×

Alerta

JUser: :_load: Não foi possível carregar o utilizador com o ID: 62

Info Atualidade (358)

Conferência Internacional sobre o Futuro da Língua Portuguesa no Sistema Mundial

Evento terá lugar em Brasília, no Palácia Itaramaty,
nos dias 26 e 27 de março de 2010

As académicas Concha Rousia e Isabel Rei, que viajam na comitiva dos Colóquios da Lusofonia para intervir no 5 Encontro Açoriano da Lusofonia em Florianópolis, Santa Catarina, participam esta semana, por convite dos governos do Brasil e de Portugal, na Conferência Internacional que tem lugar no Palácio Itamaraty, em Brasília, de 25 a 28 de março, destinada a examinar oportunidades, desafios e instrumentos para a valorização da língua e sua projeção no cenário internacional.

Durante a sua presença na capital do Brasil, irão realizar um intercâmbio de ideias e troca de experiências com personalidades e instituições de toda a lusofonia, escritores, académicos, editores, jornalistas e outros profissionais diretamente vinculados à difusão da língua, apresentando a posição da Academia sobre os temas consignados no programa do evento: Ensino, difusão e projeção da língua; estado de desenvolvimento do Acordo Ortográfico, participação da sociedade civil, e importância da língua portuguesa nas diásporas.

Os participantes serão recebidos no dia 25 com coquetel e programação cultural, que compreenderá leitura de trechos de obras literárias de autores de língua portuguesa pela intérprete Maria Bethânia. A sessão inaugural da Conferência está marcada para a manhã do dia 26, às 9h no auditório do Palácio.

A segunda etapa da Conferência, nos dias 29 e 30 de março, consistirá em reunião das delegações governamentais dos países da CPLP. Os Estados membros discutirão propostas passíveis de compor um programa de ações da Comunidade para cumprimento dos objetivos fixados pelos Chefes de Estado e de Governo da CPLP na “Declaração sobre a Língua Portuguesa” (VII Cimeira, Lisboa, 25 de julho de 2008).

Além dos Estados membros – Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste –, foram convidados à Conferência a Guiné Equatorial, as Ilhas Maurício e o Senegal, na qualidade de Estados observadores associados.

No dia 31 de março será realizada uma Reunião Extraordinária do Conselho de Ministros da CPLP, durante a qual os Chanceleres analisarão estratégias e ações para a projeção da língua portuguesa, com vistas à formulação de recomendações à próxima Cimeira da Comunidade, a efetuar-se em Luanda, em 2010.

A Conferência Internacional sobre o Futuro da Língua Portuguesa no sistema Mundial e a Reunião Extraordinária do Conselho de Ministros da CPLP serão copresididas pelo Brasil, como país-sede, e por Portugal, como atual presidente da Comunidade.

Paralelamente à Conferência Internacional, será organizada uma semana cultural da língua portuguesa, cuja programação envolverá exposição intitulada “Língua Viagem – em português todos se encontram”, mostra de cinema, apresentações musicais e encontros de escritores, com participação de todos os Estados membros da CPLP. A exposição sobre a língua portuguesa ocorrerá no Palácio Itamaraty e os demais eventos no Centro Cultural Banco do Brasil, em Brasília (CCBB DF).

A seguir,transcrevemos a ordem de trabalhos dos dias 26 e 27:

Conferência Internacional sobre o
Futuro da Língua Portuguesa no Sistema Mundial
Brasília, Palácio Itamaraty
(26 e 27 de março de 2010)
Itens da Agenda

Sessão Inaugural

  • Abertura
  • Importância e valorização da língua portuguesa (logo após a Abertura)

Sessões de Trabalho

(a) Fortalecimento do ensino da língua portuguesa
(a.1) Fortalecimento do ensino da língua portuguesa para estrangeiros
(a.2) Cooperação educacional e cultural para o ensino da língua portuguesa no espaço da CPLP
(b) Difusão pública da língua portuguesa
(b.1) Ampliação da difusão da língua portuguesa nos meios de comunicação de massa
(b.2) Valor econômico e cultural da difusão da língua portuguesa
(c) Projeção da língua portuguesa em foros multilaterais
(d) Estado de desenvolvimento do Acordo Ortográfico
(e) Participação da sociedade civil na projeção da língua portuguesa
(f) Importância da língua portuguesa nas diásporas

LISTA EXEMPLIFICATIVA DE TEMAS PARA CONSIDERAÇÃO AO ABRIGO DOS ITENS “A” a “F” DA AGENDA

(a) Fortalecimento do ensino da língua portuguesa
(a.1) Fortalecimento do ensino da língua portuguesa para estrangeiros
(a.2) Cooperação educacional e cultural para o ensino da língua portuguesa no espaço da CPLP

Indicação de temas para tratamento sob este item: (i) Iniciativas e projetos no âmbito da CPLP; (ii) Perspectivas de atuação em terceiros países; (iii) Desafios didáticos: Elaboração de material didático; Formação inicial e capacitação de professores de português para atuar no exterior; Ensino de português à distância;  Valorização das tecnologias de informação e de comunicação; Formação de tradutores e intérpretes.

