domingo, 19 outubro 2008 02:00

A nossa Língua floresce na Galiza

Concha Rousia 

Concha Rousia

A mim surpreendeu-me ver aquele homem de fato preto, camisa branca e laço de perfeito nó, que até me fez pensar num amigo que hoje não podia estar presente. O homem estava lá perto da entrada de São Domingos de Bonaval, sob uma chuva que não molhava seu incombustível cigarro. Olhei para ele, para a sua elegância que até a chuva, que a mim molhava, nele respeitava. Era uma manhã de pequenas pingadinhas a virem dar ao dia aquela sua prestância de galego. Sorri ao ver que até o tempo queria ‘ser’ connosco.

Ele reparou em que eu o via, e disse-me que estava já para entrar, que saíra apenas para ver a gente chegar, como nas romarias dalgum tempo... Eu aproveitei para lhe dizer que aguardava entendesse o nós termos depositado a coroa de loureiro aos pés de Rosalia; e ele disse-me que ele próprio a teria mudado para esse lugar se a nós tivéssemos deixado noutro.

Entramos, ele foi-se colocar lá à direita da coroa justo detrás do lugar que ia ocupar Martinho, o presidente da Academia Galega da Língua Portuguesa. E lá, de olhos bem abertos, permaneceu enquanto Martinho pronunciava o seu breve e intenso discurso para mostrar os devidos respeitos aos nossos antepassados; depois vi como fechava o seu imortal olhar quando soou a música de Eduardo Baamonde, Servando Barreiro e José Luís do Pico... 

Acabada a oferenda, e logo dos parabéns a Martinho, toda a gente se foi dirigindo ao Centro Galego de Arte Contemporânea, onde iam começar as intervenções dos oradores que hoje nos honravam com sua presença. Eu busquei-o para me despedir, pensando que iria ficar lá no seu lugar entre os galegos ilustres de Bonaval, quando o vejo encaminhando-se para a saída. Com minha olhada interroguei-o, mesmo sem querer; mas como imaginava eu que ele ia ficar, se viera para estar connosco, e lá onde nós formos ele iria...? Eu entendi isso bem.

Foi então que confessou ter gostado mesmo de como se tinha feito a oferenda, sem essas intensas luzes e câmaras das televisões, com os seus micros e cabos e gente a ordenar em tudo... Na intimidade da penumbra, tudo ficara hoje mais solene; depois pensei que me ia perguntar que como fora para a TVG não ter aparecido, que cada vez que espirra um jogador de bola vão lá sete câmaras a gravar... mas olhou-me e não perguntou, não perguntou porque sabia como eu me ia sentir. E eu agradeci aquele seu silêncio... vi que compreendia que na Galiza terrenal algumas cousas continuavam como noutros tempos, ou pior até...

Caminhamos juntos, embora a gente me visse a mim sozinha, com as minhas roupas negras, apropriadas para o lugar no que estávamos... eu não me podia vestir de nenhuma outra cor, nunca antes participara numa oferenda aos nossos ilustres antepassados... Sentia-me feliz de tão honrosa companhia, mas asinha o perdi de vista, e julguei que ao ver a quantidade de gente teria mudado de ideia, e teria voltado para o panteão. Uma doce saudade se quis pousar em mim mas olhando para o painel de oradores a saudade desapareceu a escape; no seu lugar veio uma leve preocupação polo que hoje se iria dizer e não dizer, tingida pola esperança ao ver um público efervescente, a abrir os exemplares do primeiro Boletim da Academia que lhes fora oferecido ao entrarem.

Sentei-me na primeira bancada, reservada para académicos e académicas e algum convidado que pediu se lhe reservasse um lugar na primeira fila, senti mágoa por não ver o meu interlocutor de antes entre nós. 

As palavras do Ângelo inauguraram a palestra, falou como o sereno anfitrião que ele é; dando as bem-vindas a todas e todos e continuou com a apresentação dos oradores.

O primeiro em falar foi João Craveirinha, um escritor a quem tenho a honra de contar entre os amigos. Com ele chegou a nós a força do abraço, não só de Moçambique, mas sim da África inteira que a nossa fala entende. Foi breve, generoso com o tempo e as palavras, não esqueceu que estava ante um povo colonizado; sabendo ele o que isso é soube se pôr no nosso lugar. Obrigada.

O seguinte na palavra foi o Professor Malaca Casteleiro da Academia de Ciências de Lisboa; amigo a quem todos conhecemos, respeitamos, e sentimos cercano, e se me permitem dizer, nosso; nem precisa dizer muita cousa para todos e todas sentirmos o calor de seu apoio. Portugal hoje estava bem representado. A seguir falou Artur Anselmo, Vice-Presidente da Classe de Letras da Academia de Ciências de Lisboa, que nos ofereceu as, por nós desconhecidas, palavras de Agostinho da Silva, palavras que ele denominou de proféticas para a Galiza e os galegos. Talvez a algumas pessoas lhes pareça que a sua mensagem pode levar-nos é a pastorear sonhos; mas nem que assim fosse nós agradecemos... agradecemos porque temos demasiada gente à nossa volta a querer-nos fazer cair em pesadelos horríveis. As palavras de Agostinho da Silva são testemunha do que foi a Galiza como povo, e quem vai ser, quem ainda a Galiza é... mesmo que muita gente fique adormecida a aguardar por um sonho que os faça acordar, porque é só dos sonhos que se acorda.

Também de Portugal, Carlos Reis, Reitor da Universidade Aberta, a quem alguns de nós tivéramos a fortuna de ouvir falar o passado 7 de Abril na Assembleia da República Portuguesa em defesa do Novo Acordo Ortográfico, e fora também esse acordo o que levara a Delegação Galega a Lisboa... Aquele dia na grande sala da Câmara da Republica eu me sentira mais distante dele, talvez por ser a primeira vez que eu estava lá, e aquilo me impressionava; ou talvez porque Carlos Reis falara fundamentalmente para portugueses; mas hoje em Compostela falava para nós, para os galegos e galegas e falava também para Guerra da Cal, amigo e mestre que sementou nele os sonhos da Galiza galega.

Ângelo, com o seu firme sigilo, deu a seguir a palavra a Evanildo Bechara, da Academia Brasileira de Letras e grande amigo da Galiza. Pouco precisa ele dizer para comunicar que fica e ficará do nosso lado. Depois falou para defender o Novo Acordo Ortográfico das críticas ultrajantes que se levam vertido... Ele, com o seu tolerante talante foi desmontando as fachadas daquelas aparentes críticas, mostrando logo que todas careciam de fundamento. E do Brasil passamos à Galiza, e atrás do professor Bechara falou Xoán Antón Perez-Lema, secretário Geral de Relações Institucionais da Vice-presidência da Junta da Galiza. Difícil encontrar palavras que transmitam a força que senti sair de sua mensagem...

Por primeira vez em muito tempo, talvez por primeira vez desde que temos governo na Galiza, sentimos, acho que maioritariamente, que tínhamos ante nós o nosso representante... que se importava por nós, se importava pola Galiza a que não podemos deixar sumir na Ibéria Hispanófona. Perez-Lema falou duma Galiza que encontrará o seu lugar na Lusofonia, onde poder ser o pais que ela é. Eu olhei para trás por um instante, queria talvez comprovar que nos rostos das demais pessoas havia a mesma luz que eu sentia na minha... E qual não seria a minha surpresa ao ver de novo ao amigo que eu julgara ido para o seu lugar de pedra em Bonaval. Lá estava de pé entre o público, com sua elegância e seu cigarro, ainda bem que ninguém parecia ver o fume... Foi ai que reparei que não estava sozinho, como ele havia mais gente que eu não tive tempo de reconhecer, não podia ficar a olhar para trás; e não foi até que falou Martinho que eu pude ver quem eram os outros que estavam com ele...

