Info Atualidade (358)

António Gil Hernández

"É como se a Real Academia Espanhola
se entendesse com umha academia de spanglish"

Eduardo Maragoto - António Gil Hernández é o presidente da Comissão de Lexicologia e Lexicografia da Academia Galega da Língua Portuguesa (AGLP), um projecto de criaçom recente que aglutina os defensores da adopçom, sem demoras nem normas transitórias, do Acordo Ortográfico de 1990, que previsivelmente será adoptado polo conjunto dos países lusófonos nos próximos anos

É também um dos principais referentes intelectuais dessa corrente do reintegracionismo, tendo publicado nomeadamente trabalhos de carácter sociolingüístico.

Em Abril, a AGLP apresentou à Academia Brasileira de Letras e à Academia das Ciências de Lisboa o “Léxico da Galiza para ser integrado no Vocabulário Ortográfico Comum da Língua Portuguesa”, que inclui perto de 700 palavras passíveis de ser incluídas em dicionários portugueses e brasileiros. O trato recebido pola Academia galega por parte das homólogasluso-brasileiras surpreendeu muitas pessoas adversárias, e até partidárias, do movimento reintegracionista, que nom estavam à espera de tamanho reconhecimento a um movimento ainda mui afastado do poder institucional. 

Que possibilidades reais existem de estas palavras virem a fazer parte dos principais dicionários portugueses?

Se estás a referir-te aos dicionários de empresas editoras, parece que algumhas empresas estám interessadas... Quanto ao Vocabulário e ao Dicionário 'oficiais', em grande medida fôrom eles a dizer-nos que propugéssemos por volta de 600 palavras galegas.

Qual foi o método seguido para a escolha das palavras galegas propostas? Lendo-as, dá a sensaçom de muitas nom serem de uso geral: dialectalismos e até castelhanismos...

Os critérios fôrom fazer propostas suficientemente estritas como amostra do que poderíamos introduzir à espera de que nos digam ou pactuemos os critérios. Começamos polo Vocabulário (neste som menos as palavras propostas). O Dicionário será diferente: sem tratar-se de um tesouro lexical, tem que dar umha visom da língua extensa e útil. É um instrumento que se dá para quem quiger ler um texto, literário ou de outra ordem, para que poda recorrer a um dicionário caso nom conheça umha palavra. Por isso, na parte do dicionário fomos relativamente generosos. O critério que se usou foi que essas palavras nom existissem no dicionário da Academia das Ciências de Lisboa, embora muitas delas estejam no Houaiss (Brasil) e noutros portugueses, às vezes com referência à sua condiçom regional do Minho.

Chama a atençom que nom esteja a palavra 'reintegracionismo' nem essa acepçom para 'lusismo'.

Nom, em tal caso, no Dicionário, quando chegasse o momento, poderia incluir-se. Isto é umha proposta nom definitiva. Esperamos as observaçons de professores que receberam o texto, que é um rascunho, umha amostra que se apresentou quando foi apresentado o Vocabulário brasileiro.

Em que medida se trata de relaçons entre academias em pé de igualdade?

Participamos em duas sessons. Na primeira, fomos recebidos na mesma sala em que tiveram lugar as discussons sobre o Acordo Ortográfico (1990) em Lisboa. Estávamos 4 académicos galegos e 5 portugueses; depois fomos convidados a um jantar na própria Academia que, ainda que descontraído, seguiu o protocolo correspondente. Quanto à segunda sessom, a solene, na mesa estavam os três presidentes das Academias. À partida, nem nós próprios contávamos com isso, mas foi exigido pola parte portuguesa e brasileira. Em que condiçom? Entendemos que em pé de igualdade, apesar da situaçom particular da Galiza. Tenha-se em conta que mesmo com umha situaçom normalizada, a Galiza nom pode ombrear-se com o Brasil. Há outras diferenças interessantes de salientar e que nos aproximam do Brasil. É o facto de a Academia Brasileira das Letras ser, como a AGLP, 'privada'. Nom é organismo do Estado, como a Academia das Ciências de Lisboa, embora seja referência assumida polo Governo federal.

Xosé Ramón Barreiro dixo a este jornal que se tinham posto em contacto com Lisboa para lhes fazer ver que a RAG era a única “representante da Galiza”. Nom lhe figérom caso?

Nom sei se lhe figérom caso e nem sequer sei se de verdade se dirigiu à Assembleia da República Portuguesa. O que é verdade é que com quem entendem que devem entender-se é com os reintegracionistas e concretamente com o órgao equivalente ao que eles tenhem. Nom faria sentido que se entendessem com umha academia que di que o galego e o português som línguas diferentes. É como se a Real Academia Espanhola se entendesse com umha academia de spanglish.

Até quando vai tolerar Portugal este relacionamento. Ou será que o rumor do suposto medo português a Espanha nom tinha fundamento?

Isto daria para umha conferência. Polo que observo, nas reunions realizadas houvo umha sançom positiva tanto de Portugal e do Brasil como de Espanha. Neste caso, interessa salientar que há umha entidade galega, mais ou menos do mesmo nível institucional que a portuguesa e a brasileira, reconhecida por estas instituiçons, e da qual fôrom testemunhas qualificadas um representante do ministro que está a levar a introduçom do Acordo [o ministro da Cultura português] e o segundo da Embaixada espanhola. Ele, que estivo presente na reuniom, pudo comprovar de que se tratava.

As relaçons da Academia Galega da Língua Portuguesa com a parte nacionalista do governo bipartido pareciam boas; e agora, virám mais dificuldades?

O novo governo nom ajudará, mas nom penso que poda pôr dificuldades; enquanto as cousas estiverem mais assentes, temos pensado falar com o presidente da Junta. De qualquer modo, o Governo nom pode interferir nas actividades lícitas dos cidadaos e, por outro lado, nom dependemos dos orçamentos estatais ou autonómicos.O Governo de Madrid, que é o que tem as competências relacionadas com os negócios estrangeiros está informado de todo o que fomos fazendo, porque a Embaixada espanhola em Lisboa foi informada de cada reuniom por nós mesmos; nom se pode dizer que andássemos a esconder nada.

Fonte original:

Professor António Gil Hernández

António Gil Hernández

Devo, antes de mais, advertir que as que seguem são apenas reflexões1 meditadas, mas não documentadas (cá) sobre a situação da Galiza no seio da Lusofonia, perspetivada desde o facto de a Academia Galega da Língua Portuguesa [AGLP] existir publicamente desde o 6 de outubro de 2008.

Deixo de lado a organização interna da AGLP. Simplesmente considero que é entidade (ou instituição) privada na «Comunidad Autónoma de Galicia» [CAG] com objetivos e atividades que ultrapassam a sua condição de privada, mas decisivos no que atinge às relações da Comunidade lusófona galega com os países —na realidade estados— da Lusofonia, nomeadamente com Portugal e com o Brasil.

1.- A Galiza no Reino de España e na Lusofonia: Contexto sócio-político.

Não é fácil nem singelo, nem sequer para os súbditos2 do «Reino de España» [RdE], entender o acontece na Galiza, quer na CAG, quer entre os ainda galego-utentes na «Comunidad de Castilla y León» e no «Principado de Asturias».

Reconheço que, depois de viver mais de trinta anos na Galiza, vou compreendo bastante do que se passa no RdE relativamente, em particular, à Galiza lusófona. Ao caso aponto uns factos, a meu ver, fulcrais:

A) O RdE é estado, como noutras ocasiões tenho dito, reacionariamente moderno.