(b) Difusão pública da língua portuguesa
(b.1) Ampliação da difusão da língua portuguesa nos meios de comunicação de massa
(b.2) Valor econômico e cultural da difusão da língua portuguesa

Indicação de temas para tratamento sob este item: (i) Inclusão de material audiovisual em português na programação televisiva internacional; (ii) Ampliação do uso de português em outros meios de comunicação de massa; (iii) Promoção da língua portuguesa por meio da difusão cultural; (iv) Desenvolvimento de ações conjuntas para divulgação da literatura em língua portuguesa; (v) Exploração de possibilidades de valorização da língua portuguesa durante eventos de visibilidade internacional sediados pelos países da CPLP; (vi) A relevância da difusão da língua portuguesa como elemento facilitador de negócios.

(c) Projeção da língua portuguesa em foros multilaterais

Indicação de temas para tratamento sob este item: (i) Implantação ou ampliação do uso da língua portuguesa em Organizações Internacionais; (ii) Promoção da língua portuguesa no marco dos processos de integração regional.

(d) Estado de desenvolvimento do Acordo Ortográfico

Indicação de temas para tratamento sob este item: (i) Ponto da situação; (ii) A questão da elaboração de um vocabulário ortográfico comum nos termos do artigo 2 do AOLP; (iii) Os desafios das terminologias científicas e técnicas.

(e) Participação da sociedade civil na projeção da língua portuguesa

Indicação de temas para tratamento sob este item: (i) A contribuição de instituições acadêmicas e organizações não-governamentais; (ii) O estímulo a parcerias com a iniciativa privada.

(f) Importância da língua portuguesa nas diásporas

Indicação de temas para tratamento sob este item: (i) As políticas dos membros da CPLP relacionadas à ligação das diásporas com a cultura de seus países de origem; (ii) Possibilidades de desenvolvimento conjunto de programas pautados no papel da língua portuguesa como fator de união das diásporas.

Mais informação acerca da Conferência Internacional:

Prof. José Manuel Barbosa Álvares

Assinado Protocolo de Cooperação e Apoio Recíproco entre a AGLP e a SGL

O passado dia 19 de março a Sociedade de Geografia de Lisboa, instituição fundada em 1875, acolheu a conferência do académico José Manuel Barbosa sob o título A Variação das Fronteiras Políticas da Galiza na História.

A palestra, a que assistiram os presidentes das secções científicas da SGL, serviu para apresentar em Portugal o paradigma galeguista da história.

Avalado por prestigiosos historiadores atuais, pretende explicar importantes factos históricos, antes desatendidos ou descartados, quer pela historiografia portuguesa, quer pela espanhola. 

Segundo Barbosa, o nome da Galiza «não se corresponde com o mesmo território segundo a etapa histórica de que estejamos a falar e é por isso por que os seus limites também nom som os mesmos». O paradigma galeguista, como contraposição ao castelhanista, «põe sobre a mesa uma narração dos feitos em que a Galiza existe como ente protagonista da Idade Média e ainda de outras épocas».

Na palestra tentaram-se desvendar «aquelas chaves que até agora não levam sido publicitadas porque a Galiza não tinha possibilidade de as expor como sim tem sido possível com a Catalunha e o País Basco» porque nesses países «sim há um poder autocentrado que não só permite, mas impulsiona o estudo da própria História como elemento fulcral na (re-)construção nacional, apesar do castelhanismo ideológico».

 

Profs. José Manuel Barbosa, Luís Aires-Barros e Ângelo Cristóvão

Profs. José Manuel Barbosa, Luís Aires-Barros e Ângelo Cristóvão

 O evento foi o marco para a assinatura do Protocolo de Cooperação e Apoio Recíproco entre a AGLP e a SGL, na presença do público, dos responsáveis das secções de Antropologia, Ciências Sociais, Etnografia e História, e dos académicos galegos José Manuel Barbosa e Joám Trilho. Pela Sociedade de Geografia de Lisboa assinaram o Sr. Presidente, Prof. Luís Aires-Barros, e o Secretário-Geral, Prof. João Pereira Neto. Pela Academia Galega, o seu secretário, Ângelo Cristóvão. O ato finalizou com o intercâmbio de publicações.