Martinho, o primeiro presidente da Academia Galega da Língua Portuguesa, procedeu com seu discurso... os agradecimentos, os propósitos, e o percurso histórico... foi citando aos nossos predecessores que muito deram pola nossa Terra, alguns mesmo a vida... e foi lendo palavras deles, todas tentaram acercar a Galiza à Lusofonia, ao lugar de seu; com cada geração nos tínhamos acercado mais um bocadinho, embora a situação dentro da nossa Terra não tenha melhorado muito. E aqui estava mais um passo, a AGLP é mais um passo, definitivo sim, mas um que precisou de todos os anteriores... precisou de Rosalia, de Murguia, de Risco, de Otero Pedrayo, de Pondal, de Castelao, de Carvalho Calero, de Marinhas, de Lapa, de Guerra da Cal... Martinho foi lendo citas de cada um deles e eu, olhando de esguelho, vi como, à vez que Martinho citava as suas palavras eles as falavam, num acto de reafirmação... depois começaram a debater entre eles sobre o que teria sido se tivessem podido seguir adiante com a Primeira Academia concebida... a que presidiria Murguia, e levaria a Galiza à Lusofonia em pouco tempo... Porque eles viam que desde aqueles tempos se leva andado muito por caminhos errados...

Mas o de hoje era um passo no que Galiza se aproximava de si própria; um passo na direção da Galiza; um passo na direção contrária da “Galicia”, porque dizer “Galicia” é uma forma de não dizer eu sou, e hoje nós queremos é ser, e somos Galiza. O discurso de Martinho foi, de todos os pontos de vista, impecável; todos e todas estávamos com ele, e eu acho que por um momento se parou o tempo... Martinho calou e falaram as palmas prolongadamente... A sala inteira pôs-se em pé.

Atrás das intervenções da manhã veio uma pausa para o café, os saúdos aos presentes, os apertos de mãos, as trocas de endereços electrónicos, os cartões...

Depois veio o silêncio, um silêncio no que Isabel Rei desenhou com as cordas da sua amiga, a guitarra, a beleza do nosso sonho... Deu-la-deu, a suite para guitarra que Rudesindo Soutelo criou e dedicou à AGLP. As imagens saltavam das cordas, que magicamente tangia a Isabel, para as nossas mentes... Primeiro o desassossego do assédio à fortaleza seguido da fome que impinge a rendição, e logo a oferta de pães ao inimigo, que levou a desistência do cerco, para finalmente nos elevar com o triunfo incruento da estratégia.

Todos nos deixamos levar pola música, sentindo a força do abraço da união dos nossos hinos. Rudesindo, Isabel, e a Guitarra, ocupavam agora o centro do cenário para serem eles a receber a retribuição do público por sua arte... Finalmente Isabel nos presenteou com sua interpretação de três obras inéditas de Marcial Valladares. Antes de rematar a manhã cantamos, acompanhados pola gaita e a percussão, o nosso hino; brasileiros, portugueses e africanos, acompanhavam lendo as palavras de Pondal nas páginas do Boletim da AGLP. Só eram as duas e meia e o dia já estava ganho... mas ainda havia mais...

O jantar foi no Dezasseis, um número incerto, entre sessenta e setenta pessoas, foi ocupando o andar de acima que o restaurante tinha reservado para nós. Todo disposto aguardou a nossa ordem para começar, tudo a seu tempo... e a frase no ar “pedi o que desejeis”. Começando pola empanada da casa, os pimentos de Padrão, o revolto de cogumelos, o polvo à grelha... o vinho Ribeiro e Mencia a fartura, depois o bacalhau e a carne, a doce sobremesa, o licor de cafe, de ervas... e a conversa; todo envolto na conversa... algumas ausências involuntárias e muito sentidas, alguma outra voluntária e insuficientemente notável como para ser sentida, não nesse dia. O Dezasseis hoje convertera-se na nossa casa, até me fez lembrar daqueles casamentos que se faziam nas aldeias, onde todos os convidados, mesmo os que não eram conhecidos, e vinham de outras partes, eram queridos...

O café veio às pressas porque as portas do Reitorado iam ser abertas para nós. Elias Torres ilustrou-nos sobre a história e os tesouros de Fonseca, que passa para mim a ser real, e deixa de ser para sempre uma canção da tuna universitária. O final da visita deixou-nos nos cómodos e moles assentos da sala nobre do reitorado, onde os sonhos irremediavelmente, dada hora e o cansaço, se trançaram com as vozes dos poetas: Pedro Casteleiro, Irene Veiga, Celso Alvarez Cáccamo, Mário Herrero, José Manuel Barbosa, Artur Alonso Novelhe, João de Bonaval, Alberte Corral, e eu, Concha Rousia. A poesia nos fez, mais uma vez, lembrar que nós vimos de longe, e estamos cansados, sim estamos algo cansados, mas rendidos não estamos. Depois de ler as palavras dos nossos antepassados poetas, lemos cada um de nós um poema de nossa autoria; e lemos também um de Rui Mendes e outro de Belém de Andrade, que não podendo estar presentes pediram, se possível, ser lidos.

Agora tínhamos uma hora livre; alguns foram até ao hotel, outros até à Gentalha do Pichel. Eu fui a casa buscar a minha filha. Ângelo foi buscar sua família para a ceia na que íamos homenagear três queridos professores; Artur Anselmo, Malaca Casteleiro e Evanildo Bechara.

Mas antes da ceia vieram as canções do Orfeão “Terra a nossa”, eu cheguei com Nerea quando soava a Negra Sombra, ouvimos desde o corredor lateral, aguardando as palmas para entrar. Estava ateste, apenas uns assentos livres nas últimas bancadas. Logo veio mais música galega e portuguesa, uma peça de João Trillo, e peças brasileiras, eu adorei como se ouviu o Samba, e logo mais música galega... Da praça de Maçarelos, onde se encontra a Igreja da Universidade, que se não dedica ao culto e sim à cultura, fomos para a Praça das Penas onde se encontra o restaurante, “Garum”.

A ceia foi uma delikatessen, o restaurante abrira só para nós, como o andar do Dezasseis na hora do jantar... Durante a sobremesa entregamos umas prendas de Sargadelos aos nossos homenageados: Martin Codax, Mendinho, e o João de Cangas... os nossos trovadores... O convívio foi entranhável, galegos, brasileiros, africanos e portugueses misturados... A mim, hoje, ao lembrar fica-me uma frase viva na memória, uma que o Mário repetira, pronunciada por Wellington ao ver como eram os galegos: “Espanhóis, dedicai-vos a imitar os inimitáveis galegos” Na emoção com que o Mário a repetira havia orgulho, talvez decepção e algo de raiva, mas também esperança. Talvez porque, tal como ele disse, mesmo sendo na atualidade só a sombra do que fomos, ainda continuamos a ser inimitáveis, e capazes de fazer cousas incríveis...

A noite levou-nos, lá para as duas da madrugada, de volta às nossas casas e hotéis. Que curta se fez!

De manhã muitos foram-se a caminho de Lisboa e alguns de aí ao Rio de Janeiro. Aqui ficamos os galegos e o amigo Craveirinha, ate à quarta-feira para percorrer Compostela e se encher do ‘ser galego’. Essa mesma tarde passeou com alguns de nós, e minha filha Nerea teve ocasião de aprender da vida com metáforas africanas, ela deixou-se ver como um elefantinho, a fugir dos leões, que aqui na cidade eram os carros...