Com efeito, é resultado, por agora, de três restaurações da Casa dos Bourbões: A primeira (1814) repôs o Absolutismo, depois do reinado de José I Bonaparte (1808-1814); a segunda (1875) suprimiu, mercê de um golpe militar, a I República, federal (1873-1874); a terceira, trás eliminar sanguinariamente (1936-39) a II República, foi preparada pela ditadura do general Franco (1936-1975) e nela estamos agora os súbditos do RdE, sob o chefe do estado que Franco nomeou e impôs.

B) O projeto e processo nacional [ou nacionalista] do RdE é reacionariamente jacobino.

Explico-me: Os dirigentes não apresentam a eliminação de «las demás lenguas españolas» (procurada) como eliminação da «féodalité» e a imposição maciça de castelhano, como expansão da língua da «liberté», segundo fizeram os revolucionários franceses, mormente o abade Grégoire no seu Relatório (1794). Antes o castelhano vem a ser símbolo de uma uniformidade plana e vazia.

C) Por consequência, da parte espanhola, o Galego, quer dizer, o Português da Galiza ou Português galego, acha-se não só desprotegido desde princípios do séc. XIX, depois de longo silêncio escrito a que uns e outros submeteram os seus utentes, mas abertamente atacado, como evidenciam as declarações e atuações dos dirigentes do PP, paradoxalmente presidido por uma pessoa nada na Galiza, que alardeia de “gallego”3, os quais dirigentes acovilham ou se aompanham de entidades e partidos contrários a existência da Galiza em Português galego.

D) Por outro lado, ao contrário do proceder do RdE, no seio da Hispanofonia, em prol da sua língua nacional, a Lusofonia ainda está a articular-se em grau ainda deficiente, de modo que, por uns motivos e por outros, o Galego, o Português da Galiza, se acha, por esse lado também, isolado no território da CAG e não confortado com a devida ajuda dos países lusófonos, nomeadamente com a ajuda de Portugal. Tenho de reconhecer que desde 1986, ano do primeiro Acordo, pouco e pouco na República portuguesa se acrescenta o interesse em prol da Galiza, dos galegos e da sua língua e cultural, por vezes interferido por ações governamentais do RdE.

2.- O Galego e o Português na Galiza e na Lusofonia: Nomes e realidade linguística e social.

De uma armadilha, falsamente “filológica”, se servem os “notables” do RdE, desde as suas instituições, para isolarem (e de passagem abafarem) a Comunidade Lusófona da Galiza: É usurpação da “cousa” pelo “nome”. Vejamos:

Nos textos legais do RdE, para se referir à língua da Galiza, nunca se utiliza a denominação Português, mas Galego.

Daí os “filólogos”, junto dos “politicos, argumentam: «Se a “cousa-língua” recebe o nome de Galego, e não de Português, é pelo “facto” de a galega ser língua diferente da portuguesa

A seguir concluem (escolásticos mais velhacos do que matreiros): Portanto, não só é ilícito confundir Galego e Português, mas sobretudo é ilegal. E, como ilegal, mesmo deve ser punível.

De facto já bastantes cidadãos, funcionários mormente, foram punidos por susterem que as falas galegas podem e devem ser cobertas pela ortografia portuguesa.

Permita-se-me insistir:

Não me parece grave que os políticos, afeitos a serem matreiros e velhacos quando lhes convém, utilizem essa “arguta argumentação”.

O que estimo sumamente grave é que professores sisudos e mesmo inteletuais universitários revistam de roupagens pseudocientíficas tamanha falsidade, que dana qualquer inteleto normal.

Sabe-se que uma mesma “cousa” pode receber nomes diferentes, segundo a perspetiva com que for observada. A «lengua nacional» do RdE tem o nome constitucional (art. 3.1) de “castellano”, enquanto as «academias» dessa «lengua», a começar pela «Real Academia Española» persistem em a denominar “español” ou “lengua española”.

Em honra da congruência, eu concederia alguma razão aos “filólogos” na CAG, funcionários do RdE, se, ao diferençarem entre Galego e Português, aplicassem a mesma lógica “separatista” aos idiomas do “castellano” ou “español”: Surgiriam, só do castelhano europeu, pelo menos cinco “diferentes”: andaluz, panocho, canário, extremenho e castelhano-manchego.

Seja como for, as falas galegas acham-se, em grau diverso, contaminadas pela pressão da «lengua nacional» do RdE, que, na pronúncia e nalgum léxico, as distingue do Português. Se, ao ver dos professores funcionários do RdE, essas diferenças justificam a existência de uma «lingua galega» diversa e divergente da portuguesa, deveriam também reclamar, por honradez inteletual, a existência de divergentes «lenguas» relativamente à castelhana. Mas não o fazem.

Antes, baseiam a unidade e unicidade da «lengua castellana», que eles insistem em denominar «española», na unidade gráfica, como explicitamente sentençam as «Academias de la Lengua Española» no prólogo da última edição (1999) da «Ortografía». É o discurso dominante (e politicamente correto) entre os professores funcionários do RdE e, em geral, da Hispanofonia.

Por exemplo, a Prof.ª Eva Bravo4, da Universidade de Sevilha, reitera essa concepção:

[...] Afortunadamente, hay uniformidad gráfica en el mundo hispanohablante, que de manera indiscutible facilita la internacionalización en el nivel escrito y da cohesión formal a la lengua por encima de las variedades de pronunciación. (o negrito e itálico são meus)

Quando os “filólogos” funcionários do RdE “normativizaram” o “galego”, adaptaram a grafia do castelhano de modo que na escrita o “galego” divergisse do português. Aduzem para assim proceder o facto de a pronúncia galega ser diversa da portuguesa. Se utilizassem a lógica, teriam de considerar «pronúncias» (em plural) tanto do “galego” quanto do Português.

Na realidade, quando as comparam, não o fazem entre pronúncias homologáveis, mas opõem as populares galegas (imaginadamente unificadas) à culta portuguesa, em particular à lisboeta5.

No proceder “normativizador”, os “filólogos” funcionários do RdE na CAG não inventaram uma “ortografia” ad hoc, própria do Galego; antes, adaptaram, como disse, o “Alfabeto Fonético Nacional” do “español-castellano”, até ao ponto de pregoar que a letra Ñ, símbolo da Hispanidad, é letra caracteristicamente galega.

Confirmo o acima exposto com umas afirmações do atual Catedrático de Galego na Universidade de Santiago de Compostela [USC], lá por volta de 19816:

Cando se tratou de normativiza-la lingua e a Academia Galega e o Instituto da Lingua Galega da Universidade [USC] chegaron a unha normativa case común, a uns cantos aficionados ocurréuselles presentar unha normativa lusista, ou reintegracionista, como se di pra disimular, querendo achega-lo galego ó portugués na grafía, na morfosintaxe e no léxico, porque resulta que utiliza-lo galego vivo é escribir baixo a presión do castelán e hai que recupera-lo que nunca existiu. Así chégase a dúas posturas totalmente contrarias, porque unha exclúe á outra e non hai posibilidade de entendemento.

Estes galegoaprendices en moitos casos fixéronlle un fraco favor ó galego e contribuíron a que a xente se indispuxese aínda máis contra a nosa lingua. Sabido é que nas aldeas falan o galego coa conciencia de que o falan mal. Se por enriba lle imos [dizendo] de que o verdadeiro galego é alleo e con lusismos, aínda se convencen máis eles. O que debemos facer é facilitarlles todo o labor de aprendizaxe do propio idioma e pra eso cómpre ter en conta o que deprenden na clase de castelán. O galego e o castelán teñen hoxe unhas características moi semellantes, cousa que non sucede entre o galego e o portugués falado, e mesmo escrito.