Momento da assinatura do protocolo entre a AGLP e a SGL

Momento da assinatura do protocolo entre a AGLP e a SGL

O protocolo está destinado «à promoção das relações e intercâmbios culturais, científicos e educacionais, nos domínios de interesse comum, acordando a divulgação das respetivas atividades, nomeadamente as relacionadas com a investigação, difusão e defesa da língua portuguesa, e com a situação do português da Galiza».

Assinatura do Protocolo, o Secretário-Geral João Pereira Neto, o Presidente Luís Aires-Barros e Ângelo Cristóvão, Secretário da AGLP

Assinatura do Protocolo, o Secretário-Geral João Pereira Neto,
o Presidente Luís Aires-Barros e Ângelo Cristóvão, Secretário da AGLP

Intercâmbio de publicações entre a SGL e a AGLP

Intercâmbio de publicações entre a SGL e a AGLP

 Mais informação acerca da SGL:

PriberamA empresa Priberam é responsável por alguns dos produtos informáticos mais utilizados em português. Os mais utilizados são os seguintes:

Dicionário

O Dicionário Priberam de Língua Portuguesa (anteriormente conhecido como Dicionário de Língua Portuguesa On-line, ou DLPO), com mais de um milhão de páginas vistas por dia, é o dicionário de língua portuguesa mais consultado na Internet, sendo o quinto site português mais visitado.

FLiP

FLiP (acrónimo de Ferramentas para a Língua Portuguesa) é a marca sob a qual a Priberam disponibiliza diversos produtos e serviços na área do processamento da língua natural desde 1995.

O FLiP 7 inclui correctores ortográficos, dicionários temáticos, correctores sintácticos e estilísticos, dicionários de sinónimos, hifenizadores, conversor para o Acordo Ortográfico, auxiliares de tradução, conjugadores de verbos, suplemento para o Word e um editor de texto. Os módulos incluídos são compatíveis com aplicações da Adobe, da Microsoft, da Protec e da Unisys para Windows.

O FLiP:mac 2 e o FLiP:mac 2 Brasil são versões específicas para o Mac OS X da Apple. Os correctores ortográficos incluídos nestas versões, além de compatíveis com as aplicações da Microsoft, são também compatíveis com todas as aplicações que utilizam o serviço de correcção ortográfica do Mac OS X, como por exemplo, o Pages e o OpenOffice.org. Estes foram os primeiros pacotes de ferramentas linguísticas a incluir correctores para a ortografia segundo o Acordo Ortográfico de 1990.

LegiX

O LegiX (lê-se légícs) é, desde há alguns anos, o líder do mercado das bases de dados jurídicas, sendo nomeadamente o sistema escolhido pelas 20 maiores sociedades de advogados a operar em Portugal.

Novo Corretor Aurélio

Versão específica do FLiP para o mercado brasileiro, comercializada sob a prestigiada marca Aurélio.

OptiX

Sistema desenvolvido em estreita colaboração com médicos da área da Oftalmologia e utilizado diariamente nas principais clínicas da especialidade. Entre as suas principais vantagens destacam-se a rapidez no atendimento do doente (marcação de consultas, atendimento na clínica, etc.), a partilha de informação por todos os serviços da clínica (recepção, sala de espera, rastreio, médicos, cirurgia, contabilidade, gestão), a segurança dos dados, a possibilidade de adquirir o sistema por módulos de acordo com a evolução das necessidades e a garantia de um apoio permanente à sua utilização.

Priberam Search

Motor de pesquisa da Priberam, resultado de vários anos de trabalho nas áreas do processamento de língua natural e dos sistemas de informação jurídica, bem como dos projectos de investigação e desenvolvimento em que a empresa tem participado na área da pesquisa de informação.

Principais ferramentas, recursos e serviços on-line:

Auxiliares de tradução

Ferramenta que permite traduções de palavras ou locuções entre qualquer combinação das quatro línguas disponíveis: espanhol, francês, inglês e português (com ou sem Acordo Ortográfico).

Conjugador

Ferramenta de conjugação verbal em português de Portugal e em português do Brasil (com ou sem Acordo Ortográfico), assim como em espanhol.