Na quinta de manhã foi-se João Craveirinha, o último de nossos convidados; eu acompanhei-o a Chaves. Quanto lá chegamos ele ouviu falar a gente e disse: “São galegos, eles são galegos, eles falam como tu...” E é verdade, a Lusofonia é ampla e há muitos sotaques diferentes; ora, as gentes desta comarca falam como eu; eu já sabia isso, ou devia tê-lo sabido... mas neste novo contexto da Academia, e sendo observado por um Africano de Moçambique que já tem morado no Estado Espanhol, cobrava um novo sentido.

Agora, logo de toda a minha vida, alguém vinha dar por isso, porque eu, e quem diz eu diz qualquer pessoa desta Raia Seca, falamos igual, apenas muda um nada o sotaque polas influências centralizadoras dos dous Estados aos que uns e outros pertencemos. À minha cabeça veio a primeira vez que alguém me tinha dito que aquilo que eu falava, e que chamávamos galego, "era um idioma", também para isso houve uma primeira vez. E lembrei a minha tia Cândida a dizer... “e que seica que agora o Galego já é idioma” Eu pensei o mesmo que penso agora... é que antes por acaso, não o era?

Compreendi, polas teorias nas que eu acredito, que somos não só o que somos, mas sim o que nos dizemos que somos nas nossas narrativas: hoje nestas nossas narrativas dizemos que somos Lusofonia... com as nossas peculiaridades, com a nossa história, até com os nossos medos e o nosso orgulho, somos Lusofonia.

Fonte original:

Publicado em Sessão Inaugural
Concha Rousia
Concha Rousia

Portugal está pechado
c’uma chavinha de vidro
se essa chavinha se perde
Portugal fica perdido.

Da Brasileira fomos ao restaurante guiados pola mocidade de AGAL de Lisboa, éramos vinte, três ou quatro éramos portugueses, outros éramos os que chegáramos o dia anterior, outros éramos galego-portugueses simplesmente. Foi um jantar-ceia inesquecível: as caipirinhas, o picadinho mineiro, o sorvete de maracujá, o café, de novo o café... Mas o café só veio ao final; antes vieram as apresentações, que foram ideia do Alexandre, que ia anotando os nomes num livrinho pequeno...

O primeiro em falar foi Antonio Gil, e a seguir fomos um por um despindo nas palavras e nos risos e brincadeiras tudo o que éramos e o que não éramos. Foi uma festa... um convívio entranhável, que fez com que a cama tivesse que aguardar por nós... E de novo o metro, linha azul, depois amarela; entramos no hotel lá perto das duas da madrugada, mas o corpo ainda não nos pedia cama, não... 


Ceia AGAL


Nós, caros e caras que estais a ler esta crónica, sentíamos a necessidade de saber de vós, de saber que vós sabíeis que tudo fora bem; foi nesse instante que eu entendi o argumento sobre a necessidade da Trindade que exprimira Xavier quando íamos a caminho de Lisboa... “Se Deus é amor, necessita amar, daí a necessidade do Filho, mas para que tenha existência real, a cena necessita ser contemplada por um terceiro: o Espírito Santo...”

Não estou a dizer que vós fosseis o Espírito Santo, mas isso é exactamente o que estou a dizer mesmo... Nós tínhamos falado, e tínhamos sido ouvidos, mas para nós saber isso, para que isso fosse realmente certo, nós necessitávamos a segurança de que vós nos tínheis visto. O portátil do Ângelo não nos dava para conectarmo-nos à rede desde os quartos por causa de um antivírus de última hora, e foi a net de moedas, como as antigas cabinas de telefone, que nos permitiu vermos-nos, vermos-nos através de vossos olhos...


Ceia AGAL


Nunca esquecerei a imagem do hall do hotel... lá na esquina Martinho não cessa de meter moedas para que a máquina nos siga mostrando o PGL, eu que ficara preocupada porque a minha câmara se tinha parado no minuto três da intervenção de Alexandre fiquei de boca aberta ao ver que já lá estava no portal... parecia uma miragem.

Aos poucos a gente foi indo para a cama, eu fiquei de última esgotando os minutos que restavam por gastar na cabina-net. Abri meu correio. Tinha uma mensagem de Selmo Vasconcellos, que me avisava de que no número 51 de “O Rebate” revista que ele dirige em Porto Velho (Rondônia), saíram seis poemas meus. Pareceu-me um bom sinal receber aquela mensagem vinda do Brasil em Lisboa; a noite não podia ter melhor final para mim.

Na máquina esgotaram-se os minutos. Fora seguia a chover; quando já me ia, o guardinha do hotel desejou-me boa noite e falou-me de que antes chovia no Norte e agora chovia em Lisboa... Quem sabe este guardinha não seja do Norte, desses que nós enganávamos nos nossos jogos; quase quis perguntar mas vi que tinha cara de muito falador e simplesmente lhe respondi ao da chuva, os dous concordamos com que o tempo anda com o de acima para abaixo...

De manhã no pequeno almoço acabamos de organizar as actividades nas que já tínhamos falado nos dias anteriores... e que já agora, não incluíam uma visita pausada e afectuosa a esta cidade que nos dava o que tinha: sua alma. Em muitos momentos eu senti a necessidade de pedir perdão a Lisboa por não a poder visitar como ela, senhora que é, merece; mas prometi-lhe voltar...


Subir ou descer


Os trabalhos foram repartidos muito bem, escritórios para visitar, documentos para apanhar, embaixadas que informar... e num par de horas no hotel para outra sessão de trabalho. Foi uma jornada muito frutífera; ficamos satisfeitos com os planos de futuro, que já são pressente; julgamos que encontramos alguns aliados que nos vão ajudar no cuidado dessa chavinha de vidro que nos abre as portas da Lusofonia. De novo almoçar para ir depois a visitar a Academia de Ciências de Lisboa.


Indo à Academia das Ciências de Lisboa


A cita era as 16:30, e era com o Presidente da Academia, o Dr. Adriano Moreira. Fomos de metro, de novo a linha amarela e a azul... Chovia, íamos partilhando os guarda-chuvas como partilhávamos nossos destinos, e nossos encantamentos de como todo ia saindo... Desde a parada Baixa-Chiado fomos a pé até a Academia... esses foram os escassos momentos com luz de dia que andamos algo pola cidade, mas sem parar de andar... Chagamos.

O senhor Presidente da Academia recebeu-nos como membros da Academia Galega. Um senhor com saber diplomático; sentado entre o Ângelo e o Alexandre manifestou interesse por nós, pola nossa Academia, polas futuros relacionamentos, pola Galiza... no plano mais pessoal ao final nos disse que ele era de Bragança, por tanto vizinho do Norte; rematou a reunião e antes de nos ir embora mostrou-nos a biblioteca...


 Foto-reportagem Academia das Ciências de Lisboa
(08 de Abril de 2008 | Fotografias: Ângelo Cristóvão)


Impressionante, por dizer alguma palavra. Tiramos fotos dos tesouros linguísticos e da estância. Era hora de partir... Lisboa parecia querer-nos pegar nos pés, mas havia muita distância que percorrer. Voltamos ao lugar do carro, fomos às compras de última hora... Eu tinha uma encarga, só uma...

Quando o domingo sai de casa minha filha disse: trai-me ovinhos moles de Aveiro. E eu fui a procura disso, e de umas revistas das Winx, que ela adora. Na livraria tivemos que tirar uns dos outros porque os livros nos prendiam... parecíamos esfameados que sabiam que apenas tinham uns momentos e depois a estrada os separaria desta liberdade de escolher leituras. Trouxemos connosco dicionários e outros livros, e eu ainda entrei numa loja para trazer vinho do Douro...