Perante tanta fraqueza da razão e gordura da ideologia, alguns “filólogos” da mesma escola compostelana tentaram basear a independência do Galego, a respeito do Português, no facto de aquele ser língua por elaboração, diversa da levada adiante neste. Contudo, não explicam os motivos por que eles elaboram um “galego” afastado do português. Talvez porque, em definitivo, teriam de confessar a sua arbitrariedade para assim proceder. Deveras incorrem num perverso círculo vicioso. Ei-lo, resumido:

«Elaboramos um “galego” diferente do Português para “provar” que o “galego” é diferente do Português.»

Seja como for, os governantes utilizam essa “normativización” do “galego” para lograr que o “galego” seja cada vez mais parecido com o castelhano. e assim efetivarem mais rapidamente o projeto-e-processo nacionalizador do RdE, De facto, nos âmbitos do ensino, mormente não universitário, e através dos média incutem nas consciências dos galegos tanto a doutrina nacional/ista, quanto a espécie da o “galego” (o seu “galego”) não ser português. Os efeitos perversos estão mais cada vez a estender-se: Os cidadãos entendem que o “galego” sobeja, que é supérfluo perante a eficácia do castelhano.

3.- A Academia Galega da Língua Portuguesa: Agente superador da “deriva” do Galego (“también oficial”) para o castelhano (nacional e “oficial” do RdE)

O processo assimilador do Galego ao castelhano vinha sendo intenso desde tempos anteriores a 1936. Contudo, a ditadura do general Franco e do seu “Movimiento Nacional” radicalizou-o desde o início da guerra civil (1936-39).

Contra ele, mormente a partir da morte do ditador, movimentaram-se pessoas agrupadas em associações; por ordem de aparição, foram as Irmandades da Fala da Galiza e Portugal, a Associação de Amizade Galiza-Portugal, a Associaçom Galega da Língua, a Associação Sócio-Pedagógica Galaico-Portuguesa, o Movimento Defesa da Língua, no âmbito da CAG, e mais umas, de âmbito local. Todas adoptam a concepção reintegracionista da Galeguidade.

Existem outras “asociacións” que procuram a conservação e “normalización” do Galego, como a Mesa pola Normalización Linguística.

Umas e outras publicam revistas, livros, realizam reuniões e conferências de diverso tipo pela Galiza adiante.

Não obstante, não conseguiram levantar o isolamento a que a Galiza está submetida pelo RdE a respeito da Lusofonia. Só em 1986 e em 1990, com ocasião dos Acordos Ortográficos e mercê das gestões de pessoas, como o saudoso Prof. Guerra da Cal e o advogado José Luís Fontela, alguns galegos estiveram presentes, como observadores, nas reuniões do Rio e de Lisboa. Dessarte, a Galiza ultrapassou as fronteiras do RdE e pôde evidenciar que faz parte da Lusofonia. Mercê de aquela participação foi possível que onze galegos, das organizações culturais e sociais anteditas, estivessem presentes na reunião preparatória da ratificação do Acordo de 1990 realizada na Assembleia da República, em Lisboa (7 de abril de 2008).

Foi também naquela data que esses e outros galegos decidiram pôr em andamento a Academia Galega da Língua Portuguesa [AGLP], de que, havia tempo, uns e outros, como o saudoso Prof. Carvalho Calero vinham falando. No Colóquio da Lusofonia de 2006, em Bragança, José Martinho Montero Santalha, atual presidente da AGLP, propôs formalmente a sua necessidade e mesmo urgência.

3.1.- A denominação “língua portuguesa”: Controvérsias

Um dos assuntos em discussão foi o nome. Afeitos a denominar as falas da Galiza pelo nome Galego, houve e há reticências para adoptar, como adequado a elas, a denominação Língua Portuguesa. Dizem os contrários que é apelativo estrangeirizante, impróprio do Galego e inaplicável às falas galegas. Na realidade estão a aceitar, inconscientemente na maioria dos casos, a pressão do “oficialismo español”, que utiliza em exclusivo o nome Galego, segundo acima assinalei.

Felizmente bastantes pessoas vão entendendo não só a propriedade do nome, mas sobretudo a sua pertinência e eficácia aos efeitos não só culturais, genéricos, mas também administrativos, no RdE e fora dele. De facto a denominação Academia Galega da Língua Portuguesa foi registada, sem graves dificuldades, no RdE e na República Portuguesa. Igualmente a Associação Cultural Pró AGLP ficou registada na CAG, também sem dificuldade. É no seio dessa Associação que se acha, por agora, a AGLP7.

3.2.- O ato inaugural de 6 de outubro de 2008: Instituições e pessoas que participaram

Na rede existe informação sobre o ato inaugural da AGLP. Para além, foi editado um DVD que recolhe completo o ato. Por isso apenas faço esta breve reflexão.

Na intenção dos seus promotores, a AGLP não deve nem se sobrepor aos grupos cívicos e culturais existentes na Galiza com vistos à normalização da sociedade em Galego, nem menos ainda as tornar supérfluas. O labor fundamental da AGLP abrange dous aspetos, a meu ver, elementarmente básicas:

a) No interior da Galiza, pode conjuntar as atividades de todos os grupos galeguizadores fornecendo-lhes sentido de universalidade, ao oferece-lhes o Português como instrumento e símbolo de comunicação entre os cidadãos da Galiza. E não só, porque também pode induzir à colaboração de todas as interessadas, pessoas e associações, na [re-] naturalização do Galego, como Português galego.

b) Outro aspeto, capital, justamente se dirige a abrir a Galiza ao mundo da Lusofonia.

Ambos os aspetos ficaram patentes no ato inaugural e sobretudo nas palestras dos diferentes oradores que nele intervieram.

A presença e palavras do Prof. Artur Anselmo, da Academia das Ciências de Lisboa, e do Prof. Evanildo Bechara, da Academia Brasilera de Letras, outorgaram à AGLP nascente a condição e dignidade lusófona8.

Esta foi confirmada pela presença e palavras dos Prof.es Carlos Reis e Malaca Casteleiro, da República portuguesa. O escritor João Craveirinha, pela parte da Lusofonia africa, coroou as intervenções dos professores citados.

Nalguma medida, o governo galego, representado pelo Sr. Pérez-Lema, da Vice-Presidência da “Xunta de Galicia”, e, por ele, o RdE (ao menos oficiosamente), também reconheceu, junto da condição e dignidade lusófona da AGLP, a pertença da Comunidade “galegófona” à Lusofonia. Hoje, tristemente, temos (ou tem-nos?) outro governo, esperemos que não contrário demais à Lusofonia.

3.3.- Atividades em processo: Boletim e Comissões

Acabo com uma breve relação das atividades em desenvolvimento:

a) A publicação do primeiro volume do Boletim da AGLP, distribuído no ato inaugural. Está quase preparado o segundo volume, que possivelmente seja dado a lume em maio ou junho próximos.

b) A publicação do DVD acima apontado, assim como a colocação na rede de um muito estudado resumo das intervenções no ato inaugural.

c) A elaboração do Léxico da Galiza pela Comissão de Lexicologia e Lexicografia para ser incluído no Vocabulário comum da Língua Portuguesa. Seguirá a elaboração do Léxico galego, igualmente com vistos a ser incluído nos Dicionários da Língua Portuguesa.

d) A edição do I Anexo do Boletim da AGLP, intitulado Galiza: Língua e Sociedade (XIV ensaios), que será oferecido ao longo da Galiza em atos diversos.

d) Os trabalhos da Comissão de Planeamento.

e) A conseguinte preparação e futura publicação de uma Coleção de Clássicos Galegos, versionados na escrita comum.

f) A preparação de um Arquivo Geral de textos, a ser instalado na rede, pela parte da Comissão de Informática.