Conversor para o acordo ortográfico

Ferramenta de conversão de texto para a nova grafia do Acordo Ortográfico, tanto em português de Portugal como em português do Brasil.

Corretor ortográfico e sintáctico

Ferramenta de correcção de erros ortográficos e sintácticos em português de Portugal e em português do Brasil (com ou sem Acordo Ortográfico), assim como em espanhol.

Dicionário Priberam da Língua Portuguesa

Dicionário de português europeu que permite a consulta com ou sem as alterações gráficas previstas pelo Acordo Ortográfico.

Dúvidas linguísticas

Acesso às respostas que a equipa de linguistas da Priberam tem fornecido às questões de cariz linguístico colocadas por utilizadores das mais variadas proveniências.

Vocabulário

Consulta das bases de dados lexicais da Priberam com informação ortográfica e morfológica, englobando o vocabulário comum e onomástico do português de Portugal e do português do Brasil (com ou sem Acordo Ortográfico).

Secção sobre o Acordo Ortográfico

Informações sobre os textos legais que regem a variante europeia da língua portuguesa.

terça-feira, 09 fevereiro 2010 22:18

ILTEC disponibiliza VOP no Portal da Língua Portuguesa

ILTECO Vocabulário Ortográfico do Português (VOP) do Instituto de Linguística Teórica e Computacional (ILTEC) está disponível no Portal da Língua Portuguesa desde o dia 1 de fevereiro de 2010.

Um vocabulário ortográfico é uma lista extensa de palavras com indicação da sua ortografia, da sua categoria morfossintática e das suas peculiaridades de flexão, quando existem. Sendo o VOP concebido para consulta através da Internet e para aplicação em ferramentas informáticas, os utilizadores poderão nele encontrar também a flexão de todas as palavras.

Nesta primeira fase, o VOP integra 150.000 palavras do vocabulário geral.

O VOP foi um projeto submetido ao Fundo da Língua Portuguesa, órgão que reúne quatro ministérios de Portugal (Ministério dos Negócios Estrangeiros, da Cultura, da Educação, e Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior), e que é gerido pelo Instituto Português de Apoio ao Desenvolvimento (IPAD). Foi aprovado para financiamento em junho de 2009.

Até ao final de fevereiro serão disponibilizados, também no Portal da Língua Portuguesa, o Lince - conversor para a nova ortografia e vários verificadores ortográficos. O Lince é uma ferramenta descarregável, que permite a conversão automática de textos de qualquer dimensão para a nova ortografia; o Lince permitirá converter textos em formatos DOC, PDF, ODT, RTF e TXT; o produto dos textos inseridos em formato PDF será um documento noutro formato. Por seu turno, os verificadores ortográficos são extensões para o Microsof Office Word e Outlook 2003 e 2007 e para o OpenOffice.org, que permitem verificar a ortografia dos textos enquanto são digitados. Ambas as ferramentas incorporam os dados do VOP.

No início de abril do corrente ano, o Vocabulário Ortográfico do Português passará a contar com mais de 200.000 entradas do vocabulário geral, assim como com um Dicionário de estrangeirismos atualizado, um Dicionário de topónimos e gentílicos atualizado, um Dicionário de nomes próprios, um Dicionário de expressões latinas, um Dicionário de unidades de medida e um Dicionário de abreviaturas.

Em qualquer situação normal de mudança ortográfica, torna-se necessário, para o uso das novas regras, um vocabulário ortográfico que as aplique em concreto às palavras da língua, assim como outros recursos que permitam aos utilizadores uma transição entre ortografias sem sobressaltos.

O Vocabulário Ortográfico do Português e os recursos a ele associados, todos disponíveis de forma universal e gratuita, vêm fazer face às necessidades do público em geral e dos profissionais que têm por objeto de trabalho a língua portuguesa, para a redação dos seus documentos de acordo com a nova ortografia em vigor.

terça-feira, 09 fevereiro 2010 22:01

A Porto Editora disponibiliza VOLP online

VOLP da Porto EditoraA Porto Editora decidiu disponibilizar gratuitamente na internet, em 28 de janeiro, o Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa (VOLP), que foi publicado em Outubro de 2009 sob a orientação científica do professor João Malaca Casteleiro, e que pela primeira vez na história incluiu um contributo lexical galego.

O mesmo dia, a Academia Brasileira de Letras publicou na sua página web a 5 edição do seu Vocabulário Ortográfico, com mais de 381.000 verbetes, e que foi lançado em Lisboa na sessão interacadémica de 14 de abril, em que a AGLP apresentou o seu Léxico da Galiza.