O caminho de volta foi igual de intenso que o de ida, as conversas, agora depois de tantas horas juntos até tínhamos a sensação de nos conhecer melhor, como de toda a vida... Paramos nas beiras do Porto para comer um bocado e compramos a imprensa. Lá por volta das duas da madrugada chegamos a Padrão depois de passar por Pontevedra; ainda ficavam Compostela e Corunha a aguardar por alguns de nós.


De volta de Lisboa


Esta viagem saciou-nos de tudo o que nos leva faltado durante tanto tampo, saciou-nos com respeito por nós, por nós ser o que somos; isso que se nos nega na nossa própria terra e que Portugal, desta vez muito generoso, nós ofereceu, e por uns dias nós fez sentir o centro do universo. E nós, guerreiros e guerreiras contra o silêncio e o esquecimento, prometemos cuidar da chavinha de vidro, que nunca, nunca vamos deixar partir...

Publicado em Info Atualidade
Concha Rousia 
Concha Rousia

- Mas que há de novo lá por Lisboa?
- Coisa má nenhuma, somente ouvi dizer que o mar se volvera papas...

Partimos de Padrão, dai fomos a Pontevedra, onde se uniu a nós o quinto ocupante do carro. Martinho mostrou-nos o ponto exacto onde mataram Alexandre Bóveda. Sentimo-nos muitos no carro, mais dos que éramos, e éramos muitos...

O trajecto até Lisboa foi um fio de palavras. As conversas foram connosco, o já feito, o por fazer... O cansaço tomou logo conta dos corpos, paramos, Ângelo pode assim descansar os olhos enchendo-os de verde em lugar do negro do asfalto. Tiramos a primeira foto. Eu lembrei-me, como é meu costume, de todos os que estavam connosco sem estar... entre eles Rosalia, entre eles Bóveda, entre eles a minha mãe a me ensinar o cantar da joaninha:

“Voa joaninha voa, que teu pai vai em Lisboa, e vai-che traguer pão e cebola...” –deves repetir até que a joaninha voar...  


A caminho de Lisboa


E a canção do “Malhão” que eu sempre julguei era galega e depois foi que aprendi que o não era. Aqueles foram tempos em que eu vivia de verdade imersa na lusofonia... e as nossas casas feitas polos castrejos de Castro Laboreiro, e o senhor João, e o Freitas que traz café, sabão, e as duas mulherinhas de olhos gázios, mãe e filha, a nós trazer os panos de cozinha, os refaixos, e as toalhas, e a feira de Santos de Montalegre... e os bois, e a chega, e subir as calças, e os guardinhas sempre a perguntar:

- Mas que há de novo lá por Lisboa?
- Cousa má nenhuma, somente ouvi dizer que o mar se volvera papas.
- Mas isso não pode ser...!

E atravessar um lameiro e do outro lado é Portugal... “Mas como pode ser isso?” De crianças procurávamos entender o que era a fronteira; depois fomos aceitando que era invisível, que era algo no que se falava, algo que nos obrigava a ir classificando tudo...

A canção do Malhão é portuguesa... A da Carolina é galega. Eram tempos sem televisão, e as rádios, como nós, também não aprenderam a parar suas ondas em raias imaginárias e nós sentíamos Montalegre ali pertinho. É estava mesmo.

Hoje o mundo recoloca-se todo dentro de nós e as conversas vão servindo de apoio a este processo que vai tendo lugar em cada um de nós... e o acordo do 86, e o do 91, e os que chegaram a Lusofonia pola via do estudo e a análise profunda, e os que simplesmente nascêramos ali, e depois se nos arrancou para nos transplantar na Hispanofonia... Eu fui desses que não chegaram a prender; e hoje mentes o carro vai bebendo os ventos que nos falam do futuro, vamos abraçando naquinhos esquecidos do nosso passado... E como sempre, era à terceira que os guardinhas eram enganados...

- Mas que há de novo lá por Lisboa?
- Coisa má nenhuma, somente que quando eu vir, vi como a gente toda, grandes e pequenos, homens e mulheres, iam com colheres a correr para o mar....
- Aió, pois olha que vai ser certo que o mar se volvera papas...!

E os guardas do nosso jogo corriam também para o mar, e a raia era livre e nós passávamos de um lado para o outro vencedores ao final.

E chegamos a Lisboa; ao pouco tempo veio o Estraviz e Manuela, e depois Alexandre e Margarida; Joel ligou para nós, ao telefone de Ângelo, e combinamos para o dia a seguir, o dia da Assembleia da República. E lá estava eu, começara enganando a uns guardinhas há perto de quarenta anos e agora era eu a que viera até Lisboa com a minha colher. Era tarde, mas ainda levávamos trabalhinhos para ser acabados no silêncio dos nossos quartos. Foi um momento no que eu agradeci todos os conselhos que me foram dados. Dormimos.

De manhã, logo de um pequeno almoço, ao que, a meu modo de ver, o nome não lhe liga nada bem, fomos para o Palácio de São Bento; uns de metro e outros no carro de Margarida para carrejar os livros; já lá estavam Teresa e Rodrigo. Fomos os primeiros em chegar, os galegos e galegas chegamos mesmo antes de que se abrissem as portas.

Éramos onze em total, todos convidados pola Assembleia. Todos respeitados como membros da Lusofonia, e assim nos receberam, e assim no-lo fizeram sentir também os primeiros portugueses que foram chegando, reconhecendo aos mais velhos entre nós, falando em encontros passados, e fazendo sonhar aos mais novos com um dia ser assim reconhecidos polos que hoje aqui encontrávamos.

A manhã começou a ir deixando passar os oradores. Abriu a sessão o Presidente da República; a seguir falou o presidente da Academia de Ciências de Lisboa; depois veio Bechara e o abraço morno do Brasil; falou também o representante de São Tomé e Príncipe; e finalmente, com uma energia que se fez notar, fechou esta sessão a Presidenta do Instituto Internacional da Língua Portuguesa (CPLP).

Antes de a gente ir a almoçar, os corredores se encheram, as mãos se encontraram, os cartões e os livros mudam de lugar, os sorrisos, os jornalistas, as televisões, o descanso, a imensa escalinata, o bacalhau, o vinho verde, a sobremesa e o café, ai o café... o café aqui é outra cousa, o café aqui é “o café”...

De volta na nobre sala continuou a jornada. Falou o primeiro dos convidados, Vasco de Graça Moura, que não soube estar a altura de si mesmo, talvez por ele se saber perdedor antes de abrir a boca. Atrás dele falou Carlos Reis, que o derrubou com a primeira frase, e continuou a falar com palavras e com suas mãos e com seus olhares vivos e sinceros, e com verdades... e no momento da pausa todos o quiseram cumprimentar e nem foi possível para todos conseguir isso. Na pausa voltaram as conversas e os abraços e os irmãos que nos chamaram de irmãos... sim, definitivamente, por incrível que pareça, o mar se volvera papas e eu fora lá convidada.

A pausa foi breve e pronto voltamos todos à sala. A mesa estava agora integrada polos representantes dos diferentes grupos parlamentares, e ante eles falaram todos os da audiência que tinham turno para isso. Começou a sessão Malaca Casteleiro. Ele estava sentado do lado dos galegos, junto dele estava Bechara, e o outro dos três daquela bancada era Estraviz; eu tive o privilégio de tirar a foto. Lá permaneceram os três, eu lembro ter pensado que nem sempre é por acaso que o destino junta a gente.

