei, Galiza,
teus doces cantares,
que assim mo pediram
na beira do mare.

Cantar-te-ei, Galiza,
na língua galega,
consolo dos males,
alívio das penas.

Mimosa, suave,
sentida, queixosa,
encanta se ri,
comove se chora.

Qual ela nenhuma
tão doce que cante
soidades amargas,
suspiros amantes,

mistérios da tarde
murmúrios da noite;
cantar-te-ei, Galiza,
na beira das fontes.

Que assim mo pediram,
que assim mo mandaram,
que cante e que cante
na língua que falo.

Que assim mo mandaram,
que assim mo disseram...
Já canto, meninhas.
Cuidai, que começo.

(...)

Foi entre amigos, nossos e de Rosalia, foi uma hora para medre e desfrute da nossa alma galega.

A seguinte apresentação à que antes já me referi foi a do Sempre em Galiza de Castelão, que assim como os Cantares de Rosalia abriram o Festigal, este encerrava-os, como duas chaves mestras das portas que se reabrem para levar os nossos clássicos a verdadeiramente se universalizarem no contexto lógico, e até se poderia dizer que natural, da nossa língua. Para falar do Sempre estava Miguel Penas representando a Através, editora da AGAL; estava também Camilo Nogueira, um dos primeiros políticos galegos em usar a nossa língua no Parlamento Europeu, defensor incansável da unidade da língua galego-portuguesa, e batalhador incansável a quem eu há já tempo que aprendi a admirar.

E por último falou Fernando Corredoira, as mãos e a mente que dialogaram durante longos dias e anos para achegar a obra de Castelão aos leitores de hoje, especialmente aos que a desconhecem mesmo sendo obra da sua língua, os leitores da Lusofonia. Corredoira leu o texto introdutório que ele fez para a obra, e entregou nele tudo o que era preciso saber para entender o seu trabalho... E aí acabou o Festigal literário, que se continuou com os concertos...

Arriamos velas, as bandeiras brasileira e galega, que já presenciaram juntas a inauguração do ICBG no Instituto Federal de Santa Catarina, Br, em março deste mesmo ano, e guardamos as nossas cousinhas, especialmente as lembranças de futuros que nasceram hoje...

Fonte original:

Pág. 16 de 27