Segundo Graciete Teixeira, responsável pelo departamento de dicionários da Porto Editora, «a disponibilização deste Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa ao maior número possível de cidadãos justifica-se pela sua relevância nesta fase de transição ortográfica». A administradora e linguista acrescenta que «tendo em conta o seu percurso e dedicação em prol da língua portuguesa, a Porto Editora assumiu a responsabilidade de elaborar uma obra desta envergadura e de a disponibilizar num formato de fácil acesso».

O VOLP é uma obra lexicográfica de referência, única no panorama nacional, e constitui um instrumento indispensável de consulta e de esclarecimento das dúvidas levantadas pela aplicação do novo Acordo Ortográfico. Este Vocabulário foi elaborado com a orientação científica de João Malaca Casteleiro, o representante da República Portuguesa que participou nos encontros que conduziram à elaboração do Anteprojeto de Bases da Ortografia Unificada da Língua Portuguesa e liderou a equipa técnica que assinou o Acordo Ortográfico em 1990.

A obra, agora de acesso gratuito na Infopédia da Porto Editora, permite pesquisar mais de 180.000 vocábulos representativos do vasto património lexical da língua portuguesa e oferece informações sobre a classificação gramatical, indicação de pronúncia, formas irregulares do feminino, plurais de compostos e outras indicações úteis. Além de todo o vocabulário geral disponível, são ainda pesquisáveis os estrangeirismos, as abreviaturas e os símbolos mais usados na língua portuguesa.

Mais info:

Aquisição do VOLP:

II Volume do BAGLPEntre outros textos, recolhe as intervenções no ato de inauguração da Academia Galega da Língua Portuguesa

Saiu do prelo, pelas datas previstas, o volume II do Boletim da AGLP, publicação de periodicidade anual editada em Santiago de Compostela. Este novo volume consta de 332 páginas e a seção relevante é a dos Estudos, seguida da dedicada a resenhas de Publicações.

Contudo, a seção Instituição tem, neste volume, particular importância, porquanto nela se recolhem as intervenções dos representantes das três academias, Academia das Ciências de Lisboa, Academia Brasileira de Letras e da nascente Academia Galega da Língua Portuguesa, no ato de inauguração desta, realizado solenemente em Compostela, o 6 de outubro do ano 2008. Foram palavras bem sentidas do escritor João Craveirinha e dos Prof.es João Malaca Casteleiro, da ACL, Artur Anselmo, da ACL, Carlos Reis, Reitor da Universidade Aberta de Lisboa, Evanildo Bechara, da ABL, e José Martinho Montero Santalha, presidente da AGLP. Salientável foi a intervenção, igualmente transcrita, do Ex.mo Sr. Xosé Antón Perez Lema, Secretário de Relações Institucionais da Junta de Galiza. Completa-se a seção com o currículo dos trinta académicos.

Na seção de Estudos podem ler-se artigos interessantes, a começar por o «Programa em Honra de Santiago», da autoria do saudoso Agostinho da Silva. Seguem textos dos Prof.es Evanildo Bechara, sobre «Machado de Assis e o seu ideário de língua portuguesa»; Adriano Moreira, sobre «A língua portuguesa e o Acordo Ortográfico»; João Malaca Casteleiro et aliae, sobre «Um Dicionário da Língua Portuguesa Medieval».

Pela sua parte, Anabela Brito Mimoso trata de gastronomia em «Comamos e bebamos porque amanhã morreremos»; Micaela Ramon comenta «Noites de Inês-Constança, de Fiama Hasse Pais Brandão»; Concha Rousia, da AGLP, analisa a «Mudança de narrativa linguística na Galiza»; Josep Conill apresenta a situação crítica do catalão no País Valenciano em «Três textos e um só discurso ou o peixe que morde a própria língua (I)»; Iolanda R. Aldrei oferece «Notas sobre uma conversa comprida com Jenaro Marinhas del Valle».

Os seguintes três artigos tocam a situação do português em Timor Lorosae (Regina Helena Pires de Brito, «Educação linguística e difusão do português em contexto timorense»), em Goa (Henrique Salles da Fonseca, «Pela rota da Índia») e na Olivença espanhola (Carlos Luna, «O português de Olivença»). Neste grupo pode incluir-se o artigo de Chrys Chrystelo, «Do genocídio linguístico à literatura açoriana de Daniel de Sá».