Atrás de Casteleiro falaram o resto de oradores; todos se foram alinhando com o discurso de Carlos Reis e o apoio ao acordo ortográfico, com alguma excepção, como a do livreiro que parecia magoado por ter que destruir tanto livro como há na norma antiga... e ele não reparou em que isso nunca se tem feito ao longo da história, se isso se fizer poucos livros de valor haveria nas bibliotecas das Academias; mas enfim, ele falava em nome dos livreiros...


Alexandre Banhos na Assembleia da República


Finalmente chegou a nossa hora, a hora dos galegos... Eu estava sentada no meio, equidistante entre Alexandre e Ângelo, os nossos oradores; agora era a nossa voz que ia encher a sala. Primeiro falou o Alexandre, e todos falamos com ele; depois falou o Ângelo, e todos falamos com ele.

Falamos bem e fomos cumprimentados depois, saudados, parabenizados, e até talvez por algum, temidos, os galegos... Nós, contentes, nossa pertença a Lusofonia tornara-se o que tinha que ser: óbvia... Não podemos saber aonde poderemos chegar, sabemos é que lá chegamos, e sabemos que vínhamos de muito longe e não nos vamos precipitar agora que estamos mais perto... Nós entraremos onde quer que tenhamos de entrar...


Ângelo Cristóvão na Assembleia da República


Como lhe dizia o Ângelo ao representante do PCP “Os galegos entramos na Lusofonia pola porta grande” E eu reparei que as portam eram muito grandes, e como no conto dos guardinhas, que deixavam o passo livre, estas portas foram abertas para nós passar... E nós passamos, e nos sentimos em casa, aquele espaço era nosso.

Com o final da tarde vieram as despedidas e os planos de futuro. Mas o dia ainda não ia acabar ai para nós que estávamos sendo aguardados no Baixo Chiado, lá na Brasileira, polos membros de AGAL de Lisboa que nos prepararam uma festa que coroou um dia que nascera republicano... Na porta da Brasileira, sem medo da chuva que nos seguira até Lisboa, tiramos nossas fotos com Pessoa, mesmo parece que levava muito tempo a nos aguardar... (a seguir)


Na Brasileira

 Fonte original:

Publicado em Info Atualidade

ABL e RGPL

Por Concha Rousia

A verdadeira viagem não acaba nunca, e muito menos acaba quando o corpo regressa ao lugar de partida. O meu corpo chegou no dia 12 de Abril, e desde esse dia até o 22 esteve a gravitar por algum lugar afastado de minha consciência. Hoje, dia 22, acordei e vi que tudo estava no seu lugar. Beijei minha filha, ouvi cantar o galo da Amaia, e abri as Memórias Inventadas de Manoel de Barros. Bendigo hoje esse nome, ‘Manoel’, com ‘o’, que normaliza os meus amigos da infância e naturaliza as minhas falas.

Os passos foram: Santiago, Vigo, Porto, Lisboa, Brasília, São Paulo e Rio de Janeiro, e ainda depois Santa Catarina. Até chegar ao Rio irei por atalhos, pois esta parte da viagem já foi magnificamente contada por Isabel Rei. Chegamos a Brasília como parte da Comitiva Oficial dos Colóquios da Lusofonia, com a chegada do sol. O primeiro café e a cor do ouro nas notas de vinte reais fizeram acordar em mim as mitologias herdadas dos tempos dos avós. A humanidade nos rostos e a grandeza na paisagem marcaram a chegada a um mundo imenso... com a emoção de finalmente me sentir nos braços do Brasil... onde a erva retém a cor da minha infância, e a minha infância vem assim se reencontrar comigo. Percebo que há muito de mim que vai ficar aqui.

Sinto-me em casa, agora que aqueles espanhóis do avião pararam de gritar, noto como este mundo me completa. As árvores piscam suas pétalas para mim. Estou contente, embora carrego uma mágoa... a Galiza vai velhinha, e sem dúvida, vai doente, pergunto-me se nos dará tempo a que o Brasil nos reconheça... ele é tão grande que eu não sei se notará a nossa presença...

De Brasília o atalho, que não era tal, passa por São Paulo. No aeroporto vi duas mulheres que tinha conhecido no passado, só que não saberia dizer se eram índias ou se eram emigrantes das beiras do Minho que seguiam a levar vestimentas antigas e pretas como as minhas... Compreendi que estava no mundo mais amplo e mais profundo dos que já tinha visto... um mundo que reborda vida e energia, onde as emoções e as flores se misturam nos olhos que aprendem a medir hoje distâncias infinitas... um mundo que semelha não caber em si mesmo e porém pode, ao mesmo tempo, acolher os outros todos... Uma paradinha na Estação da Luz permitiu-nos ver o museu da nossa língua... polo caminho uma pessoa à nossa frente perfumava o ar com sons brasileiros da nossa fala... A visita ao museu foi breve, intensa, saí convencida de ter visitado o templo da minha única religião... onde a luz se fez poesia.

ABL e RGPL

Na volta ao aeroporto, com um taxista nordestino que merece menção por nos ter oferecido um curso acelerado de brasileirismo, atravessamos o rio Tietê, que avança para seu destino distanciando-se do mar, a caminho de Minas Gerais, achei que nesse rio havia uma mensagem para esta viagem, mas guardei-a sem abrir... Essa mesma noite deixamos São Paulo para ir dormir a Copacabana. Chegamos tarde, apenas com tempo para comprovar que nas malas continuavam os papéis com o discurso do dia seguinte na Academia Brasileira de Letras. No dia 29 o Professor Malaca Casteleiro, Chrys Chrystello e eu, almoçamos na Academia com Marcos Vilaça, o seu Presidente, o Professor Evanildo Bechara e outros académicos.

As instalações desta centenária instituição combinam, harmoniosamente, funcionalidade e classicismo. Tudo em sintonia com o que representa o Brasil. O almoço transcorreu num ambiente de elegância, sem excesso de formalismo, o que fez sentirmo-nos em casa. Antes da comida vieram as palavras de Marcos Vilaça, a nos dar as boas vindas e nos fazer entrega da medalha da nobre Academia, na que figura em relevo Machado de Assis. As conversas entre os ires e vires ao bufete, até chegarmos ao bolo pernambucano, obra de arte em forma de sobremesa, facilitaram o contato entre todos os assistentes.

Às duas fomos para a sala de conferências onde os assistentes estavam a chegar. Começamos pontualmente, abrindo com as palavras do Presidente, e as do Professor Bechara, coordenador da jornada. Eu fui a primeira no uso da palavra. Foi emocionante, era a minha voz a falar, e era eu, mas não era eu, éramos todos e todas os que nos sentimos sempre ‘nós’ dentro da palavra ‘eu’... mesmo o público era comigo. Lá entre os assistentes, para além da companheira Isabel Rei, os colegas dos Colóquios da Lusofonia, e os académicos da ABL, reconheci três rostos amigos que quero mencionar, pois foi para mim uma alegria imensa os reconhecer entre os das primeiras filas; eles são: Evandro Ouriques, Fabiano Oliveira, e Marcos Crespo, velhos amigos, nossos e da Galiza, agora também irmãos e camaradas...

ABL e RGPL

A seguir falou o carismático presidente dos Colóquios da Lusofonia, o Professor Chrys Chrystello, que sempre me surpreende com seus discursos exatos e capazes de ir além. Finalmente falou Malaca Casteleiro, o mestre do Acordo Ortográfico, ao que sempre me esqueço de agradecer estas suas magistrais aulas. Bechara fechou aquela magnífica jornada na que todo o mundo parecia se sentiu à vontade, e com vontade de que a tarde não passasse... Mesmo que da Academia ainda devíamos ir ao Real Gabinete Português de Leitura, onde nos aguardava António Gomes da Costa para assinar um protocolo de colaboração entre a Instituição que ele preside e a Academia Galega da Língua Portuguesa; ao tempo que os Colóquios da Lusofonia firmaram também um com o Liceu Literário Português do Rio de Janeiro.

