Categoria: Info Atualidade Acessos: 1928

José-Martinho Montero Santalha, presidente da AGLP, participou no evento
com a leitura do poema "A palavra de Dom Ricardo Carvalho Calero"

 AGLP / PGL (*)- O centenário do nascimento de Ricardo Carvalho Calero, vulto principal do reintegracionismo e Membro de Honra da Associaçom Galega da Língua, está a mobilizar pessoas de sensibilidades muito diferentes, de toda a Galiza e mesmo do exterior, que reivindicam a atualidade do seu legado. O ato central aconteceu o sábado em Compostela, no passado dia 30 de outubro de 2010, com o descerramento de uma estátua na sua honra.

A estátua foi colocada muito perto da casa da rua Carreira do Conde, onde o professor Carvalho Calero residiu os últimos anos da vida; e do liceu Rosalia de Castro e da que foi sede da Faculdade de Filologia da Universidade de Santiago de Compostela, na Praça de Maçarelos, onde exerceu a docência de língua e literatura, sendo titular da primeira cadeira universitária.

O monumento foi promocionado pola Fundaçom Meendinho, que solicitou contributos populares e de diferentes entidades e instituiçons. O principal foi da associação de empresários graniteiros do Porrinho, que cedeu a base, de Rosa Porrinho, sobre a que repousa a estátua, elaborada polo escultor José Molares, quem estava também presente.

AGLP no evento

José-Martinho Montero Santalha, como presidente da AGLP, qualificou o ato de homenagem como "de justiça à memória do mestre Ricardo Carvalho Calero", de quem destacou a defesa da língua e o estudo da nossa literatura. Leu o seguinte poema de homenagem, intitulado "A palavra de Dom Ricardo Carvalho Calero":

Dom Ricardo Carvalho Calero, voz amiga,
que ecoa na folhagem da carvalheira antiga:

por palavras de sábio, por exemplo de mestre,
transforma num milagre a Galiza silvestre,

e na terra queimada faz renascer as flores,
e nos corações limpos arder velhos amores.

Com ciência e com carinho, sem maltrato nem míngua,
orquestra um cantar novo na nossa velha língua.

E ressoa a mensagem que vem de antigas eras,
mas que leva guardadas outras mil primaveras.

Viva o fruto da ciência, do amor e do trabalho,
viva a palavra viva do professor Carvalho!

Oradores

O ato foi apresentado por Margarida Martins, da Fundaçom Meendinho. Na continuação participaram diversos oradores, em representação de instituições e entidades diversas: Javier Garbayo e Manuel Fernández Iglésias, vice-reitores das universidades de Santiago de Compostela e Vigo; Maria Pilar García Negro, do Departamento de Galego-Português da universidade da Corunha; José-Martinho Montero Santalha, como presidente da AGLP; José Paz, como presidente da ASPG-P; Valentim Rodrigues Fagim, presidente da AGAL; Guadalupe Rodríguez, vereadora do Concelho de Santiago; Elvira Cienfuegos, também representante do Governo Municipal de Compostela; Margarida Carballo Calero, filha do homenageado; Ramiro Parracho Oubiña, secretário confederal da CIG; Alexandre Banhos, como presidente da Fundaçom Meendinho.

Descerramento e hino galego

Na continuação aconteceu o descerramento da estátua, um magnífico monumento de bronze de José Molares, como ficou assinalado.

Na base, no frente, além do nome de Ricardo Carvalho Calero constam “Ferrol. 30.10.1910” e “Santiago de Compostela. 25.03.1990”, como referência às cidades e datas em que nasceu e morreu, respectivamente.

Na esquerda constam, por esta ordem, a Fundaçom Meendinho, Universidades Galegas, AGLP, AGAL, ASPG-P, CIG e Achegas Populares, para lembrar as diferentes contribuiçons para poder erigir este monumento.

E na direita, a inscrição da seguinte frase:

A fala da Galiza, o português de Portugal, o português do Brasil e os portugueses dos distintos territórios lusófonos formam um único diassistema lingüístico conhecido entre nós popularmente como Galego e internacionalmente como Português.

Encerrou-se a homenagem com a interpretação do Hino Galego por gaiteiros da Gentalha do Pichel.

Participantes

Para além das pessoas já assinaladas, participaram no acto outras que se deslocaram desde diferentes cidades, vilas e lugares da Galiza e da própria comarca de Compostela. Entre elas José Luís Rodríguez, Isaac Alonso Estraviz, Bernardo Penabade, Luís Gonçales Blasco, Ana Pontón, Carme Fernández Pérez-Sanjulián, Manuela Ribeira Cascudo, Anxo Louzao, Rubén Cela, Artur Alonso Novelhe, José Manuel Barbosa, Concha Rousia, Ana Cabanas, Ramom Reimunde, outros familiares de Carvalho Calero, e umha ampla representação da comunicação social.

(*) Extrato da crónica publicada pelo PGL.