Mostrando produtos por etiqueta: proel e o Galo

segunda-feira, 23 julho 2012 11:40

Academia Galega apresenta três novas publicações

A Academia Galega da Língua Portuguesa apresenta 2 novos números da Coleção Clássicos da Galiza: Folhas Novas e Proel e o Galo, e A música de seis poemas universais de Ernesto Guerra da Cal. O lançamento das três novidades editoriais terá lugar o dia 24 de julho às 17.45 em Santiago de Compostela, no Festigal (Campus Universitário).

Publicado em Info Atualidade
segunda-feira, 26 novembro 2012 19:50

Volume 5: "Proel e o Galo" de Luís G. Amado Carvalho

Luís G. Amado Carvalho: Proel e o Galego

Proel e o Galo e poesia e prosa galega completa
Luís G. Amado Carvalho

Descarregar


Coleção "Clássicos da Galiza": Volume 5

Promove: Academia Galega da Língua Portuguesa. Rua Castelão, nº 27 - 15900 Padrão, Galiza

Edição: Edições da Galiza

Breve resenha:

A poesia de Amado Carvalho (Ponte Vedra 1901-1927) apresenta um tom original, que, pelo seu enlevo alcançou imediatamente grande êxito popular e teve numerosos seguidores na Literatura galega ao longo da primeira metade do século XX.

É, antes de mais, uma poesia paisagística: descreve a paisagem galega. Mas com tons de clara originalidade: a característica mais visível da poesia de Amado Carvalho consiste na abundância de imagens de natureza prosopopeica; isto é: a natureza inanimada (nomeadamente a paisagem rural galega) é apresentada sob fictio personae, com traços humanos: as coisas e, em menor medida, os animais domésticos são apresentados como se fossem seres humanos, que agem e se relacionam entre si como o podem fazer as pessoas. A paisagem aldeã fica, pois, humanizada poeticamente.

Na verdade, esse género de metáforas está presente, talvez desde sempre, em muitos poetas; o que infunde um caráter especial à poesia de Amado Carvalho é o papel que na estruturação dos seus poemas assume esse imaginismo prosopopeico.

Também se deve ressaltar a preferência de Amado Carvalho pelas imagens de natureza pictórica: os seus poemas são como um quadro, de inspiração ingénua, como de um pintor primitivo ou naif, onde prevalecem as cores vivas e chamativas, conforme o gosto popular.

Tem-se denominado de diversos modos esta poesia metaforicamente descritiva: “neorromânica” (pelo seu carácter de primitivismo popular), “imaginista” (pelo papel desenvolvido pelas metáforas na estruturação dos poemas), “hilozoísta” (por ser uma animação [-zoísta) da natureza material [hilo-]). O êxito popular da poesia de Amado Carvalho viu-se propiciado também pela sua singeleza formal. São poemas de compreensão fácil e de leitura agradável mesmo para gente pouco habituada ao uso literário. E é que, como acontecia com as cantigas de amigo trovadorescas, no aspeto formal a poesia de Amado apresenta uma singeleza de estranho encanto. Emprega versos curtos, de forma literária simples, geralmente com rima assonante, com estrutura similar à das cantigas populares tradicionais. Também no terreno linguístico predomina a singeleza: nomeadamente a estrutura sintática é clara e transparente, sem complicações.

Ano de lançamento: 2012

Pode solicitar o Proel e o Galo escrevendo para pro[@]academiagalega.org ou comprando diretamente na loja Imperdível

Publicado em Clássicos da Galiza