A música da Isabel e a poesia (Rosália, Celso Emílio, Guerra da Cal, Avilés de Taramancos...) que eu li, encerraram o dia no Rio de Janeiro, um dia que nunca terá final, e ao que sempre sonharei voltar para poder tomar um café no Villarino, lá onde Vinícius de Moraes e Tom Jobim selaram a sua parceria; lugar onde se ouviu pola primeira vez o termo Bossa Nova que ninguém sabia ao certo o que significava, mas, acabou dando nome ao novo estilo musical que revolucionou e marcou uma era no Brasil e no mundo.

Áudio da sessão na Academia Brasileira de Letras

Descarregar áudio em MP3

Publicado em Info Atualidade
terça-feira, 24 março 2009 01:00

Lisboa e as nossas palavras...

Concha Rousia 

Concha Rousia
As palavras, como os pássaros, voam sobre as fronteiras políticas.
Castelao 
- Mãe, para onde é que vão as palavras que eu falo...?
- Vão para onde o vento as quiser levar...
- E se eu não quero?
- Então terás que fechar a boca...

Lembro que de pequenos gostávamos de brincar a tentar falar sem abrir a boca, uns pegávamos com as duas mãos nos beiços que os outros colocavam fazendo o bico, para impedir que as palavras fugissem fora, mas fazia-se difícil compreender o que assim se tentava dizer.

Outra forma de brincar com as nossas palavras consistia em que uma pessoa, que permanecia com os olhos fechados enquanto outra desenhava letras com um pauzinho, ou com a ponta do índice, no seu braço, adivinhasse o que na sua pele se acabava de ‘escrever’...

Tudo para tentar burlar o vento que sabíamos queria levar as nossas palavras. Particularmente preocupante era aquele que soprava do Leste deitando sobre nós um bafo quente infestado de palavras alheias enquanto as nossas iam sendo empurradas a caminho do oceano Atlântico... Desacougante imaginar as palavras a aboiar assim polo mar fora... Esse mesmo mar que nós sabíamos em Lisboa mantinha a capacidade de se converter em papas... Lisboa era uma das palavras que a cotio aparecia nas nossas falas infantis... nos nossos jogos, nas nossas cantigas... (Voa joaninha voa que o teu pai vai em Lisboa e vai-che trazer um pão e uma broa...) o que não chegara eu nunca imaginar era que um dia Lisboa deixaria de ser apenas uma simples palavra para se converter no ouvido ao que eu ir contar as nossas outras palavras, as que ainda não foram ouvidas lá...

Fomos a Lisboa um grupo de quatro pessoas, Issac Alonso Estraviz, Ângelo Cristovão, António Gil, e eu. Desta vez para burlar o vento levávamos as nossas palavras escritas em brochura e pen-drive. A nossa primeira visita foi ao MIL (Movimento Internacional Lusófono) na Fundação Agostinho da Silva; a conversa demorou bem duas horas boas, ninguém, nem eles nem nós, se queria despedir daquele encontro.

O dia a seguir, às onze da manhã, dirigimo-nos à Academia das Ciências de Lisboa (ACL); era a primeira vez, desde a criação da Academia Galega da Língua Portuguesa (AGLP) da que todos somos membros, que a visitávamos. Foi esta a primeira visita oficial da AGLP. A reunião foi enriquecedora tanto para uns como para os outros e todos ficamos muito satisfeitos.

O jantar posterior, embora que de elegante etiqueta, transcorreu num ambiente descontraído e muito amigável, era impossível não se sentir à vontade. Dos brindes tenho que destacar as palavras do Senhor Arantes e Oliveira que manifestou sua honra por ser ele o Presidente da Academia das Ciências de Lisboa na altura em que este acontecimento histórico, no que se incorporam os particularismos da Galiza ao corpo comum da nossa língua, está a ter lugar. As suas palavras, o jeito de as comunicar, e o brilho nos seus olhos enquanto as falou, mostravam que eram verdadeiramente sentidas, e com elas nos reconhecia como irmãos de Língua.

A seguir da sobremesa e os brindes, com porto servido nuns copinhos pequenos, muito diferentes dos que estão na moda na actualidade e idênticos aos que havia na minha casa quando eu era miúda... visitamos, acompanhados polos académicos, as magnificas instalações da ACL, entre as que quero salientar as bibliotecas, e a sala de sessões, onde ainda se conservam as primeiras cadeiras numeradas. Na tardinha, logo de regressarmos ao hotel, fomos visitados por amigos que nos convidaram logo a cear, o que pôs o broche final a um dia para nunca esquecer.

A manhã a seguir visitamos a Associação de Professores de Português (APP). Paulo Feytor, o que alguns de nós já tínhamos o privilégio de conhecer, recebeu-nos com as palavras ‘Bem-vindos a esta sua casa’. De tarde visitamos a Fundação Mário Soares onde o Ex-Presidente da República nos aguardava; logo de mais de uma hora com este extraordinário conversador, visitamos as dependências da Fundação nos seus dous prédios que olham em frente o Palácio de São Bento da Assembleia da República. A fundação, na que umas 15 pessoas trabalham diariamente, conta com uns arquivos digitalizados que a todos nós impressionaram.

Essa mesma noite regressamos à Galiza, a mim o caminho pareceu-me mais curto do que noutras passadas visitas a Lisboa; talvez porque sabemos que a cada vez vamos deixando lá mais amigos, com os que desde já, contar, não só na ACL, mas também no MIL e na APP, é não só; ou também talvez porque hoje foi um dia muito feliz para todos e todas nós, para mim significa ter conseguido finalmente vencer o feroz vento do Leste que ameaçava as nossas palavras...

 Fonte original:

Publicado em Info Atualidade
quarta-feira, 29 julho 2009 02:00

Os únicos galegos e galegas livres

Concha Rousia 

Concha Rousia

Vinte e cinco de Julho, sempre!!

Como cada ano nascemos ao dia na Alameda de Compostela, chegados de todos os recantos do país; o meu caminho passara este ano polo Campus para deixar algumas cousas na banca que com alguns amigos e amigas iria atender na parte da tarde. Andei entre as manifestações, o que me permitiu contemplar várias paisagens...

Destaca na lembrança uma negra, que veio logo a coincidir com outra gémea sua depois à noite. Foi no Franco, voltando para o Campus, a entrada da rua que sobe para o Toural estava cortada por uma ringleira de escudos quadrados e negros; policiais de quadrados corpos e faces rectangulares a ferirem os olhos do que os mirar. As insígnias da sua pátria bordadas nos escuros uniformes... As escopetas a apontarem a qualquer parte; as ásperas vozes, altivas, a dispararem ordens ao ar para impedir o passo das pessoas... Um arrepio percorreu o meu corpo, adivinhei a dor nas costelas de compatriotas meus em mãos da policia espanhola que hoje roubava de nós as nossas ruas. Achei a imagem altamente simbólica dos tempos que correm na política da Junta da Galiza.

Do Franco saía um homem embebedado de álcool, anestesia de escolha para alguns acalmarem a dor deste etnocídio insidioso e interminável... ia movendo uma bandeira de estrela e berrando baixinho: 'Putos espanhóis' 'putos espanhóis'..., também ele me doeu... Decidi seguir a caminho do Campus e o Festigal; mas querer queria ir contra os escudos... e berrar bem alto: ‘Hoje, polo menos hoje, a minha pátria é minha!’ Mas calei, da minha mão ia a minha filha que não tirava os olhos das, segundo as suas próprias palavras, enormes escopetas; já no Campus todo era país... as cores, a música, a paisagem humana, e gastronómica... polvo, empadas, carne a grelha, alguém cozinhara num robô desses uma tortilha quadrada, interessante forma, acorde com os tempos...