4.- Conclusões... abertas ao futuro imediato e menos imediato

As conclusões, por agora, podem ser encerradas em duas:

1.ª Há muito a fazer.

2.ª Há entusiasmo para levar adiante o que cumpre fazer.

Notas:

1 Texto apresentado como comunicação aos Colóquios da Lusofonia.- IV Encontros Açorianos da Lusofonia, Abril de 2009, revisto para o PGL.

2 São ditos cidadãos, mas para tudo o referente às línguas «autonómicas» (Galego ou Português galego, Basconço ou Euskara e Catalão, divido pelo Reino em duas “línguas”, catalão e valenciano) esses cidadãos passam a ser súbditos, submetidos, sujeitos à lei da desigualdade, como assinalo a seguir.

3 Estou a referir-me, como bem se sabe, ao Sr. Rajoy. Nunca usou a língua que o acreditaria de Galego, nem sequer quando, com Fraga como presidente, vice-presidia a “Xunta de Galicia”.

4 No seu El español internacional, Madrid, Arco/Libros, 2008, p. 17.

5 Vale lembrar que,desde que foi banido da produção escrita, circa 1521, no Galego não existe pronúncia que possa estimar-se unificada. Em regra, os cidadãos da Galiza que pretendiam —e pretendem— “falar culto”, fazem-no em castelhano, enquanto para se exprimirem em Galego, procuram ruralizar a expressão para “falar como o Povo”.

6 Cito de «Unhas cantas reflexións sobre o galego», artigo publicado em El Ideal Gallego, Crunha, 18 de outubro de 1981. Tomo os parágrafos aqui citados de Que galego na escola?, Sada, Eds. do Castro, 1984, p. 81, nota 12.

7 Foi por prudência política ou diplomática, no mais nobre sentido das palavras, que assim a ordenamos, porquanto tememos, dados alguns precedentes conhecidos, que não seria registada no RdE como entidade juridicamente independente. O pretexto seria que entra em colusão com a Real Academia Galega, existente desde 1906, inicialmente “reintegracionista”, mas cedo desviada dessa orientação.

8 Em 14 de abril do presente ano, tal aceitação foi confirmada e cenificada em Lisboa, no ato de lançamento do Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa, preparado pela ABL a teor do Acordo Ortográfico, já vigorado no Brasil, e da proposta de Léxico da Galiza, preparado pela Comissão de Lexicologia e Lexicografia da AGLP, com o objetivo de ser integrado tanto no Vocabulário Comum da Língua Portuguesa, quanto nos dicionários portugueses.

Descargas:

 Fonte original:

quinta-feira, 16 abril 2009 00:00

Um 14 de abril histórico para a Galiza

Alexandre Banhos na Sessão Interacadémica

Alexandre Banhos

O 14 de abril para os espanhóis é a lembrança duma festa popular que se correspondeu com a proclamação da segunda república1. A partir de ontem o catorze de abril vai ser data a festejar tamém no calendário cívico galego.

Nos dous últimos anos o reintegracionismo todo está tendo avanços no relacionamento e reconhecimento institucional em Portugal como antes nunca2, pois infelizmente isso não ia além de ser um sonho no âmbito institucional, sem esquecermos o reconhecimento de que a nível individual o reintegracionismo já muito tinha alicerçado nesse relacionamento, eis como bom exemplo os grandes Congressos Internacionais da Língua organizados pola AGAL, ou os da Associação Internacional de Lusitanistas.

Há agora um ano, em 7 de Abril de 2008, o reintegracionismo todo estava convidado a falar num ato ordinário da Assembleia da República Portuguesa (Parlamento) e sobre nada mais nem menos que o assunto comum da língua, a nossa língua internacional3, plural como todas as línguas internacionais.

Nestes dous anos todos ajudamos4 desde o reintegracionismo, cada pessoa de acordo com as suas possibilidades e capacidades para que na Galiza por fim existisse uma Academia da Língua5 que se pudesse relacionar em pé de igualdade com as academias do Brasil e Portugal.

A AGLP nasceu com os melhores agoiros e com a bênção das suas irmãs mais velhas. O ansiado acordo ortográfico uniformador da escrita, que muito foi desejado de sempre na AGAL no contraste da nossa língua com as outras quatro grandes línguas internacionais e nomeadamente o espanhol, por fim é um feito.

O dia 14 de abril no formosíssimo salão da Academia de Ciências de Lisboa, tivo lugar a primeira reunião solene de todas as academias existentes da língua portuguesa, a nossa, pois por esse nome é conhecida internacionalmente.

Estava em pleno a Academia de Ciências de Lisboa Secção de Letras e muitos membros da Secção de Ciências; a Academia Brasileira de Letras (Rio de Janeiro) com uma muito considerável representação dos seus membros; a Academia Galega da Língua Portuguesa (AGLP), com igualmente uma importante representação. A Direção da Academia de Letras da Bahia. Acompanhavam as seguintes autoridades: os embaixadores de todos os países lusófonos em Portugal; a representação da embaixada espanhola no seu agregado cultural, ao estar presente uma instituição pertencente ao Reino de Espanha; os embaixadores ante a CPLP; o ministro e autoridades de Cultura de Portugal e das suas universidades, e representantes vários de todos os países presentes e os da comunicação social. Pola Galiza estava presente este Presidente da AGAL, e infelizmente faltavam autoridades políticas que foram devidamente convidadas e da comunicação social.

Presidiam a sessão, os Presidentes das Academias de Portugal, Brasil e a Galiza.

Gostei imenso dos discursos mas não vou trasladar aqui as minhas notas de todos os seis oradores, já que nos próximos dias há haver muita informação do evento, mas vou salientar do discurso do último dos oradores, o professor Adriano Moreira, as seguintes palavras: A língua não é nossa dos portugueses, nós temos a língua igual que a têm os brasileiros, galegos, angolanos... a língua constrói-se nas beiras do Sar e no mato brasileiro, a língua é um património comum de todos que não pertence a ninguém.

Eu por causas de trabalho não pude fazer a viagem com o resto da delegação galega, o dia 13 às 10 da noite ainda estava numa reunião e o dia 14 às 6 horas da manhã partia de carro para Lisboa. Essa manhã ainda tive tempo de fazer algumas gestões em Lisboa a ver com próximas atividades do reintegracionismo e com as possibilidades de chegarmos a distribuição dos nossos livros em Portugal. No carro levava uma caixa cheia de livros nossos para a biblioteca da Academia e para agasalhar aos amigos, pena não fossem muitas mais caixas, pois logo todos desapareceram.

Fum das primeiras pessoas em chegar à sede da Academia, onde falei com muitos amigos, e de passo nasciam outros novos, fum tratado com grande carinho e consideração que sei que era na minha pessoa para todos os nossos associados e para o povo galego em geral. Aguardo cumprir a minha palavra e em julho deste ano deslocar-me ao Brasil para continuar alargando os tecidos que nos atam. 