Beatriz Weigert, em «A Reescrita», aborda a criação literária de Nélida Piñon; Mário J. Herrero Valeiro submete a crítica o bilinguísmo em «Quando o bilinguísmo era bom»; Higino Martins Esteves, da AGLP, continua as suas «Pesquisas etimológicas». Da banda desenhada ocupam-se Xico Paradelo, da AGLP, et alii em «Para uma virtual edição da História da Língua em BD». Isabel Rei Sanmartim, da AGLP, oferece «Notas sobre quatro peças para guitarra do Arquivo Valladares» e Maria Celeste Natário reflete sobre «A saudade em Ramón Piñeiro».

Das resenhas apenas citamos a de Ernesto Vázquez Souza, da AGLP, sobre o Atlas Histórico da Galiza (de J. M. Barbosa, da AGLP, e J.M. Gonçales), a de Rui Lopo, «Um olhar sobre duas obras recentes ...», de tema "a saudade", e a de Isaac A. Estraviz, da AGLP, sobre o Dicionário Espanhol-Português, da Porto Editora, de que é Coordenador Álvaro Iriarte, da AGLP.

Para além, Isabel Moran, Carlos Quiroga, Isabel Rei e António Gil completam a seção.

segunda-feira, 26 outubro 2009 21:44

Lançamento do VOLP em Lisboa

VOLPA Porto Editora apresentou em Lisboa o dia 21 de outubro, no Padrão dos Descobrimentos, o Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa, sob a direção científica do professor João Malaca Casteleiro.

O ato, com grande sucesso de público, foi moderado pela Doutora Graciete Teixeira, administradora da editorial. Na introdução, o académico Fernando Cristóvão, da Academia das Ciências de Lisboa, salientou o contributo do professor Malaca Casteleiro, a necessidade e vantagens da aplicação do Acordo Ortográfico em Portugal, a importância da participação galega nos Acordos de 1986 e 1990, e a continuidade desta posição a favor da unidade da língua, através da Academia Galega da Língua Portuguesa. Entre os assistentes encontravam-se os académicos galegos Luís Gonçales Blasco e Ângelo Cristóvão.

Por sua vez, o professor e académico João Malaca Casteleiro explicou o processo de elaboração do Vocabulário, de forma aberta e detalhada, indicando os critérios que se seguiram, com exemplos concretos. O volume inclui mais de 180.000 itens, mais de 5.000 vocábulos do Brasil, mais de 800 palavras da norma galega do português, mais de 12.500 nomes próprios de pessoas portuguesas e lusófonas, cerca de 8.500 topónimos, cerca de 2.000 palavras estrangeiras de uso corrente, mais de 1500 abreviaturas, e mais de 2.500 elementos de formação de palavras. Não esqueceu agradecer o esforço da editora, parabenizando as responsáveis pelo Departamento de Dicionários, Ana Salgado e Sofia Rodrigues, presentes no ato.

Lançamento do VOLP

Trata-se do mais completo vocabulário geral editado em Portugal desde 1966, ano da edição de Rebelo Gonçalves, há muito tempo esgotada. A nova publicação, de conformidade com o Acordo Ortográfico de 1990, inclui pela primeira vez na história uma escolha do léxico de uso corrente na Galiza, quer na oralidade, quer na escrita literária, da responsabilidade da Academia Galega da Língua Portuguesa. Esta notícia foi adiantada pelo Professor Malaca Casteleiro no 8º Colóquio da Lusofonia de Bragança e no Seminário de Lexicologia da AGLP, realizado em Santiago de Compostela em 5 de outubro.

No mesmo Seminário, o professor Evanildo Bechara, da Academia Brasileira de Letras, anunciou a inclusão do contributo lexical da Galiza na próxima edição do vocabulário ortográfico da ABL, que poderá sair no prazo de 6 meses. Também o professor Artur Anselmo confirmou a inclusão do contributo galego na próxima edição do Vocabulário da Academia das Ciências de Lisboa, em elaboração.

Lançamento do VOLP

A Porto Editora é a maior empresa portuguesa especializada em dicionários e enciclopédias, com uma ampla quota do mercado escolar e profissional. Publica também coleções de livros escolares, literatura geral, literatura infanto-juvenil, e produtos multimédia.

Na sua página web mantém diversos produtos como o projeto de ensino Escola Virtual, e Saber Mais, um portal de e-learning para adultos. Na sua Infopédia, entre outros serviços, disponibiliza 16 dicionários, dos quais 2 gratuitos: os dicionários de língua portuguesa, com e sem acordo ortográfico. www.infopedia.pt

Português Exacto é um portal que disponibiliza um Conversor do Acordo Ortográfico (que converte texto corrido e/ou palavras soltas para a nova grafia), os textos integrais dos acordos de 1945 e de 1990 e o Guia do Acordo Ortográfico. Possui também um separador de Dúvidas Resolvidas, onde se encontram esclarecimentos para algumas das particularidades ortográficas e dificuldades da língua mais comuns e ainda um Analisador Morfológico, que apresenta a classificação morfológica de vários vocábulos.

