Mostrando produtos por etiqueta: Folhas Novas

segunda-feira, 23 julho 2012 11:40

Academia Galega apresenta três novas publicações

A Academia Galega da Língua Portuguesa apresenta 2 novos números da Coleção Clássicos da Galiza: Folhas Novas e Proel e o Galo, e A música de seis poemas universais de Ernesto Guerra da Cal. O lançamento das três novidades editoriais terá lugar o dia 24 de julho às 17.45 em Santiago de Compostela, no Festigal (Campus Universitário).

Publicado em Info Atualidade
segunda-feira, 26 novembro 2012 19:41

Volume 4: "Folhas Novas" de Rosalia de Castro

Rosália de Castro: Folhas Novas

Folhas Novas
Rosália de Castro

Descarregar


Coleção "Clássicos da Galiza": Volume 4

Promove: Academia Galega da Língua Portuguesa. Rua Castelão, nº 27 - 15900 Padrão, Galiza

Edição: Edições da Galiza

Prólogo:

Editar os textos galegos de Rosalia de um jeito linguisticamente digno é condição prévia a qualquer pretensão de normalidade na cultura galega. Ela, a única figura universal da letras modernas galegas, ao publicar os Cantares Galegos, abrigava o propósito de fazer acordar as energias do povo desta terra.

Editados os Cantares segundo o Acordo Ortográfico do ano '90, fica o repto decerto maior de fazê-lo com as Folhas Novas. É um livro mais difícil por várias razões: o tom escuro, o heterogéneo dos assuntos, mas sobretudo por estar mais distante da lira popular e das suas andadeiras linguísticas, que dão a segurança de sintagmas tradicionais para paliar as eivas que os séculos inseriram no idioma.

Nos Cantares pouco custou emendar as escassas fendas que a mesma Rosalia percebia na sua fala local. Quase tudo foi uma questão de léxico. Mas ao se pôr a fazer poesia na língua do país, nas Folhas, sem ajuda da tradição lírica popular, viu-se obrigada a recorrer à técnica versificatória aprendida na escola castelhana, na que polira a língua familiar, a castelhana da Galiza, em que os setores dos bons recursos económicos viviam a mor parte da sua vida. Para dizê-lo mais breve, a língua das Folhas foi interferida pela ortoépia castelhana. A língua sofre sinéreses impossíveis em casos em que o português pede hiatos.

Os escrúpulos nesta ocasião foram maiores, mas o caso não admite delongas. Lembro o horror de professores de outras gerações ao insinuar a possibilidade de normalizar um texto sagrado, sentida como nefanda transgressão. Ora, se alguém quiser qualificar tal atividade como tradução, terá a liberdade de fazê-lo, e nós já temos a de tentá-lo com toda a alegria e também com o mais lídimo e verdadeiro dos amores a Rosalia.

(Higino Martins)

Ano de lançamento: 2012

Pode solicitar o Folhas Novas escrevendo para pro[@]academiagalega.org ou comprando diretamente na loja Imperdível

Publicado em Clássicos da Galiza