José-Martinho Santalha, presidente da AGLP, co-presidiu a sessão

José-Martinho Montero Santalha, presidente da AGLP, co-presidiu a sessão

Notas:

1 A república foi um período democrático nos anos 30 do século passado no estado espanhol, que foi apagado sob o terror fascista. Ao falar do terror não estou a pensar na guerra que desatou a sublevação militar, estou pensando na aplicação sistemática do terror à população como instrumento político, terror que é bem doado ainda de se perceber a pouco que se ranhar na pele do povo da Galiza.

Hoje reconhece-se que bem mais de um ¼ de milhão de pessoas foram executadas e desaparecidas. No pequeno esforço do juiz Baltasar Garzon para sacar a luz estes temas da "memória histórica", em só quatro meses já fora feito um pequeno inventário que se afirmava longe de completo, de 222.749 pessoas executadas extrajudicialmente e desaparecidas. E sem esquecer o role do aparelho judiciário nunca expurgado nem depurado na aplicação dessa doutrina terrorista.

No ano 1952 o Fiscal Geral do Estado Espanhol gabava no seu relatório anual a magnanimidade do "el Caudilho", pois só se levaram a cabo (sic) 12.852 execuções com o "garrote vil" nos últimos anos, frente aos milhares e milhares de condenados cuja pena de morte foi comutada ou indultada pólo "el Caudilho". Tal magnanimidade e amor ao próximo é bem lógico que pola igreja católica universal espanhola fosse devidamente abençoado, com o reconhecimento de que o "el Caudilho" nas igrejas devia entrar e estar sob o pálio no mesmo grau que o Santíssimo.

2 Tamém no reconhecimento institucional na Galiza, tanto no relacionamento com as instituições como no relacionamento com empresas e entidades para os que resultávamos absolutamente marginais.

3 Com esta campanha por primeira vez o reintegracionismo estivo no dia a dia em todos os meios de comunicação de todos os países da lusofonia (todos).

4 Nisso ha que destacar o trabalho pessoal e infatigável de Ângelo Cristóvão e a razão pacífica e tranquila do professor Martinho Monteiro Santalha.

5 A RAG não é uma Academia da Língua.

 Fonte original:

segunda-feira, 30 março 2009 02:00

AGLP no 4º Encontro Açoriano da Lusofonia

Colóquios da LusofoniaEvento contará com representações dos Açores, da Austrália, do Brasil, da Bélgica, do Canadá, da Eslovénia, da França, da Galiza, da Itália, de Moçambique e de Portugal

PGL - Entre 31 de março e 4 de abril, nos Açores juntam-se as 3 Academias de Língua Portuguesa para debater a Açorianidade e a Literatura Açoriana sob o signo do novo acordo ortográfico. Pela Academia Galega da Língua Portuguesa (AGLP) estarão presentes Ângelo Cristóvão (convidado de honra), Concha Rousia e Joám Trillo.

A delegação galega acompanhará, no Cineteatro Lagoense da Câmara Municipal de Lagoa, S. Miguel, os Professores Doutores Adriano Moreira (Vice-Presidente da Academia, Presidente da Classe de Letras, Presidente do Instituto de Altos Estudos da Academia das Ciências de Lisboa), Artur Anselmo (Academia de Ciências de Lisboa Presidente do Instituto de Lexicologia e Lexicografia) que se juntam aos Patronos dos Colóquios desde 2007 João Malaca Casteleiro (Classe de Letras, 2ª Secção – Filologia e Linguística, da Academia de Ciências de Lisboa), e a Evanildo Cavalcante Bechara (Academia Brasileira de Letras) onde estarão também o Professor Doutor Carlos Reis (Reitor da Universidade Aberta, Lisboa), o Governador do Estado de Santa Catarina, deputados e mais representantes daquele Estado.

Igualmente de salientar a presença numa sessão sobre literatura açoriana dos consagrados escritores Cristóvão Aguiar, Daniel de Sá e Sidónio Bettencourt, além do notável historiador micaelense Mário Moura. A participação de 2009 conta com 50 oradores e dezenas de participantes presenciais representando Açores, Austrália, Brasil, Bélgica, Canadá, Eslovénia, França, Galiza, Itália, Moçambique e Portugal.

Durante o Econtro os serão lançados até quatro livros, integrados numa mostra de autores e obras açorianas, havendo música açoriana, uma representação teatral de Santa Catarina, Brasil e duas sessões de poesia (galega e brasileira).

O encontro pretende llevar os Açores ao mundo. Independentemente da sua Açorianidade, mas por via dela, pretende que mais lusofalantes e lusófilos fiquem a conhecer esta realidade com todas as suas peculiaridades, trazendo aos Açores outras vozes para que desse intercâmbio se possa difundir a verdadeira cultura açoriana.

O 4º Encontro Açoriano da Lusofonia conta com a parceria da Direção Regional das Comunidades estabelecendo as pontes com os Açorianos no Mundo e o imprescindível apoio da autarquia da Lagoa ao nível logístico. Este importante evento é totalmente concebido e levado a cabo por uma rede organizativa de voluntários.

Os Encontros, iniciados em 2006 com a duração de apenas dois dias, aumentaram gradualmente a sua relevância e impacto e já se prorrogarão ao longo de cinco dias no Cineteatro Lagoense. Reconhecendo a vitalidade e idiossincrasias da Literatura Açoriana voltam-se, agora, mais para esta vertente, sem descurar a tradução e os aspetos estruturantes que interessa debater da Lusofonia e da Açorianidade.

Comunicações que serão apresentadas pelas/os académicas/os da AGLP

  • Ângelo Cristóvão: «O acordo ortográfico».
  • António-Gil Hernández / Concha Rousia: «A Galiza na Lusofonia: reflexões sobre a Academia Galega da Língua Portuguesa».
  • Concha Rousia: «Mudança de narrativa linguística».
  • Isabel Rei / Joám Trillo: «A guitarra no Arquivo Valladares: música galega na lusofonia».

Fonte original:

terça-feira, 24 março 2009 01:00

Lisboa e as nossas palavras...

Concha Rousia 

Concha Rousia
As palavras, como os pássaros, voam sobre as fronteiras políticas.
Castelao 
- Mãe, para onde é que vão as palavras que eu falo...?
- Vão para onde o vento as quiser levar...
- E se eu não quero?
- Então terás que fechar a boca...

Lembro que de pequenos gostávamos de brincar a tentar falar sem abrir a boca, uns pegávamos com as duas mãos nos beiços que os outros colocavam fazendo o bico, para impedir que as palavras fugissem fora, mas fazia-se difícil compreender o que assim se tentava dizer.

Outra forma de brincar com as nossas palavras consistia em que uma pessoa, que permanecia com os olhos fechados enquanto outra desenhava letras com um pauzinho, ou com a ponta do índice, no seu braço, adivinhasse o que na sua pele se acabava de ‘escrever’...

Tudo para tentar burlar o vento que sabíamos queria levar as nossas palavras. Particularmente preocupante era aquele que soprava do Leste deitando sobre nós um bafo quente infestado de palavras alheias enquanto as nossas iam sendo empurradas a caminho do oceano Atlântico... Desacougante imaginar as palavras a aboiar assim polo mar fora... Esse mesmo mar que nós sabíamos em Lisboa mantinha a capacidade de se converter em papas... Lisboa era uma das palavras que a cotio aparecia nas nossas falas infantis... nos nossos jogos, nas nossas cantigas... (Voa joaninha voa que o teu pai vai em Lisboa e vai-che trazer um pão e uma broa...) o que não chegara eu nunca imaginar era que um dia Lisboa deixaria de ser apenas uma simples palavra para se converter no ouvido ao que eu ir contar as nossas outras palavras, as que ainda não foram ouvidas lá...