Às quatro abrimos pontualmente a banca da Associação Pró-AGLP, bonitinha até polas flores cor laranja e o cheirinho do café... A nosso lado a banca mais heavy de toda a festa, a de AGAL; foi mesmo bom ficar juntos para celebrar. A tarde continuou-se com a passagem pola galeria das letras e a das ideias. O dia vinte e quatro foram as palavras de Ana Miranda, de Oriol Junqueras da Catalunya e de Renato Soeiro do Bloco de Esquerdas... Vozes de esperança para a nossa esquerda europeia. A seguir deles tive eu o privilegio de falar sobre feminismo, direitos sexuais e reprodutivos, junto com Olaia Fernández, deputada, e Carmela Garrido, da Marcha Mundial das Mulheres. Eu falei, entre outras cousas, das consequências psicológicas do aborto, ou até deveria dizer da ausência de consequências psicológicas quando a decisão é livremente tomada pola mulher.

Na galeria das letras não cabia mais uma pessoa, a sala ficou atestada para a apresentação do livro 'Sobre o racismo linguístico' edição coordenada por Pilar Garcia Negro, primeira em falar, com a sua inesgotável força, numa linguagem, como sempre, muito cuidada. Das suas palavras sobressai a denúncia do que o auto-odio leva feito connosco; falou da adaptação que dos nomes galegos se leva feito... Falou no caso da deturpação do sobrenome de um companheiro-professor levada a cabo por um antepassado deste emigrado no sul da Espanha, que converteu 'Candal' em 'Candil' para parecer mas aceitável para o castelhano... Porque seica 'Candal' não soava nada Espanhol. E eu pensei, acaso não será que para o galego se escolheu a ortografia castelhana em lugar da nossa ortografia histórica pola mesma razão? para que se pareça a algo espanhol? Deixo aqui estas reflexões que não pude, por falta de tempo, comentar com Pilar, mulher guerreira que admiro e da que sigo a aprender.

A seguir dela Xosé Ramón Freixeiro Mato fez um interessante e demorado percurso pola história, pola nossa história, mesmo que triste, nossa, e grande, e por contar, por escrever... E por último falou Luís Villares Naveira, o juiz de Primeira Instancia e Instrução da Fonsagrada, o juiz que eu escolheria se na Galiza se pudessem escolher essas cousas, e houvesse justiça de seu...

Das palavras, potentes e atrevidas, deste jovem juiz, quero salientar algumas que foram o motivo principal para eu escrever esta crónica; palavras que falam da ideia de ‘liberdade’. Liberdade para escolher em que língua falar os galegos e galegas. O primeiro é a afirmação de que para ser livres na hora de fazer essa escolha temos que ter competência nas duas línguas hoje oficiais na Galiza, ou então a escolha foi feita por nós. A Constituição espanhola insta aos poderes públicos para fazerem o que for necessário para que os indivíduos da Galiza tenham capacidade para poder escolher se falar em galego ou em castelhano; é por isso que desde o Estado não podem arremeter contra a Lei de imersão linguística da Catalunya, eles cumprem um mandado constitucional; porque com efeito, não podemos ser livres de escolher entre uma e a outra língua se não dominamos as duas, pois um não pode ser livre para escolher aquilo que não está a seu alcance... As pessoas que não se saibam exprimir em galego, como já é o caso de muitas das nossas crianças e jovens, não são livres para escolherem, eles terão que se limitar a falar o castelhano que sabem... Ficando apenas livres para escolher em que falar os falantes da língua própria da Galiza, porque estes dominam sempre as duas línguas.

Ser ignorantes da língua própria da Galiza não é portanto um direito constitucional para os galegos, nem também não o é, hoje, ser ignorantes da língua de Castela. Deduzimos então com certeza, que apenas os galego-falantes somos livres de escolher em que língua falar porque todos sabemos as duas, quanto que dos castelhano-falantes não se pode já dizer o mesmo. Nós somos então os únicos livres para poder escolher... quem lho iria dizer aos fala-barato de ‘galicia bilingue’... pois é senhora Lago, pois é... O que vocês estão a pedir, mesmo talvez sem se aperceberem, é o direito a escolherem para seus filhos serem ignorantes da língua própria da Galiza, mas livres, não.

Na oratória do Luís Villares, o juiz da Fonsagrada do que desde já confesso ser fã, encontrei uma força que julgava perdida, até me fez pensar em oradores de outros tempos; achei também, e peço me permita assim o dizer, a dose justa de humildade que eu acho imprescindível para que um homem possa chegar a ser grande; para ele os meus sinceros parabéns por se atrever a abrir caminhos em terrenos pouco favoráveis.

E como o tempo não dá para eu poder narrar tudo o que se passou na banca da Pró-Academia, simplesmente envio um muito obrigada para todo o mundo que colaborou connosco neste nosso primeiro ano no Festigal. Mesmo que nosso espaço fosse um recanto um bocado afastado da parte central, metáfora de nós próprios, era um espaço digno...

Já em casa, depois de ouvir as nossas divas, Ugia Pedreira e Guadi Galego, na TV que alguém ligara, vi o esperpento que teve lugar ao outro lado da catedral. Frijol, disfarçado de pinguim, rodeado de militares a marcharem pola praça, seguidos por  ringleiras de curânganos com vestidos brancos e vermelhos, num Obradoiro no que havia uns quantos senhoritângos que eu nem conheço nem reconheço...

Desliguei a TV, mandei pró nabo aquela imagem quadrada, e encaminhei-me para a cama, com a certeza de que o pesadelo seguiria...

Fonte original:

Publicado em Info Atualidade
sexta-feira, 03 junho 2011 01:19

Rousia, Concha (1962)

Concha Rousia

Concha Rousia

É vice-secretária da Comissão Executiva da Academia Galega da Língua Portuguesa, do Conselho de Redação e Administração do Boletim da AGLP.

Nasceu em Covas (Os Brancos, Galiza). Psicoterapeuta, é licenciada, desde 1995, em psicologia pela Universidade de Santiago de Compostela, na especialidade em psicologia clínica. Master in Science, Marriage and Family Therapy, Universidade de Maryland, Estados Unidos, 1999. Tese de graduação intitulada Multilingualism and psychotherapy.

Entre as suas publicações destacam-se: As Sete Fontes (2005), romance publicado em formato e-book pela editora digital portuguesa ArcosOnline (www.arcosonline.com), Arcos de Valdevez, Portugal; «Dez x Dez» (2006), Antologia poética, Abrente Editora (Galiza); «Cem Vaga-lumes» (2006), obra composta por 16 haikais premiados e publicados pelo Concelho de Ames; «Herança» (2007), conto publicado em Rascunho (Jornal de literatura do Brasil), Curitiba, Brasil; Primeira Antologia do Momento Lítero Cultural (2007), em formato digital, Porto Velho, Brasil; Nas Águas do Verso. Antologia (2008), Porto, Portugal; Antologia do XXII Festival de Poesia do Condado (2008), Gráficas Juvia; Poeta, Mostra a tua Cara. Antologia (2008), Rio Grande do Sul, Brasil; Volume 7 da Coleção Poesia do Brasil, correspondente ao XV Congresso Brasileiro de Poesia, que se celebra em Bento Gonçalves, Rio Grande do Sul, Brasil; «Um dia» (2006), publicado em A Nosa Terra. Análise da violência de género; «Agora Já Não é Nada: Narrativa da desfeita» (2007), Lethes. É uma análise do significado da perda das funções que mantinham os espaços comunitários que desapareceram com a desarticulação da cultura tradicional.