Ver peça emitida pela SIC

Mais info:

quinta-feira, 17 setembro 2009 10:00

Desvendando a Galiza no Brasil

IFSCDesde o dia 14, e até ao 18 deste mês de setembro, a Galiza está a participar na celebração dos atos comemorativos do Centenário do Instituto Federal de Santa Catarina, Brasil.

A Academia Galega da Língua Portuguesa recebeu um convite para participar na forma que estimasse oportuna no 8º Didascálico que promove o Departamento Acadêmico de Formação Geral do Instituto Federal de Santa Catarina juntamente com o Grupo Teatral Boca de Siri.

A AGLP, representada polo Professor Joám Evans Pim, delegado oficial da Academia Galega da Língua Portuguesa no Brasil, oferecerá a palestra «A Galiza e a Língua Portuguesa» que terá lugar a quinta-feira, 17 de setembro às 17 horas no Auditório do IF-SC.

Por outro lado, o Clube dos Poetas Vivos, que em abril passado, durante o Encontro Açoriano da Lusofonia, assinara um protocolo de colaboração com a Sociedade de Poetas e Advogados de Santa Catarina, foi convidado para levar ao Brasil uma exposição de poetas da Galiza para participar nesta Semana Cultural. Poemas de 13 poetas galegas e galegos ficam expostos na mostra de poesia junto dos poemas dos e das poetas do Brasil.

A participação galega neste Didascálico foi tão aplaudida polo Instituto Federal de SC que fizeram cartazes especiais para salientar a presença galega: um cartaz para divulgar a palestra do Professor Joám Evans Pins e outro para divulgar um texto da autoria do Clube dos Poetas Vivos intitulado Carta da Galiza ao Brasil [1] e [2].

Cartaz da palestra «A Galiza e a Língua Portuguesa»

Mais info:

Apresentação na Crunha

Apresentação na Feira do Livro da Corunha

Isabel Rei Sanmartim - No crunhês bairro da Pescadaria, entre o Porto e a rua de Santo André, num extremo do parque de Mendes Nunes, lugar onde durante vários dias sediou a anual Feira do Livro da Crunha, decorreu o passado 10 de agosto a última das apresentações deste verão da Academia Galega da Língua Portuguesa.

O ato foi uma reivindicação do antigo galeguismo crunhês, hoje oculto pelas vidraças grisalhas dos edifícios das grandes fundações espanholas que tomaram o espaço antes destinado às relações comerciais entre os galegos do mar e da terra.

Aguardávamos no local das apresentações e não o víamos, mas o Atlântico batia no porto com a calma amortecida do oceano que chega mansinho à sua ribeira, sabedor de que um conjuro contra os defenestradores da Galiza estava argalhando-se não muito longe das suas ondas.

Começou o ato arredor das 20h45, uns quinze minutos depois da hora prevista, porque as apresentações anteriores rematavam com o recitado de sonetos, essas formas clássicas italianas da modernidade que aqui chegaram, à terra da lírica galego-portuguesa tão galega ela, tão incompreensível para aqueles que insistem em não nos entender.

E foi por esse motivo que o ato demorou até quase as dez da noite, depois das apresentações devidas realizadas pelo académico e minucioso investigador Fernando Vásquez Corredoira, que traçou a pouco conhecida para as massas, mas brilhante e fundamental linha de estudos dos académicos Ernesto Vázquez Souza e António Gil Hernández, co-autores da obra.

António Gil Hernández, Fernando Vásquez Corredoira e Ernesto Vázquez Souza

António Gil Hernández, Fernando Vásquez Corredoira
e Ernesto Vázquez Souza

O primeiro, que estava no bairro da sua infância, falou da Academia e lembrou os passeios com o seu avô, que foi quem lhe ensinou a arte de reclamar o que é nosso por direito de humanidade. O segundo, era o editor do livro que se apresentava, ainda não o disse? o Galiza: Língua e Sociedade, anexo I do Boletim da Academia, isto é, um produto mais da sua atividade em prol da terra que também é sua por direito, apesar de ele ser filho natural de Castela, facto que ainda nos honra mais aos naturais da Galiza e da Lusofonia toda.