Fomos a Lisboa um grupo de quatro pessoas, Issac Alonso Estraviz, Ângelo Cristovão, António Gil, e eu. Desta vez para burlar o vento levávamos as nossas palavras escritas em brochura e pen-drive. A nossa primeira visita foi ao MIL (Movimento Internacional Lusófono) na Fundação Agostinho da Silva; a conversa demorou bem duas horas boas, ninguém, nem eles nem nós, se queria despedir daquele encontro.

O dia a seguir, às onze da manhã, dirigimo-nos à Academia das Ciências de Lisboa (ACL); era a primeira vez, desde a criação da Academia Galega da Língua Portuguesa (AGLP) da que todos somos membros, que a visitávamos. Foi esta a primeira visita oficial da AGLP. A reunião foi enriquecedora tanto para uns como para os outros e todos ficamos muito satisfeitos.

O jantar posterior, embora que de elegante etiqueta, transcorreu num ambiente descontraído e muito amigável, era impossível não se sentir à vontade. Dos brindes tenho que destacar as palavras do Senhor Arantes e Oliveira que manifestou sua honra por ser ele o Presidente da Academia das Ciências de Lisboa na altura em que este acontecimento histórico, no que se incorporam os particularismos da Galiza ao corpo comum da nossa língua, está a ter lugar. As suas palavras, o jeito de as comunicar, e o brilho nos seus olhos enquanto as falou, mostravam que eram verdadeiramente sentidas, e com elas nos reconhecia como irmãos de Língua.

A seguir da sobremesa e os brindes, com porto servido nuns copinhos pequenos, muito diferentes dos que estão na moda na actualidade e idênticos aos que havia na minha casa quando eu era miúda... visitamos, acompanhados polos académicos, as magnificas instalações da ACL, entre as que quero salientar as bibliotecas, e a sala de sessões, onde ainda se conservam as primeiras cadeiras numeradas. Na tardinha, logo de regressarmos ao hotel, fomos visitados por amigos que nos convidaram logo a cear, o que pôs o broche final a um dia para nunca esquecer.

A manhã a seguir visitamos a Associação de Professores de Português (APP). Paulo Feytor, o que alguns de nós já tínhamos o privilégio de conhecer, recebeu-nos com as palavras ‘Bem-vindos a esta sua casa’. De tarde visitamos a Fundação Mário Soares onde o Ex-Presidente da República nos aguardava; logo de mais de uma hora com este extraordinário conversador, visitamos as dependências da Fundação nos seus dous prédios que olham em frente o Palácio de São Bento da Assembleia da República. A fundação, na que umas 15 pessoas trabalham diariamente, conta com uns arquivos digitalizados que a todos nós impressionaram.

Essa mesma noite regressamos à Galiza, a mim o caminho pareceu-me mais curto do que noutras passadas visitas a Lisboa; talvez porque sabemos que a cada vez vamos deixando lá mais amigos, com os que desde já, contar, não só na ACL, mas também no MIL e na APP, é não só; ou também talvez porque hoje foi um dia muito feliz para todos e todas nós, para mim significa ter conseguido finalmente vencer o feroz vento do Leste que ameaçava as nossas palavras...

 Fonte original:

segunda-feira, 23 março 2009 01:00

Mário Soares recebeu delegação da AGLP

Mário Soares com a delegação da AGLP

Mário Soares com a delegação da AGLP

Isaac Alonso Estraviz - O dia 18 de Março tínhamos agendada às 15,30 uma entrevista com o ex Primeiro Ministro e ex Presidente da República de Portugal, Mário Soares, na Fundaçom que leva seu nome, ubicada na Rua São Bento, mesmo frente à fachada da Assembleia da República.

Na hora sinalada lá estávamos Ângelo Cristóvão, António Gil Hernández, Concha da Rousia e Isaac Alonso Estraviz. Tam aginha como entramos já nos levaram ao seu gabinete onde o cumprimentamos e nos cumprimentou a todos cordialmente. Depois pediu-nos que escolhéssemos a cadeira que quiséssemos e ele sentou na que ficava livre como um mais. Pessoalmente, encontrei-o de bom aspecto. Parecia ter menos anos dos que tem, muito bem conservado e com uma grande vitalidade.

Num primeiro momento ficou um bocado estranhado ao lhe dizermos que éramos membros da AGLP, pois ele achava que éramos da RAG, e ficou surpreendido ao lhe dizermos o verdadeiro nome. Eu já tinha estado com ele num Congresso em Lisboa sobre a Problemática do Português no Mundo, onde falara depois de mim, e especialmente na Homenagem a Manuel Rodrigues Lapa na Anadia em 1984, onde vários galegos: Maria do Carmo Henríquez Salido, Avelino Ferradal, Isaac Estraviz... tiramos fotos com ele metendo-se entre nós o Ministro de Educação Seabra. E por aí começamos a falar das línguas que se falam no Estado Espanhol.

A  respeito do Galego admitia muita similitude com o Português, mas não convergência total que no nosso dialogar, ao final, essas divergências não eram mais do que as que há entre qualquer província portuguesa. Connosco mostrou-se muito simpático, aberto e muito atento. Chegou a nos dizer que se a História seguisse o caminho normal hoje Galegos e Portugueses formaríamos uma mesma nação. E em parte coincidia com Castelão ao imaginar uma Península Ibérica federal, na qual formassem uma unidade Galiza e Portugal.

Demonstrou-nos um conhecimento muito grande de Manuel Fraga Iribarne com quem percorreu Galiza conservando uma grata memória dos lugares por onde andou: tascas, bares, cidades... Enlaçando com isto contou-nos a anedota que lhe aconteceu com o alcaide de Vigo Soto, que ao apresentá-lo para uma conferência disse diante de todos os assistentes que lhes apresentava o seu presidente.

Sobre o golpe de Tejero demonstrou ter um conhecimento muito superior quer através da sua filha que estava lá como do embaixador. Também do papel que teve na legalizaçom do Partido Comunista Espanhol, ainda que é visceralmente anticomunista.

Explicou-se-lhe a razão da nossa entrevista  e qual era a nossa missão e nosso cometido nessa e outras viagens a Lisboa. Chamou a uma senhora para tirarmos uma foto e nesse momento inesperadamente organizamos onde nos colocaríamos: eu ao lado dele na parte esquerda, mas ao reparar na Concha pediu que se pusesse ela a seu lado. Levou-nos a ver a biblioteca e depois pediu a António Coelho que fosse nosso cicerone na visita aos dous prédios de que se compõe a fundação e que se comunicam por um túnel entre si..

A Fundação conta com 30.000 livros e ele na sua casa sita entre a Biblioteca Nacional e a Faculdade de Letras, por onde eu passei infinidade de vezes, 70.000 volumes. Na Fundação guardam nos arquivos toda a documentação de Timor Leste e muito material de Alberto de la Cerda que doou à mesma. Na parte subterrânea estão os arquivos com estantes movíveis, parte destinada a material de Soares e outra parte a outros senhores.

Tem muitos computadores e escáneres para digitalizar todo o material: livros, folhetos, mapas... Trabalham diariamente quinze pessoas especialistas na manipulação de material informático para que o material ali conservado possa ser consultado. Material que pode ser consultado já parte e a outra quando estiver terminado o trabalho que está em curso.