Publicou poemas e outros textos nas revistas e jornais: Agália, A Folha da Fouce, Novas da Galiza, Galicia Hoxe, A Nosa Terra, Portal Galego da Língua, Vieiros, Momento Lítero Cultural.

Prémio de Narrativa (2004), do Concelho de Marim, Galiza; Prémio de poesia (2005), do Concelho Ames, Galiza; Certame Literário Feminista do Condado (2006), Galiza, com o romance A Língua de Joana C.

Publicado em Membros Numerários
sexta-feira, 30 julho 2010 02:00

Unindo passado e futuro: presentes no Festigal

 Concha Rousia

Concha Rousia

Se existisse o tempo, nossa seria a agulha de coser os dias, ou, como preferimos os de coração celta, de coser as noites, à luz da Lua, com a Coruja como testemunha e o Lobo guardando a distância.

Mas, mesmo o tempo sendo provavelmente um invento das nossas mentes, é nele que nos movemos, um tempo que medimos por minutos, por décadas, e mesmo por séculos, e ainda por vezes, por segundos... ora que alguns de nós temos que o medir por séculos de injustiças num relógio alheio, que espeta em nós as agulhas do tempo que eles sonham apenas seu, enquanto sentimos que nos matam, eles matam-nos mas nós morrer não morremos, pola contra, nós fazemo-nos mais fortes como ancestrais chineses que somos, mesmo não sendo chineses, mas sendo, sem nenhuma dúvida, o mesmo Ser.

E chegou o dia de celebrar Galiza, ou a noite, que para nós é a que une o 24 com o 25, e bem podia ser outra qualquer... Este ano, num contexto de desesperança polo cenário político no que sentimos desfazer-se o nosso mundo, com o feche dos jornais digitais Vieiros e Chuza, participamos nós como Instituto Cultural Brasil Galiza, por primeira vez no dia nacional da Galiza.

Fizemo-lo irmanados com a associação Pró-Academia Galega da Língua Portuguesa, que em certo modo é a mãe da AGLP, da mesma forma que o Instituto, é em parte, filho da AGLP; e fizemo-lo com uma mestiçagem dos dous mundos, harmonizando as duas beiras do mar, do mar que fala a nossa língua, como fala outras, porque o mar fala todas as línguas, todas cabem na boca salgada e infinda do mar... Esse mar que estava presente em nosso imaginário; ajudavam duas bandeiras, a do Brasil e a da Galiza, fazendo de velas movidas por um vento providencial, que batia em nossa nave, uma imensa e majestosa árvore que foi ademais refúgio face ao implacável sol de julho.

Na cantina da nossa nave servia-se uma bebida criada por nós: a ‘caipirega’ (caipirinha feita com aguardente galega). Foi um mar de gente a que se passou a experimentar essa nossa poção mágica e à vez iam aprendendo quem éramos nós, quem era a tripulação do ICBG que tal como os membros da Pró, na mesma nave, vestia camisolas pretas que também foram criadas para a ocasião, e nelas dous pássaros, um papagaio e uma pega, falavam... Lindas, desenhadas polo Xico Paradelo, que também foi remador na nossa caravela na que vamos resgatar o velho mundo, levando em nosso porão o que mais amamos deste novo... remamos tantas e tantos companheiros que seria interminável a listagem, e eu iria esquecer alguém, mas há uma pessoa que merece menção de honra, essa é a Nerea, minha filha de 10 anos, que talvez por ter nascido do outro lado do Atlântico, lá nas Américas, ou por ser ninfa, entende muito de atravessar oceanos...

...trabalhou como nunca na sua vida toda trabalhara, hora após hora, até mais de cinco seguidas, ajudando a preparar as ‘caipiregas’ e os cafés, e dependurando as nossas mercadorias para atrair o público, variado e amigo... e junto de Nerea não quero esquecer a pequena Aldara, filha do secretário do ICBG na Galiza, que com seus 6 meses de idade se inaugurava às festas da Galiza como o próprio ICBG, e ela deu o que tinha, sua atenção, tão entregada estava à festa que sua mãe não conseguia que atendesse a mamar, pressenti nela já a futura guerreira...

www.brasilgaliza.org

E do outro lado da ponte do nosso navio estavam os amigos do PT do Brasil, onde a Jeanne e o José informavam sobre o partido dos trabalhadores do Brasil; nem seria preciso mencionar a irmandade de nossos barcos, que para além de amigos se sabem irmãos... e a máquina de picar o gelo da bancada do PT Brasil, onde a Jeanne, no mais puro estilo brasileiro, servia caipirinhas, ia e vinha para trabalhar duplo até que os das caipiregas conseguimos o nosso próprio pica-gelos...

Por nossa beira foi passando e parando a gente, e nós, ora um, ora outro, fomos também de visita a outras bancadas e atos... Saliento dous, aos que eu consegui assistir, e num até participei; esse foi a apresentação dos Cantares Galegos de Rosalia de Castro que o académico Higinio Martins adaptou com um mimo extraordinário. Na apresentação participou o editor Heitor Rodal, que veio desde a Barcelona para apresentar vários livros da sua editora no Festigal 2010; participou também Ernesto Vázquez Souza, académico responsável da edição deste clássico da AGLP, primeiro livro da coleção; a mim coube-me a honra de abrir e fechar o ato sendo a voz dos poemas de Rosalia...

(...)

Cantar-te-ei, Galiza,
teus doces cantares,
que assim mo pediram
na beira do mare.

Cantar-te-ei, Galiza,
na língua galega,
consolo dos males,
alívio das penas.

Mimosa, suave,
sentida, queixosa,
encanta se ri,
comove se chora.

Qual ela nenhuma
tão doce que cante
soidades amargas,
suspiros amantes,

mistérios da tarde
murmúrios da noite;
cantar-te-ei, Galiza,
na beira das fontes.

Que assim mo pediram,
que assim mo mandaram,
que cante e que cante
na língua que falo.

Que assim mo mandaram,
que assim mo disseram...
Já canto, meninhas.
Cuidai, que começo.

(...)

Foi entre amigos, nossos e de Rosalia, foi uma hora para medre e desfrute da nossa alma galega.

A seguinte apresentação à que antes já me referi foi a do Sempre em Galiza de Castelão, que assim como os Cantares de Rosalia abriram o Festigal, este encerrava-os, como duas chaves mestras das portas que se reabrem para levar os nossos clássicos a verdadeiramente se universalizarem no contexto lógico, e até se poderia dizer que natural, da nossa língua. Para falar do Sempre estava Miguel Penas representando a Através, editora da AGAL; estava também Camilo Nogueira, um dos primeiros políticos galegos em usar a nossa língua no Parlamento Europeu, defensor incansável da unidade da língua galego-portuguesa, e batalhador incansável a quem eu há já tempo que aprendi a admirar.

E por último falou Fernando Corredoira, as mãos e a mente que dialogaram durante longos dias e anos para achegar a obra de Castelão aos leitores de hoje, especialmente aos que a desconhecem mesmo sendo obra da sua língua, os leitores da Lusofonia. Corredoira leu o texto introdutório que ele fez para a obra, e entregou nele tudo o que era preciso saber para entender o seu trabalho... E aí acabou o Festigal literário, que se continuou com os concertos...

Arriamos velas, as bandeiras brasileira e galega, que já presenciaram juntas a inauguração do ICBG no Instituto Federal de Santa Catarina, Br, em março deste mesmo ano, e guardamos as nossas cousinhas, especialmente as lembranças de futuros que nasceram hoje...

Fonte original:

Publicado em Info Atualidade