E foi nisto em que estávamos, eu tirando fotos quase hiperativa, com as idas e vindas para diante, para trás, de dentro, de fora, o que me deu uma boa perspetiva do público: assistiu gente desconhecida, familiares e também antigos companheiros e companheiras de aventuras, da mesma cidade e de fora dela, reunidos dando vida aos espíritos galeguistas de outros tempos, emocionados (adverti) por ver os três amigos oradores, de gerações diferentes, defender com firmeza a revolucionária ideia da ação cidadã, de tomar nas nossas mãos o leme da história e fazer da nossa terra, nosso ser, ser nossa em reciprocidade necessária, inequívoca e apremiante.

Era o último evento do mês de agosto na agenda da Academia Galega da Língua Portuguesa e toque final a um percurso que nos levou a participar nas feiras do livro de Vigo e da Crunha, graças à colaboração da Federación de Libreiros de Galicia, nomeadamente de Antonio Fernández Maira, e a ajuda e interesse dos próprios livreiros, muitos dos quais nos ofereceram um apoio inestimável.

Não vamos esquecer a amabilidade de Xaime, da Andel de Vigo, por exemplo. Ou a calorosa acolhida na livraria O Pontillón de Moanha. A oportunidade da apresentação na livraria Orfeu, em Bruxelas. A grata visita que fizemos à Torga, em Ourense, ou as amostras deixadas na Couceiro de Compostela e da Crunha, e na Xiada, também da Crunha. E na outra Couceiro, a também crunhesa livraria M. Couceiro.

Estivemos no Festigal de Compostela, onde o livreiro Pedreira nos arranjou um local para mostrar a nossa produção, vender alguns livros e obsequiar outros. Mas, sobretudo, pudemos estar presentes e criar mundo, que ninguém dos que por lá passou deixou de levar informação suficiente para começar a sair do tobo alienante dividido em quatro províncias, esse galpão mental ou gaiola de quatro ferros que construíram para nós desde o longe.

E também alimentámos na medida do possível as bibliotecas da nossa base social. Por enquanto, nos centros sociais da Gentalha do Pichel, em Compostela, da Esmorga, em Ourense e da Fundaçom Artábria, em Ferrol podem consultar-se gratuitamente as publicações da Academia Galega e as atividades da Associação Cultural  Pró AGLP. Mas isto é só o começo, como dissemos um dia, logo haverá mais visitas a centros sociais e o espalhamento da consciência cívica terá ainda mais argumentos para se fortalecer e dar os frutos em terra própria.

A história faz-se cada dia, somos nós, sim, Nós, a fazê-la. O nosso tecido arterial está em expansão, como o universo, e as estrelas que levamos na frente ainda estão por dar os maiores e melhores cantares dos nossos bicos.

Galiza: Língua e SociedadeO Anexo I do Boletim, o livro GALIZA: LÍNGUA E SOCIEDADE, editado pela Academia Galega da Língua Portuguesa será apresentado também na Feira do Livro da Crunha.

A apresentação decorrerá o dia 10 de agosto, último dia da Feira, às 20.30h, com a participação dos académicos da Academia Galega Fernando Vásquez Corredoira, que apresentará e moderará o ato, António Gil Hernández, orador e editor do livro e Ernesto Vázquez Souza, orador e co-autor do livro.

Queremos agradecer de novo a colaboração do coordenador das feiras do livro, Antonio Fernández Maira, pelo seu apoio tanto na Feira do Livro de Vigo quanto agora, na da Crunha.

Este livro já foi apresentado na Livraria Couceiro de Compostela (14 de maio) e da Crunha (18 de junho de 2009), na Livraria Torga de Ourense o dia 17 de junho de 2009, na Livraria Orfeu de Bruxelas o dia 4 de julho de 2009, com visita ao Parlamento Europeu, na Feira do Livro de Vigo, dia 13 de julho de 2009, no FESTIGAL, dia 24 de julho de 2009 e na Livraria "O Pontillón" de Moanha, dia 24 de julho de 2009

O Galiza: Língua e Sociedade, junto com outros materiais editados pela Academia Galega da Língua Portuguesa podem ser consultados nos Centros Sociais da Gentalha do Pichel, em Compostela, d'A Esmorga, em Ourense, da Fundaçom Artábria, em Ferrol.

E também podem ser adquiridos nas livrarias Andel, em Vigo, Torga, em Ourense, Pedreira , em Compostela, Couceiro, em Compostela e na Crunha, Xiada, na Crunha e O Pontillón, em Moanha.

Pág. 25 de 26