 Fonte original:

terça-feira, 16 dezembro 2008 21:00

Agália, nº 93/94 e Boletim da AGLP nº 1

José-Martinho Montero Santalha arvora-se num lugar cimeiro do Reintegracionismo

As duas revistas tenhem como referente
José-Martinho Montero Santalha

Joám Manuel Araújo - A revista de Ciencias Sociais e Humanidades Agália, editada pola Associaçom Galega da Língua, publicou o número duplo 93/94, correspondente ao Primeiro Semestre de 2008. E o Boletim da Academia Galega da Língua Portuguesa debuta no mercado. As duas publicaçons tenhem em comum favorecer o diálogo entre a Galiza e os povos que conformam o intersistema lusófono, em especial Portugal e o Brasil; além de umha apresentaçom de atractivo e muito correcta. Também as duas revistas tenhem como referente José-Martinho Montero Santalha, quem se arvora num lugar cimeiro do Reintegracionismo após mais de 30 anos de dedicaçom e trabalho continuado: do Manifesto dos 13 de Roma a publicaçons específicas na imprensa, em revistas especializadas e em volumes, difundiu diferentes possibilidades de aplicaçom da ortografia histórica galega. Esta trajectória faz dele um dos especialistas mais representativos entre aqueles que mais se implicárom neste labor, com umha vultosa produçom científica e literária, que justificam essa privilegiada posiçom referencial e a importante representatividade.

Nova etapa da Agália

Capa da Revista Agália nº 93-94A principal novidade do número da Agália (ver conteúdos aqui) está no relevo na direcçom, agora assumida por José-Martinho Montero Santalha, professor da Universidade de Vigo. Finaliza assim umha etapa muito interessante e intensa, em que estivo dirigida por Carlos Quiroga, da Universidade de Santiago de Compostela.

Entre o que mais impacta no leitor neste novo volume está a ausência de materiais gráficos na capa e no interior, tam importantes nos últimos anos, pois nom se encontra apenas nengumha ilustraçom, embora haja reproduçom de documentos, algum facsimilarmente. Também nom há neste número a secçom de «Percurso», que incluia notícias da actualidade dos últimos meses.

A Agália mantém o estilo que a diferenciou e a colocou num lugar referencial na Galiza, desde 1985. Continuam os conselhos de Redacçom e Científico sem mudanças a respeito de números anteriores, e renova o interesse com contributos de atractivo em que convivem metodologias e propostas ortográficas muito diferentes, que espelham a diversidade que de regra é habitual na lusofonia.

A revista oferece 300 páginas muito bem desenhadas e apresentadas, e trabalhos do maior interesse. Merecem destaque dous dos contributos de Montero Santalha: a ediçom do epistolário de Álvarez Blázquez e Manuel Rodrigues Lapa, 37 cartas datadas entre Setembro de 1951 e Julho de 1956, e 3 mais entre 1965 e 1970, con informaçons valiosas para entender o evoluir da cultura galega nos meados do século passado; e mais a recuperaçom, na secçom de «Textos Literarios», de Joaquim Árias Miranda, editando 18 composiçons procedentes de um caderno autógrafo de poemas, e «reproduzindo exactamente o original de Arias Miranda, tamén as suas particularidades gráficas», que Santalha esclarece ter conhecido a través de amizades ferrolanas. Inclui dados da biografia deste produtor, e informa de como foi referenciado na historiografia literaria galega por estudiosos como Carré Aldao, Couceiro Freijomil, Carvalho Calero, Fernández del Riego ou Dolores Vilavedra, com o que contribui a recuperar umha figura muito secundarizada e desconhecida das Letras Galegas.

Também resulta de interesse a secçom de recensons, em que se estreia como colaboradora a prestigiosa investigadora e professora brasileira Gilda Santos, quem pertence ao Conselho Científico da Agália há anos, e neste contributo frisa o «trabalho minucioso e amoroso de uma filóloga [a professora Vanda Anastasio, da Universidade de Lisboa]... sobre outra filóloga [a Marquesa de Alorna]», que conclui serem «duas mulheres notabilíssimas» de dous períodos diferentes de Portugal: os tempos de hoje e o século XVIII.

Lançamento do Boletim da AGLP

Capa do Boletim da AGLP nº 1O Boletim da Academia Galega da Língua Portuguesa sai ao mercado com o número 1, que se divulgou já desde o 6 de Outubro, data do lançamento desta instituiçom, e em que predominam os textos dos académicos, que combinam referências à história e à actualidade. Esta publicaçom está dirigida por António Gil Hernández; tem José-Martinho Montero Santalha de subdirector; Ângelo Cristóvão, de secretário; Joám Evans Pim, editor; para além de um Conselho de Redacçom integrado por 9 pessoas da Galiza; e um Conselho Científico conformado por 16 pessoas, todas elas nomes prestigiados do ámbito académico, representantes das três universidades da Galiza, e outras de Portugal, Brasil (entre eles Evanildo Bechara, da Academia Brasileira de Letras; e João Malaca Casteleiro, da Academia das Ciências de Lisboa) e da Inglaterra.

A respeito do conteúdo, inclui um «Editorial» (pp. 7-8), que principia com os seguintes parágrafos: «Começamos, neste ano 2008, uma caminhada tão esperançada quanto difícil. Esperamos contribuir para a construção da Comunidade lusófona da Galiza: somos conscientes das dificuldades que acompanham as propostas, as actividades e as atuações para verificarmos essa esperança. Confiamos, como Castelão, no Povo galego e nos restantes Povos da Lusofonia para ultrapasarmos com sucesso as dificuldades». Indica como um dos objectivos principais a defesa da ortografia do Acordo Ortográfico aprovado neste ano por Portugal e com anterioridade por outros três países.

Na continuaçom inclui umha citaçom de A. Vilar Ponte. E segue-se umha estrutura iniciada por seis estudos: «O nome da Galiza», de José-Martinho Montero Santalha, presidente da Academia Galega da Língua Portuguesa (pp. 11-34), em que oferece argumentos para a escolha de Galiza em lugar de «Galicia», umha discrepância fulcral (entre outras muitas) desta nova instituiçom com a histórica Real Academia Galega, que neste semestre defendeu a pertinência de «Galicia». Outros estudos som: «Sintese do reintegracionismo contemporâneo», de Carlos Durão (pp. 35-56); «Um ponto de inflexão na reivindicação nacional: 1916, a Irmandade da Fala», de Ernesto Vázquez Souza; «Estado, Nação e Tríade Lingüística: Teorização leve sobre factos graves», de António Gil Hernández (pp. 89-104); «Categorias gramaticais e dicionários: para uma didática dos adverbios», de Maria do Carmo Henríquez Salido (pp. 105-116); «O hexâmetro dactílico greco-latino e a sua adaptação à métrica galego-portuguesa», de Ângelo Brea Hernández (pp. 117-132); e «Galiza, terra e mãe. Mulheres e exílio na obra de Luís Seoane» de Barbara Kristensen (pp. 133-150).

Na secçom «Notas» inclui «Sobre o conceito de Notáveis na obra sociolinguística de António Gil», de Xavier Vilhar Trilho (pp. 153-164); «Um (assombrado) Complexo de Bartleby: Isto [não] é um livro e Eu [não] sou [...]» de Álvaro J. Vidal Bouzon (pp. 165-178); «Revendo as noções de ‘Lusofonia’. Uma aproximação conceitual», de J. Evans e B. Kristensen (pp. 179-186); e «Por um Corpus Musicum em liberdade», de Rudesindo Soutelo (pp. 187-194).

Na secção «Instituição» incluem os Estatutos da Associação Cultural Pró Academia Galega da Língua Portuguesa (pp. 195-200); a «Crónica da Conferência de Lisboa, intervenções, instituições e documentos» (pp. 201-212), em que Concha Rousia relata (pp. 201-206) a experiência da presença galega na sessom da Assembleia da República de Lisboa, aos 7 de Abril de 2008, em que aconteceu a audiência a diversas pessoas e instituiçons sobre o Acordo Ortográfico, incluindo o texto das intervençons de Alexandre Banhos, presidente da Associaçom Galega da Língua (pp. 206-209) e de Ângelo Cristóvão, presidente da Associação Pro-Academia Galega da Língua Portuguesa (pp. 209-211), bem como reproduçom do convite oficial (p. 212); o texto integral, com as XXI bases, do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa (pp. 213-234); o Hino da Galiza, com introdução, partitura e letra (pp. 235-240); e a composiçom Deu-la-deu, suite para guitarra de Rudesindo Soutelo, estreada pola guitarrista Isabel Rei com ensejo da inauguraçom da AGLP.

A revista finaliza com 3 recensons: de Ernesto Vázquez Souza (sobre As Sete Fontes, de Concha Rousia), de António Gil Hernández (de O País dos Nevoeiros, de Ângelo Brea) e de Álvaro J. Vidal Bouzon (de Temas de lingüística política, de A. Gil Hernández).

Conclusom

Estamos, portanto, perante duas publicaçons que oferecem umha perspectiva muito interessante do relacionamento da Galiza com o mundo, através do diálogo com o intersistema dos povos que conformam a Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP). É esta umha possibilidade aberta, pouco aproveitada ainda na Galiza, que se disponibiliza polo facto de partilhar idioma comum. Ambas as revistas situam-se numa vanguarda referencial: a Agália com umha importante trajectória já de 24 anos, em cujas páginas tenhem colaborado nomes de relevo da Galiza e dos diferentes países lusófonos, e nom só; e o Boletim da AGLP iniciando o seu andamento.

Esse relacionamento com a comunidade lusófona tem oferecido frutos importantes já para a Galiza, e abre perspectivas e posibilidades muito aliciantes. Quando prosperarem, nom se poderá negar o papel pioneiro e os trilhos abertos por publicaçons como estas, entre as principais que tenhem trabalhado por esse objectivo de abertura ao mundo e de integraçom num âmbito que, por história e tradiçom, nom pode ser alheio para a comunidade galega.

Compostela, Dezembro de 2008.

Fonte original:

José-Martinho Montero Santalha | Foto: Versão Original

Presidente da AGLP entrevistado pelo diário nacionalista GZnación

PGL - «Fora da unidade linguística galego-portuguesa o idioma da Galiza não poderá sobreviver». Eis o cabeçalho da entrevista a José-Martinho Montero Santalha que publica hoje o diário nacionalista GZnación.

O presidente da AGLP fala também sobre a criaçom desta instituiçom. «[A ideia] de criar uma Academia Galega da Língua, distinta da Real Academia Galega, já se tem falado repetidamente desde os anos 60 do passado século, pelo menos. No entanto, a primeira ideia de constituir uma Academia Galega da Língua Portuguesa, com este nome, procede, que eu saiba, do professor Carvalho Calero».

Montero-Santalha também fala dos objectivos da Academia, entre os quais salienta «a pretensão de servir de contraste público à ideologia isolacionista, com a esperança de que os poderes políticos galegos deixem algum dia de sancionar essa ideologia como prevalente».

Perguntado sobre a polémica suscitada em determinados foros sobre a denominaçom do galego como «português da Galiza», o presidente da AGLP responde que «é habitual denominarmos a nossa língua como galego, ou mesmo como língua galega [...] Nós usamo-lo com o sentido, que cremos correcto, de língua portuguesa da Galiza; porém [...] os defensores da tendência isolacionista pretendem fazer dela uma língua independente do português do resto do mundo; de modo que, por esse motivo, a expressão língua galega pode resultar ambígua ou até enganosa».

A ligaçom entre a Academia e o reintegracionismo, o relacionamento com a RAG, as estratégias para a normalizaçom do galego ou o relacionamento luso-galego som alguns dos temas  sobre os quais Montero-Santalha também dá a sua visom na entrevista.

Fonte original:

Mais info:

Jornal La Región entrevista José-Martinho Montero Santalha

"As pessoas na Galiza têm que saber
que a nossa língua é o português da Galiza"

O jornal La Región, sediado na cidade de Ourense, publicou na passada segunda-feira, dia 13 de outubro, uma extensa entrevista ao presidente da Academia Galega da Língua Portuguesa, José-Martinho Montero Santalha. Na entrevista, o professor destaca que "manter o galego como língua independente do português o condenará a desaparecer" e defende para ela a denominação "português da Galiza".

Ainda, o presidente da Academia explica as razões que motivam o surgimento deste novo projeto, bem como o relacionamento que a AGLP terá com as instituições galegas e mais a Real Academia Galega, além de abordar diversas questões como a delicada situação que atravessa a língua na Galiza e as possíveis soluções para a sua supervivência e revitalização.

Descargas:

Francisco Rodríguez Sánchez | Foto: Vieiros

O filólogo e dirigente nacionalista vincula
certo isolacionismo com «espanholia»

PGL - Num artigo publicado hoje num conhecido jornal electrónico, o filólogo e dirigente nacionalista Francisco Rodríguez valora a criaçom da Academia Galega da Língua Portuguesa (AGLP). O responsável de Formaçom do BNG lembra que o nacionalismo, historicamente, sempre defendeu a unidade linguística galego-portuguesa.

Para ele, a defesa da unidade partiu sempre de um critério que se fundamentava em «sólidos raçoamentos e comprovações [...]. Nom se deixárom perturbar polo facto de ser Portugal um estado independente e a Gailza umha naçom negada, convertida em província da Espanha imperial», assegura no artigo.

Rodríguez continua afirmando que a teoria isolacionista, isto é, a defesa de um galego como 'língua de seu', só começou a tomar forma com a chegada da democracia e a instauraçom da autonomia política para a Galiza. Deste jeito, segundo o ex-deputado, «a normativa do galego [...] elaborou-se com critérios totalmente alheios aos da normativa do português, enfatizando as diferenças, assegura.

Na sua opiniom, as pessoas encarregadas deste labor optárom por afastar «artificialmente» o galego do português, umha orientaçom que qualifica de «anti-portuguesa» e que as mais das vezes respondia a um posicionamento ideológico «espanholista». Chegado a este ponto, Rodríguez vincula o isolacionismo galego com o valenciano (ou blaverismo, que nom reconhece a unidade da língua catalã com as falas valencianas), e atribui ambas correntes a um «isolacioinsmo agitado pola espanholia»

Francisco Rodríguez finaliza o artigo referendo-se à AGLP. Para ele, a sua apariçom nom é negativa, contrariamente a algumhas «reacções desaforadas e sintomáticas». Contudo, o responsável nacionalista acha que a soluçom nom é a terminológica, isto é, denominar o galego 'português da Galiza', mas «dar passos claros, práticos, para reintegrar o nosso idioma no seu espaço natural, o galego-português».

Destarte, a apariçom desta Academia valoriza-a como «a resposta extra-oficial, filológica, extrema a umha deformaçom e negaçom recorrente», àquela que nom reconhece a unidade linguística.

Fonte original:

 

Pág. 18 de 26